Contagem regressiva para a Copa.

 Contagem regressiva para a Copa.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Wings em TheSlot.com.br

A suspensão imposta por Gary Bettman a Nicklas Lidstrom e Pavel Datsyuk por suas ausências no Jogo das Estrelas foi tema de uma matéria na edição de TheSlot.com.br desta semana.

"Ameaça à integridade da temporada": Leia lá, comente aqui.


As últimas de Detroit: ontem quem jogou foi Aaron Downey. Amanhã será a vez de Ville Leino. E também deve ter um lugar no time para Justin Abdelkader, que foi convocado hoje de manhã.

Pelo visto as costas de Henrik Zetterberg ainda não estão curadas de carregar todo aquele dinheiro para depositar no banco...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

12 pro 40

O novo contrato de Henrik Zetterberg, anunciado há pouco em entrevista coletiva em Detroit, é de 12 anos e US$ 73 milhões.

Como era imaginado, o grosso do contrato será pago nos nove primeiros anos, com US$ 5,35 milhões apenas reservados para os três últimos anos do acordo (a começar quando Zetterberg tiver 37 anos de idade).

Na próxima temporada, Hank receberá US$ 7,4 milhões, graças ao acordo de cavalheiros que a gerência mantém com Nicklas Lidstrom: ninguém pode receber mais do que ele.

Ano a ano, o salário do futuro capitão:

2009-10: US$ 7,4 milhões
2010-11 a 2012-13 (3): US$ 7,75 milhões
2013-14 a 2016-17 (4): US$ 7,5 milhões
2017-18: US$ 7 milhões
2018-19: US$ 3,35 milhões
2019-20 a 2020-21 (2): US$ 1 milhão
Esses números importam para o bolso de Mike Ilitch, não para nós, torcedores. O número que nos interessa é o impacto de Zetterberg no teto salarial: precisamente US$ 6,083 milhões por temporada.

Veja como o custo/ano de Zetterberg se compara com outros jogadores da liga:
Alexander Ovechkin: US$ 9,538 milhões
Sidney Crosby: US$ 8,7 milhões
Brad Richards: US$ 7,8 milhões
Scott Gomez: US$ 7,36 milhões
Joe Thornton: US$ 7,2 milhões
Pavel Datsyuk: US$ 6,7 milhões
Daniel Briere: US$ 6,5 milhões
Ken Holland fez mágica novamente. Ao aumentar o contrato em dois anos e US$ 3 milhões (acima dos dez anos e US$ 70 milhões anteriormente comentado), o melhor gerente geral da América diluiu o impacto de Zetterberg no teto salarial em mais de 900 mil dólares ao ano.

Economia necessária para quem ainda tem que negociar com Marian Hossa, Johan Franzen, Mikael Samuelsson, Jiri Hudler, Tomas Kopecky, Ty Conklin, Ville Leino, Darren McCarty e Aaron Downey.

Holland afirmou que vai tentar assinar mais um contrato nas próximas seis semanas e mencionou especificamente os nomes de Hossa e Franzen. Após esse prazo os Wings se fecham para os playoffs e nada acontece até que a Copa Stanley seja entregue.

Zetteberg decidiu permanecer o resto da vida em Detroit. É por isso que o Sr. Ilitch estava feliz na coletiva.

Ahá, Uhu, o Zetterberg é nosso!

Às 17 horas de hoje, horário de Taguatinga e adjacências, Ken Holland & Cia. vão anunciar o novo contrato de Henrik Zetterberg.

O sueco será um Red Wing pelo restante de sua vida.

Fala-se em contrato de 12 anos e US$ 72 milhões. Se o valor for confirmado e Zetterberg assinar por US$ 6 milhões/temporada, é o primeiro passo dado pelos Red Wings para segurar o restante dos agentes livres do time (Marian Hossa, Johan Franzen e Jiri Hudler).

Este contrato será o mais longo e mais lucrativo da história da franquia.

Zetterberg tem 28 anos e garantiu sua mesada até os 40.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Não vá, Bab!

Não vá, Babcock!

Mande o Jogo das Estrelas pro inferno e fique em Detroit. Dê uma banana pro comissário Buttman e pro seu autoritarismo idiota.

(Você não entendeu nada? Então leia o post abaixo).

Farsa das Estrelas

A NHL não vai perdoar o comportamento dos jogadores que, apesar de convocados, optaram por não disputar o Jogo das Estrelas.

É o caso de Pavel Datsyuk e Nicklas Lidstrom, por exemplo.

A liga vai forçar o entendimento de que todos os jogadores que se recusarem a comparecer ao Jogo das Estrelas terão que perder pelo menos um jogo antes ou depois do evento. Desta maneira, Datsyuk e Lidstrom seriam suspensos do próximo jogo, na terça-feira, contra os Blue Jackets em Columbus.
Quer dizer então que o Comissário vai obrigar os jogadores a participar dessa farsa, a palhaçada chamada Jogo das Estrelas, sob a ameaça de suspender o jogador que se recusar a comparecer?

A liga permite que um torcedor vote infinitas vezes através de um script de computador ou de um telefone celular, achincalhando toda a votação... e agora quer forçar essa merda?

Suspendam Lidstrom. Suspendam Datsyuk. Nós vamos ganhar do Columbus do mesmo jeito.

Não caia nessa, Ken Holland. Deixe os caras descansarem. Oito dias de folga para os dois melhores jogadores do time renderão frutos em maio, quando a razão de se jogar hóquei estará em disputa.

E deixe o comissário com os puxa-sacos em Montreal.

Quem?
O Pittsburgh Penguins não tem intenção de testar a ameaça do comissário Gary Bettman de suspender aqueles que não aparecerem para o Jogo das Estrelas em Montreal.

O capitão dos Penguins, Sidney Crosby, está a caminho de Montreal e deve chegar nesta tarde para participar integralmente das atividades fora-do-gelo.
Ele.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Devolve a moto, Ken!

Para alegria de todos e felicidade geral da nação, a NHL anunciou que Pavel Datsyuk e Nicklas Lidstrom estão fora do Jogo das Estrelas, sendo substituídos por Patrick Marleau e Stephane Robidas.

Datsyuk supostamente se machucou no jogo de ontem, enquanto Lidstrom atuou o tempo todo, inclusive marcando dois gols.

Desta forma, os atuais campeões da Copa Stanley e postulantes ao título em junho próximo não enviarão sequer um representante a Montreal. Serão seis produtivos dias de descanso até o próximo confronto, contra o Columbus Blue Jackets, na terça-feira.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Zéterbergui

Henrik Zetterberg teria recusado um contrato de 10 anos e US$ 75 milhões com o Detroit Red Wings.

Pensei em várias maneiras de terminar esse post ofendendo o jogador ou abrindo as portas para ele dar o fora de Detroit o mais rápido possível, porque não compreendo como ele poderia fazer isso com os Red Wings. Mas desisti.

Ele, pra mim, é problema dele.

Isso não significa que você não pode xingá-lo... eu adoraria.


ATUALIZAÇÃO: (20h19)
O assunto chegou até Zéterbegui. Está nos jornais de Detroit que disponibilizamos os links aqui no blog.

O sueco negou o boato, dizendo que não recusou uma proposta de US$ 75 milhões.

Tudo bem, então assina aí por 7 milhões e 5 anos que vamos acreditar.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Parados sobre essa linha imaginária...

... que divide as duas metades da temporada regular. É onde nosso time se encontra hoje, 11/01/09.

41 jogos realizados. Todas aquelas conversas sobre entrosamento, tempo de adaptação e etc agora já não valem muito. Tempo o time já teve. E o resultado (será que já podemos dizer isso?) vem sendo visível.

Haviamos feito uma análise do nosso desempenho no início da temporada (se você não lembra, só conferir AQUI). Nessa análise, o veredito foi retumbante: nossa defesa estava desregulada.

Na ocasião, tinhamos uma média hedionda de 3,36 gols sofridos por partida. Um absurdo, pra melhor defesa da liga (no papel).
Nos últimos 14 jogos, melhoramos consideravelmente essa média, pra 2,07 gols sofridos por partida. Se isso é bom? A melhor média da liga pertence aos Bruins, 2,14. Ou seja, voltamos ao passo de defesa campeã (inclusive com 3 Shutouts nesse período).

Nosso ataque continua mandando bronca, elevando a então média de 3,67 gols por jogo nas primeiras 14 partidas para 3,71 por jogo nas 14 últimas.

Com a defesa calibrada e o ataque sanguinário, não é a toa que temos 10-3-1 nesse período e estamos embalados por 6 vitórias seguidas.

Mesmo assim, ainda há coisas a serem melhoradas, principalmente nosso PK fora de casa, atualmente o pior da liga. Mas isso é natural e temos ainda a outra metade da temporada para evoluirmos ainda mais, chegando aos Playoffs com tudo ajustado e motivados.

Como disse Babcock antes da temporada, não há isso de ressaca da copa, pelo menos não em Detroit.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Em vez de uma van, uma moto

Apesar dos nossos esforços contrários, o Detroit Red Wings será representado no Jogo das Estrelas em Montreal por dois jogadores, justamente os melhores do time: Nicklas Lidstrom e Pavel Datsyuk.

Não é o melhor cenário, mas poderia ser pior. No mês passado os atacantes Henrik Zetterberg e Marián Hossa também estavam entre os mais votados para o ataque e Brian Rafalski disputava a segunda posição entre os defensores.

Ou seja, em vez de uma van dos Red Wings enviaremos uma motocicleta pilotada por Datsyuk. Porque com aquela habilidade nas mãos e nos pés (vide post abaixo), eu confio nele até pra guiar uma máquina assassina de duas rodas com o maior jogador da história do hóquei na garupa.

Com a mão e com o pé

Na vitória do Detroit Red Wings sobre o Columbus Blue Jackets por 3-0 na noite de terça-feira, dois nomes se destacaram sobre os demais: Ty Conklin e Pavel Datsyuk.

Conklin conquistou seu quarto shutout na temporada, realizando duas defesas fora de série e contando com a trave em outras duas chances de gol do Columbus. Conklin defendeu um chute com a luva e outro com o pé quando o gol era dado como certo.

O goleiro tem 14 vitórias em 20 jogos, com 2,38 gols sofridos por jogo e 91,8% de defesas. Chris Osgood que se cuide.

Datsyuk marcou o gol da vitória em vantagem numérica no começo do terceiro período e assistiu nos gols de Marian Hossa e Henrik Zetterberg. No último, em rede vazia, Datsyuk disputou o disco na linha azul de defesa e perdeu o taco. Sem hesitar, chutou o disco com o pé esquerdo em direção a Zetterberg. Um passe perfeito que fez seus companheiros no banco de reservas comemorarem com intensidade.

O futebol no vestiário antes dos jogos de hóquei pagou dividendos.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Não vamos para Montreal

Parabéns, fãs do Detroit Red Wings.

Não condenamos nenhum dos nossos jogadores a passar um fim de semana no frio de Montreal em vez de curtir o aconchegante calor californiano ou o conforto do lar ao lado da família.

O Jogo das Estrelas é uma grande festa. Deve ser divertida para os jogadores, mas não é nada emocionante para os fãs, que entendem a eleição dos titulares de maneira equivocada.

Afinal, qual a vantagem em eleger quatro jogadores do seu time como titulares no JDE? A troco de quê? Jogar um amistoso no fim de janeiro não aproxima a equipe da Copa Stanley, pelo contrário, adiciona cansaço a jogadores que disputam mais de cem jogos para conquistar a Copa.

Montreal Canadiens, Pittsburgh Penguins, Chicago Blackhawks e Anaheim Ducks são os grandes prejudicados, graças aos seus torcedores.

O atual campeão da Copa Stanley não tem nenhum titular no JDE, nem mesmo Nicklas Lidstrom, o Sr. Norris. E isso é ótimo!

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

"Take me out to the 'ice rink'"

E pra onde for. Pode botar o Detroit Red Wings pra jogar num açude congelado no interior do Piauí, contra o time de futebol local que eles ganham.


Eu não acompanhava o Detroit havia algum tempo. Nem sabia que o Chelios estava de volta. Mas se ele voltou, eu também.

E tirando esse negócio de jogo de hockey em campo de baseball, vimos o melhor time da liga suprimir qualquer tipo de "sede de vingança" de um dos times mais promissores da liga.

Depois do 3 a 1 no primeiro período, sendo bem sincero, tinha certeza que o jogo seria nosso.

Ver o Detroit Red Wings jogando como deveria jogar todo jogo - nos dois últimos períodos - realmente faz com que deixemos de lado o medo de não chegarmos às finais da conferência e, principalmente à Stanley Cup (né, Felipe?).

Quem duvidava de Ty Conklin tem tido, com certeza, o "cala-a-boca" que precisava.

Quem duvidava do Detroit Red Wings tem tido, com certeza, o "cala-a-boca" que precisava.

Quem duvidava da capacidade de Mike Babcock ser notícia teve, com certeza, o "cala-a-boca" que precisava.

Back-to-Back? Pode anotar. Se não tiver, é jogo 7.

Wings x Hawks? 4 a 0 na temporada, com mais dois jogos pela frente. A última vez que o Hawks chegou no Playoff, Patrick Kane tinha 13 anos. "Is this the year?". Hahaha! Talvez. Mas com 4 pontos a menos do que poem alcançar.


Feliz Ano Novo.

zeh, perdido em Curitiba. No frio!