segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Pedidos para Papai Noel

Fala, Bom Velhinho!

Em 2008 eu fui um bom torcedor... não briguei com nenhum Avalixo, não zombei dos Pinguins perdedores e assisti a (quase) todos os jogos dos Red Wings nos playoffs da Copa Stanley — quase todos porque a maldita conexão Velox de 1 Mb não foi suficiente em todas as ocasiões.

Meu Querido, em razão do meu excepcional comportamento, que inclui ter participado de todas as edições de TheSlot.com.br, escrito no blog regularmente e tolerado o zeh Ferreira durante todo o ano, eu queria lhe pedir um presente especial em nome de toda a torcida do Detroit Red Wings.

Não, não quero a Copa Stanley. Isso eles é que vão pedir, no gelo.

Eu quero que o Kirk Maltby seja trocado ou enviado para o Grand-Rapids Griffins. Eu quero que o Ken Holland renove o contrato do Henrik Zetterberg. Eu quero que o Zetterberg dê-nos um desconto muito bacana para permanecer em Detroit. Eu quero que o nome seguinte na lista do nosso gerente geral seja Johan Franzen e não Marian Hossa. E que Franzen também faça um preço promocional pra nós. Eu também queria que o Hossa permanecesse em Detroit, mas nós dois sabemos que isso é impossível até mesmo para uma entidade como Vossa Senhoria.

Eu quero que o Ville Leino não se arrependa de ter vindo para a América do Norte. Que ele tenha paciência para esperar sua chance no ano que vem. O mesmo vale para Darren Helm, Jonathan Ericsson, Jimmy Howard e Daniel Larsson, se não for pedir muito. Eu e todo mundo queremos que o Holland dispense o Andreas Lilja em vez do Kyle Quincey — eu sei que é tarde, mas fica aqui registrado.

Eu quero que o Chris Chelios preocupe-se mais com seus dois botecos do que com jogar hóquei. E tome cuidado, Meu Velho, porque o Chelios tem idade para tomar o seu lugar! Eu quero vida longa para Nicklas Lidstrom, durabilidade para Niklas Kronwall e o Chris Osgood dos playoffs de 2008 de volta, porque a versão 2009 do goleiro precisa de um recall urgente. Também quero que os Red Wings abram a próxima temporada na Suécia.

Também quero que o San Jose Sharks perca, que o Colorado Avalanche perca e que o Alexander Ovechkin ganhe do Evgeni Malkin.

E quero ver o Clássico de Inverno, pelamordedeus!

Por enquanto é só. Meus colegas certamente vão se lembrar de alguma coisa e postar nos comentários. Não se esqueça de atendê-los também. Obrigado.

sábado, 20 de dezembro de 2008

Boas Festas (Reloaded)

Querido Papai Noel,

antes de mais nada desculpe-me por ter publicado sua foto do Carnaval de 2007, mas não é por mal, fiz isso apenas para que o senhor saiba que nós, da Equipe Red Wings Brasil, sabemos que tens uma vida normal.

Por isso mesmo, Bom Velhinho, estou escrevendo esta mensagem pedindo uma Lembrancinha de Natal que nem dinheiro custa e que, também, pode ser entregue lá pelo meio de junho de 2008, dado o trabalho que o senhor terá para conseguir desfazer o nó cego que é pra conseguir.

Nós, seus fiéis, pedimos apenas a Stanley Cup. De quebra consegue o Vezina pro Hahahasek ou pro Osgood (pra este, de preferência), o Troféu Presidents e o Conn Smythe pro Dats, Zetta, Homer, Hudler ou qualquer um que jogue no Detroit Red Wings.

Se não for pedir demais, gostaria também de um trombone e uma kombi.

Um abraço,
zeh, da Equipe Red Wings Brasil.
E não é que deu certo? Só o Vezina que nao deu... Também, pudera.

Pois é, reenvio esta cartinha para o senhor, Bom, velhinho. Só que agora gostaria do mesmo presente, na mesma época, mas em 2009. O Conn Smythe também seria legal. E também, adiciona na lista o James Norris pro Lidstrom.

Um forte abraço e um afago na barba,
zeh e toda a nação RWB.


P.S.: Boas Festas a todos os que passam alguns minutos dos seus dias lendo as calamidades que escrevemos por aqui.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Meu stick é maior que o seu

Postado por Humberto Fernandes, 3 dias atrás:

"Eles estavam com a cabeça no jogo de quinta-feira contra o San Jose Sharks, uma prévia da final da Conferência Oeste, e não se preocuparam em jogar hóquei suficiente para derrotar o que restou do Colorado Avalanche.

Certo, pessoal?"

CERTO!

Nosso capitão já havia avisado antes do jogo: "Esse será um jogo para medirmos sticks".
Isso só corroborava a noção de que cada embate entre Red Wings e Sharks nessa temporada será uma prévia do que poderemos ver na disputa da final da conferência Oeste, em Maio de 2009.

No primeiro jogo entre os dois times esse ano, no Shark Tank, vitória dos donos da casa por 4x2, com relativa facilidade, domínio indiscutível e vários dos nossos erros ao longo da temporada se repetindo. Não foi o caso do jogo de ontem.

É bem verdade que o começo do jogo não fazia jús à expectativa de todos. Não havia clima nem ritmo de playoffs no gelo. Sharks com um pouco mais de volume e chutando mais a gol (9 contra 2 tacadas dos Wings), mas no geral era um jogo chato. Até que...

Puck carregado na zona neutra, paradinha pra evitar o offside, a Mula faz o deke pro forehand, solta um slap shot, Nabokov pego de surpresa e... caixa! 1x0 pros Wings. Festa em hockeytown!

Nem bem se passou 1 minuto e Datsyuk protege o puck novamente no meio da zona ofensiva, com os patins e o corpo evita o poke check por trás e solta um wrist shot. Caixa! 2x0 Wings.

Fim de primeiro periodo. A liderança na partida era comemorada, mas com ressalvas. Essa tem sido a temporada das viradas e nada melhor que um 2x0 no placar para ver o chão sumir sob seus pés ao levar uma acachapante chuva de gols. Portanto, teste de concentração pros atuais campeões. E nesse teste fomos bem sucedidos.

Os dois períodos restantes foram um prolongamento do final do primeiro. Wings forte no forecheck, impregnando os defensores dos Sharks, brigando nas bordas. Com um passe sensacional de Dats para Hossa, 3x0. No período derradeiro, o cansaço de ter jogado na noite passada pesou nas costas dos Sharks, que foram engolidos pelos Wings com mais 3 gols, fechando o placar em inapeláveis 6x0, segundo shutout de Conklin na temporada.

O mais interessante é que esse elástico placar não foi construido com jogo lindo, rápido, de passes meticulosos e golaços. Foi construido com o bom e velho hockey persistente e batalhador, incansável, de fundamentos bem executados, muita vontade e disposição. Geralmente o tipo de hockey que faz com a que Stanley Cup passe 1 ano nas mãos dos que dispõe a esse sacrifício.

Se havia um jogo onde deviamos provar que os Wings não estão mortos e são, de fato, o time a ser batido nos Playoffs, esse jogo foi ontem.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

As voltas que a NHL nos dá.

Tartaruga Ninja de volta às telas? Quem sabe.


Quando Darren McCarty voltou à NHL, fazendo sua longa caminhada pelo Generals, Griffins e de volta ao Detroit Red Wings, a gente fez algumas considerações; muitas boas, algumas ruins, mas não se pode deixar de dizer que todos nós queríamos que isso acontecesse. 

Sim, ele foi pra Calgary, mas Larionov foi pra Flórida em 2000-01 (e dizem que a Flórida é o estado em que os idosos vão para ter "uma vida feliz"). Não foi assim com ele.  Ele voltou na mesma temporada para Mo-Town e, na seguinte, tornou-se o jogador mais velho a marcar um GWG em OT e foi campeão da Stanley Cup - ambas as marcas sobre o Carolina Hurricane.

Bom, o que quero dizer é que Big Mac ter ido para Calgary não foi um crime, um pecado capital. Foi uma tentativa e, como todo bom ser humano, meter os peitos de vez em quando vale a pena. Infelizmente uma contusão o deixou de lado.

Tudo bem, seu histórico com álcool não ajudava muito e, como todo ser humano, levantar a cabeça e reparar seus erros sempre vale a pena. Ele ligou para Kris Draper, abriu seu coração para o amigo - e ex-companheiro da Grind Line 2 - disse que ia mudar e mudou sua vida e hoje voltou a ser um ídolo para os torcedores do Red Wings e, também, foi campeão da Copa Stanley na sua temporada de retorno - 2007-08.

Esta história é, realmente, fantástica. Todos que gostamos de hóquei reconhecemos o valor deste carinha que adotou Detroit como sua cidade, conheceu a glória e a queda, mas que, acima de tudo, foi capaz de reerguer e ser reconhecido pelo bom trabalho.

Porém, como se diz por aqui: periquito come milho e papagaio leva a fama.

Depois do sucesso logrado pelo nosso "bad boy", uma ex-personagem folclórica da Liga quer tirar o prefixo de passado e voltar a ser o que era, só que aos 43 anos.

Claude Lemieux, ou Turtle Man, como prefiram, está tentando voltar à NHL.

Ele tem idade bastante para ser pai do seu pai (em termos comparativos, claro), e não lembro de ter notícias dele como um "bom jogador".

Porém, ele tem bagagem. Foi campeão da Stanley Cup e tem um Conn Smythe, em 94-95. Talvez a bagagem seja até muito pesada para sua idade e para a pancadaria que temos na Liga.

- Tio zeh, e o Chelios? E o Hasek E o Drake? Eles também tem uma ruma de anos. Qual a diferença?
- A diferença é que Chris Chelios está no time pelo Salary Cap, tem 3 Norris Trophy, o Bud Light de 2001-02 é dele e escreveu as regras do Hockey. Dominik Hasek dispensa apresentações. Já Dallas Drake tinha 39 na temporada passada e não parou por quatro temporadas, como o Chico Tartaruga.

Meu ponto é que esses caras que, bem ou mal, fizeram história, têm sim de ser reconhecidos, mas desse jeito? Hoje tem gente de 15 anos de idade na liga, cheio de hormônio e músculos, que não agüentam um tranco bem dado. 

Trazendo para a antiga rivalidade, imagina o Chico Tartaruga levando uma lenhada do Kronwall. 

Hehehehe, seria ótimo. Pelo menos nos EUA não tem o Estatuto do Idoso.

Lemieux assinou um contrato de 25 jogos com o Worcester Sharks, time da AHL do San Jose Sharks. Até agora, com 10 jogos, tem dois gols e cinco pontos. Nada mal para a idade.

Se ele conseguir fazer o que o McCarty fez, será muito bem-vindo. Afinal, se ele estiver no San Jose na final da conferência será jovem ver a seguinte imagem novamente, mesmo que o uniforme do adversário não seja o do Avalanche, mas do Sharks.



zeh.


Nas nuvens

Eles estavam com a cabeça no jogo de quinta-feira contra o San Jose Sharks, uma prévia da final da Conferência Oeste, e não se preocuparam em jogar hóquei suficiente para derrotar o que restou do Colorado Avalanche.

Certo, pessoal?

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Faça o Diabo feliz

Se nem Deus é perfeito, por que o Diabo seria?

Nos comentários de Bruce MacLeod sobre a vitória do Detroit sobre o Chicago por 5-4 nos pênaltis, a segunda nota começa assim: "Andreas Lilja falhou no segundo gol do Chicago que empatou o jogo em 2-2". E a terceira: "Lilja falhou também no terceiro gol".

Em seis notas sobre o jogo, duas descreviam os erros de Lilja.

Nicklas Lidstrom lidera a votação para o Jogo das Estrelas com 369 mil votos. Dion Phaneuf vem a seguir, com 309.426. Ou seja, Lilja está a apenas 309.324 votos de distância do JDE 2009 em Montreal.

Vamos lá, pessoal. São só 309 mil votos. Faça a sua parte, vote em Lilja.

Imagine a cena:
Lilja vai para Montreal e o avião cai.
Lilja vai para Montreal, o avião não cai, mas o táxi capota no caminho do Bell Centre.
Lilja vai para Montreal, o avião não cai, o táxi não capota, mas Lilja corta o pulso na lâmina do patim esquerdo ao calçá-lo, causando um sangramento irreversível.
Lilja vai para Montreal, o avião não cai, o táxi não capota, a lâmina não corta e o sangue não jorra, mas um chute de Andrei Markov desvia no taco de Alexei Kovalev, explode na trave, ricochetea nas bordas e vai direto no olho direito de Lilja. Ele não fica cego — ou fica, você quem sabe —, mas aposenta-se do hóquei.

Trezentos e nove mil votos, pessoal. Mãos à obra.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Pacto com Ele

Um velho e bom amigo dizia que o Detroit tem pacto com o Diabo.

Ele tinha toda a razão. E ainda tem.

Tomas Holmstrom é o "homem da frente", que obstrui a visão do goleiro e desvia os chutes para dentro do gol. Somente nesta temporada já conseguimos gols de Tomas Kopecky e Dan Cleary realizando a mesma função. No ano passado, Johan Franzen "nasceu" assim. Ou seja, qualquer imbecil que esteja plantado por ali vai aparecer no placar.

Derek Meech é defensor, mas ultimamente tem jogado improvisado no ataque. Na vitória contra o Vancouver Canucks por 6-5 ele marcou o primeiro gol de sua carreira em belíssimo movimento por trás da rede (a famosa viradinha), uma jogada que raras vezes dá certo.

Se você acha que Andreas Lilja é ruim, você está louco, porque ele é péssimo. Ou melhor, era. Em Detroit ele melhorou muito e agora é só incapacitado mental e tecnicamente de garantir a paz mundial. E isso, meus amigos, só o pacto explica.

A vitória contra os Canucks mostrou que os Wings precisam mesmo marcar gols no atacado para derrotar qualquer adversário que saiba segurar o taco, trocar passes e de vez em quando chutar a gol. Porque Chris Osgood, Ty Conklin, Dominik Hasek, Curtis Joseph e _______________ (preencha com o nome de goleiro que você quiser) são todos uns cones do Detran.

Nos últimos 20 anos, ou talvez nos últimos cem, nenhum outro time ganhou a Copa Stanley jogando em empty net, somente os Wings, em 1998 e 2008.

É o Diabo.

Um abraço pra ele!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Feliz aniversário, Betão.



A família Red Wings Brasil desejamos a esta figura indelével o melhor que a vida possa oferecer.

Felicitações pelo seu natalício, Beto.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Noite de estréia no blog.

Estou passando por problemas pessoais e não vou ter tempo pra ficar atualizando o banner tanto quanto gostaria.


Portanto, pra facilitar meu trabalho, criei este novo banner e, doravante, é assim que será.

Trocarei o jogador, o nome e o apelido do fofuxinho da vez. 

Claro que haverá outras mudanças, mas não muito exageradas, afinal eu tenho mais o que fazer.


zeh.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Parabéns, Ken Kal.

A vitória de ontem por 2 a 1 contra o Anaheim Ducks marcou um milestone para mais um ídolo dos torcedores do Detroit Red Wings.


Ken Kal, narrador oficial da equipe desde 1995 -- 14 temporadas seguidas --, chegou à marca de 1.000 jogos narrados para o Todo Glorioso.

Antes do advento -- pelo menos ao nosso conhecimento -- do streaming de vídeos na internet, eu, Beto e Dudu, assim como vários outros fanáticos, varavamos noites e mais noites ouvindo suas narrações na WXYT, que depois tornou-se The Ticket.

Talvez você não saiba, mas no sexto e último jogo da final da temporada passada Ken Kal estava com laringite e não pode narrar o jogo. Seu substituto, mais que à altura, foi Ken Daniels, narrador da FSN Detroit, que fez um trabalho espetacular e, num movimento de mestre, passou o microfone para Ken Kal, faltando 7 segundos para terminar o jogo, e pudemos ter o prazer que é ter um torcedor nato do Red Wings gritar para o mundo, em primeira mão, que "...time will run out and the Detroit Red Wings are the Stanley Cup Champions".

Parabéns, Ken. E Obrigado por fazer com que entendamos um pouco mais sobre o Hockey no Gelo e o Detroit Red Wings.

Que venham mais 14 temporadas.


zeh.

Foto: Arquivo do DetNews.Com

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Babcock é meu pastor

— Qual é o time mais esforçado da National Hockey League?, pergunta Mike Babcock.
— Bem, antigamente eu podia dizer sem qualquer dúvida, nós. Mas eu não acho que seja o caso agora —, responde Mike Babcock.

Ele tem absoluta razão.

"Nós sofremos sete gols em 38 chutes nos últimos dois jogos. Isso explica por si só. Nós temos que trabalhar melhor neste quesito. Temos que jogar melhor na defesa, mas também precisamos de algumas defesas dos goleiros, e então isso te ajuda a avançar. A outra coisa é que estamos numa fase difícil do calendário, mas não há qualquer desculpa nesta liga. Ninguém se importa sobre onde você estava ou de onde veio, você tem que encontrar uma maneira de vencer jogos e trabalhar duro. Temos uma boa oportunidade nesta noite. O time deles [Anaheim] jogou ontem. Nós não. Nós temos que ter mais energia que eles. Então agora joguem por 60 minutos."

Palavras da salvação. Glória a Babcock.

Por que ainda não há um banner de Mike Babcock neste blog?!