terça-feira, 31 de março de 2009

Prorrogação e Red Wings combinam?

Marcelo Constantino, colunista de TheSlot.com.br e leitor do blog, pesquisou o histórico dos Red Wings em prorrogações nos playoffs desde 1997, ano em que começou a acompanhar a NHL, para confirmar se o retrospecto do time é tão desanimador quanto ele acreditava ser.

A resposta está logo abaixo, em texto de sua autoria.


Os torcedores do Detroit Red Wings devem temer as prorrogações nos playoffs?

Eu acompanho hóquei desde a temporada de 1996-97 e minha lembrança recente do Detroit Red Wings em prorrogações de playoffs não é positiva. Digo, minha cabeça diz que os Red Wings perdem mais do que vencem essas prorrogações. Isso certamente está embasado pelos anos mais recentes, com alguns desastres infelizmente memoráveis. Mas será que isso faz sentido, ou seja, será que isso tem fundamento? Os Wings realmente têm um retrospecto ruim nesse ponto?

Para saber a resposta, fui pesquisar os jogos do time em prorrogações de playoffs desde aquela minha primeira temporada, ou seja, desde os playoffs de 1997. E o resultado, salvo algum engano meu, realmente não é positivo: os Red Wings venceram 43% das prorrogações, 12 vitórias e 16 derrotas.

O que pesa negativamente nesse histórico é o período entre 2000 e 2004, quando os Wings venceram apenas duas de 13 prorrogações, ou apenas 15%. Duas prorrogações em cinco anos. E você certamente há de se lembrar das duas: uma delas é a histórica terceira prorrogação do jogo 3 das finais de 2002, quando o quarentão Igor Larionov colocou o disco para dentro do gol dos Hurricanes. A outra, também importantíssima, foi a de Fredrik Olausson contra o Colorado Avalanche, na também clássica guerra das finais de conferência daquele mesmo ano. Mesmo naquele ano campeão de 2002, o Detroit venceu somente duas de seis prorrogações.

Fora isso, naquele período entre 2000 e 2004 nós vimos Chris Drury nos matar duas vezes -- talvez venha daí o meu conceito de que Drury é um jogador decisivo: em 2000 e 2002 ele foi o responsável pelas duas das três vitórias dos Avs em prorrogações em todo o período pesquisado (a outra veio por Peter Forsberg, também em 2002). Drury, aliás, é o único jogador a marcar dois gols em prorrogações sobre os Wings desde 1997.

Ainda no período negro entre 2000 e 2004, em três anos os Red Wings perderam duas vezes na prorrogação para um mesmo time -- o time que os eliminaria dos playoffs. Em 2001, Eric Belanger e Adam Deadmarsh marcaram pelo Los Angeles Kings, em 2003 foi a vez de Paul Karyia e Steve Rucchin pelos então Anaheim Mighty Ducks e em 2004 Marcus Nilson e Martin Gelinas avançaram com o Calgary Flames playoffs adentro sobre o Detroit.

De 2004 para cá a coisa ficou equilibrada. O Detroit venceu metade das prorrogações, quatro de oito. Johan Franzen é o nosso herói nesse ponto, vencendo duas prorrogações (2007 contra os Flames e 2008 contra o Nashville Predators). Mathieu Schneider marcou contra os Ducks em 2007 e Kirk Maltby (jogador que marcou duas vezes em prorrogações de playoffs para os Wings, a outra foi contra os Avs em 1999) marcou contra o Edmonton Oilers em 2006.

Outro que marcou duas vezes em prorrogações de playoffs para o Detroit foi Brendan Shanahan. Contra os Ducks em 1997, fechando a série que foi uma varrida com três prorrogações, e contra o St. Louis Blues em 1998, consertando uma cagada de Chris Osgood.

Prorrogações de playoffs são momentos do mais alto grau de excitação no hóquei da NHL. Ao mesmo tempo em que péssimas lembranças me vêm à cabeça -- desde o gol de Petr Sykora no ano passado, de Scott Niedermayer no ano anterior até de Forsberg em 2002 --, as boas lembranças fazem frente: o gol de Larionov no épico de 2002, o de Maltby em 99 (adoro aquele gol, sem motivo aparente) e o mais sensacional para mim, o de Kris Draper nas finais de 1998, selando uma das mais espetaculares viradas que eu já vi os Wings protagonizarem em playoffs.

De qualquer forma, minha cabeça segue com receio de prorrogações nos playoffs.

domingo, 29 de março de 2009

E se os Red Wings assinarem com Franzen e Hossa...

A situação dos Red Wings para a próxima temporada ganha mais destaque na mídia do que propriamente a corrida pela Copa Stanley 2009.

Consequência direta do cansaço da temporada regular (82 jogos é muita coisa) e da ansiedade pelo começo dos playoffs.

O Edmonton Journal publicou "Holland de maõs amarradas em Detroit".

O jornal levanta algumas possibilidades de manter Johan Franzen e Marian Hossa nos Red Wings, como trocar Valtteri Filppula e seus US$ 3 milhões anuais, sabendo que Ville Leino está pronto para fazer parte do time, ou negociar Dan Cleary (US$ 2,8 milhões).

Outras hipóteses levantadas: comprar o restante do contrato de Kris Draper (pagando 2/3 do restante pelo dobro de tempo), trocar Andreas Lilja e Brett Lebda (Jonathan Ericsson titular, neste caso).

Leitura recomendada, inclusive com citações de Ken Holland.

Vá lendo aí que mais tarde vamos refazer os cálculos pra cogitar essas possibilidades.

ATUALIZADO (20h53):
Não adianta. Por mais que façamos esforço, a dupla não cabe no orçamento.

Considere a seguinte situação hipotética (todos os eventos acontecendo simultaneamente):
Rescisão do contrato de Kris Draper (impacto no teto cai de US$ 1,583 milhão para US$ 528 mil), rebaixamento de Kirk Maltby para a AHL (menos US$ 883 mil), Mikael Samuelsson livre para procurar outro time no mercado de agentes livres, Dan Cleary, Andreas Lilja e Brett Lebda negociados (economia de US$ 4,7 milhões).
Com uma força externa, o teto salarial sobe de US$ 56,7 milhões para US$ 58 milhões.

Contratos renovados: Tomas Kopecky (US$ 850 mil), Ville Leino (US$ 1,5 milhão) e Jiri Hudler (US$ 3 milhões).
Insisto: eu não abriria mão de Hudler agora.

Se Franzen assinar por US$ 4 milhões e Hossa por US$ 6 milhões, o Detroit estouraria o novo teto salarial em US$ 228 mil.
Ou seja, nem abrindo mão de seis jogadores seria possível assinar com os dois principais jogadores sem contrato do time.

E nessa situação o Detroit teria apenas 11 atacantes, precisando assinar com Darren McCarty ou Aaron Downey pelo salário mínimo para completar o elenco. Logo, seriam mais uns US$ 600 mil adicionados na conta. A defesa teria seis jogadores (os quatro fantásticos, Jonathan Ericsson e Derek Meech).

Como Holland disse, é preciso escolher entre profundidade ou força ofensiva nas primeiras linhas. Se eu não estiver enganado, o Jardineiro vai optar pela profundidade.

E esse assunto já me encheu a paciência. Não falo mais.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Red Wings em TheSlot.com.br

Vale a pena conferir a edição de TheSlot.com.br desta semana.

A edição foi disponibilizada também em formato PDF, sendo possível imprimir e ler como se fosse uma revista de verdade!

O meu texto, sobre a permanência (ou não) de Johan Franzen e Marian Hossa nos Red Wings, é basicamente o que já foi publicado em três ou quatro posts aqui no blog. Então para os leitores do Red Wings Brasil não será novidade.

As outras 30 e tantas páginas da revista valem o download.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Será que dá?

O Troféu dos Presidentes. A prova concreta de que o time foi o mais regular e de melhor aproveitamento de pontos durante toda a temporada regular, enfrentando, no novo modelo de calendário, cada time da liga pelo menos 1 vez.

Por mais que muitos desdenhem de tal simbolismo, é de se levar em consideração que o campeão da temporada regular recebe, além do status de melhor da liga, um benefício que não pode ser ignorado: o mando de jogo durante todo os playoffs.

Isso vem acompanhado de um favoritismo natural e, também natural, pressão psicológica sobre o time detentor do troféu. Quantas e quantas vezes não vimos times "imbatíveis" na temporada caírem precocemente nos PO's? Os torcedores do Detroit, como poucos, tem bastante a falar sobre esse assunto.

Contudo, o benefício da decisão em casa (e talvez o benefício discutível dos 2 primeiros jogos em casa) é importante, as vezes até definitivo (ou alguém duvida que a série contra os Pens, na final do ano passado, foi praticamente decidida nos 2 shutouts nos dois primeiros jogos em casa?)

Portanto, faltando pouco mais de 2 semanas para o fim da temporada regular, segue um panorama da atual classificação e, em exercício que faria Michel de Nostredame chorar de inveja, tentarei analisar (e prever) as possibilidades dos 3 melhores times da liga de alcançar o topo do pódio.

Atenção:
a Sociedade Brasileira de Profetas, Adivinhos e Videntes Esportivos (SBPAVE) comunica que nenhuma opinião exibida nesse post deve ser usada para apostas de nenhuma grandeza.

Detroit: 107 pontos, restando 8 jogos (6 em casa)

Situação: As vantagens óbvias são os fatos do time ter conseguido resultados muito satisfatórios nos últimos meses (18-5-2 nos últimos 25 jogos) e, dos próximos 8 confrontos, 6 serem na JLA, onde o time conquistou 80% dos pontos disputados.

Agenda:
NYI @ DET - Uma teórica moleza, pegando em casa o time com pior pontuação na liga.
Previsão de pontos: 2

NSH @ DET - O Nashville é o São Caetano da NHL. Sempre desmontando, sempre sem apostas, mas sempre causando transtorno para os "grandes". Com os felinos disputando vaga para os PO's, o jogo será uma batalha. Não me surpreenderia se conseguíssemos só 1 ponto nesse jogo.
Previsão de pontos: 0

STL @ DET - St. Louis não conseguiu vencer os Red Wings nessa temporada ainda. Outro time na luta pelas 2 últimas vagas da conferência Oeste, deve dar um pouco mais de trabalho do que nos dois confrontos mais recentes entre os times (5x0 e 5x2), mas ainda assim sucumbem. Vale destacar que os Red Wings terão praticamente 4 dias seguidos de descanso antes dessa partida.
Previsão de pontos: 2

MIN @ DET - A retranca do Minnesota terá que dar lugar a algum jogo mais agressivo, já que os Wild também lutam pelas últimas vagas nos PO's. O último jogo entre as equipes demonstrou que eles podem ser capazes disso.
Previsão de pontos: 1

DET @ BUF - Esse jogo pode ter 2 agravantes para o Detroit: é no dia seguinte ao jogo contra os Wild e, talvez, os Sabres ainda estejam na luta por vaga nos PO's (atualmente estão 5 pontos atrás do 8ª colocado na conferência Leste). Mesmo assim, Wings prevalecem.
Previsão de pontos: 2

NSH @ DET - Ultimo embate da temporada entre os dois times, aqui acontece a vingança do jogo passado, com Detroit levando a melhor.
Previsão de pontos: 2

CHI @ DET e DET @ CHI - Últimos 2 jogos da temporada regular, terão cara de playoffs. Um jogo em cada arena, em dois dias seguidos. Talvez seja capaz de fazer com que os jogadores entrem em clima de playoffs pra valer.
Previsão de pontos: 2

Total de pontos: 118
Número de vitórias: 54



San Jose: 106 pontos, restando 10 jogos (4 em casa)

Situação: San Jose tem o melhor aproveitamento de pontos da liga até o momento. Contudo, esses números se devem às apresentações da equipe no Shark Tank (86,5%). Fora de casa as coisas mudam bastante de figura (60%). Além disso, o time imbatível do começo da temporada deu lugar a um time irregular após a virada do ano, com campanha de 12-8-5 nos últimos 25 jogos.

Agenda:
SJS @ CHI: Apesar da má fase do time de Illinois, todas as partidas entre os dois nessa temporada foram acirradas e, mesmo as derrotas, foram vendidas caras pelos Hawks.
Previsão de pontos: 1

SJS @ NSH: o mesmo dito no jogo contra o Detroit vale para esse jogo, com o agravante dos Preds estarem jogando em casa. Mais um time da Div. Central comedor de pontos dos Sharks.
Previsão de Pontos: 0

PHX @ SJS: Fora da disputa por vaga nos PO's, o time de W. Gretzky não oferecerá tanto trabalho quanto no último confronto entre os times.
Previsão de Pontos: 2

SJS @ CGY: Time canadense alterna bons e maus resultados. Foi responsável por uma das poucas derrotas dos Sharks em casa, mas de vez em quando curte fazer uma lambança na frente da sua torcida. Mesmo assim, a franquia de Alberta ainda leva a vitória nesse jogo.
Previsão de Pontos: 0

SJS @ EDM: No confronto contra os Oilers, mais um confronto contra um time inconstante. Como os Oilers ainda almejam entrar no top 8, não haverá moleza.
Previsão de Pontos: 1

ANA @ SJS e SJA @ ANA: Mesmo estilo do confronto final entre DET e CHI, jogos em dias seguidos, cada um em uma arena. Apesar da fraca campanha dos campeões de 2007, ainda estão no páreo para os PO desse ano, portanto, uma vitória de cada time fica de bom tamanho.
Previsão de Pontos: 2

COL @ SJS: Jogo contra a moleza da divisão, os Avs foram derrotados em todos os confrontos diretos até agora na temporada. Nada indica que isso mudará.
Previsão de Pontos: 2

PHX @ SJS: Um jogo que só interessa aos Sharks, é improvável que os Coyotes preguem uma peça parecida com a última partida em solo desértico.
Previsão de Pontos: 2

LAK @ SJS: outro freguês dos Sharks na temporada, o fator arena dificilmente impedirá mais uma derrota dos Kings.
Previsão de Pontos: 2

Total de pontos: 118
Número de vitórias: 53



Boston: 102 pontos, restando 9 jogos (4 em casa)

Situação: Muitos vão achar um absurdo a presença dos Bruins nessa previsão, visto que eles estão alguns pontos atrás dos líderes do Oeste. Contudo, o time de Boston se beneficia de uma agenda mais fácil, na teoria. Mesmo assim, as chances são pequenas, principalmente levando rm consideração a queda de produção que acometeu a equipe nos últimos meses (12-9-4 nos últimos 25 jogos).

Agenda:
BOS @ TOR: Apesar do fator arena, os Leafs foram massacrados pelos Bruins durante a temporada, conseguindo apenas 1 vitória. Com esse retrospecto, o time azul e branco não deve ser páreo nesse duelo.
Previsão de Pontos: 2

BOS @ PHI: Um dos poucos times com restrospecto positivo contra os Bruins na temporada, em casa os Flyers não darão chance pro azar.
Previsão de Pontos: 0

TBL @ BOS: 2 pontos garantidos para o time da casa.
Previsão de Pontos: 2

OTT @ BOS: Em casa, os Sens até tem prestado de uns tempos pra cá, mas fora de casa, não há chance para o time da capital canadense.
Previsão de Pontos: 2

NYR @ BOS: Junto com o jogo contra os Flyers, um dos embates mais duros desse período. Depois da volta de Avery aos Rangers, o time emplacou uma boa sequência de vitórias (7-3 nos últimos 10 jogos).
Previsão de Pontos: 1

BOS @ OTT: Aqui o fato arena fala mais alto e, apesar de campanha abaixo da crítica, os Sens saem com vitória.
Previsão de Pontos: 0

MTL @ BOS: O último embate da temporada regular entre os dois rivais. É possível que nessa ocasião os Habs ainda estejam brigando por vaga nos PO's, portanto qualquer prognóstico aqui é mera especulação.
Previsão de Pontos: 2

BOS @ BUF: Nesse ponto, já eliminados dos PO's, os Sabres não significarão resistência.
Previsão de Pontos: 2

BOS @ NYI: O melhor time da conferência contra o pior. O que pode dar errado?
Previsão de Pontos: 2

Total de pontos: 115


É possível que isso tudo aconteça? Sim.
É também extremamente improvável.
Essa é a graça de palpitar, o fator indeterminação.

De qualquer forma, fico na torcida para ver o Red Wings mais uma vez ostentando o Troféu dos Presidentes.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Tudo para ficar em casa

Enquanto os Red Wings se preparam para enfrentar o Calgary Flames esta noite, no Canadá, Ken Holland e Ritch Winter conversam sobre o novo contrato de Marian Hossa.

E a campanha pública de Hossa para permanecer em Detroit é algo que impressiona.

"Para lhe dizer a verdade, eu quero assinar em algum lugar e me aposentar por lá," declarou Hossa no domingo. "Eu não quero me mudar mais. Tenho 30 anos. Não sei por mais quanto tempo irei jogar, mas quero um contrato de longa duração.

"Para poder continuar nos Red Wings, eu estou preparado para aceitar menos dinheiro, mas em um acordo justo, então os dois lados estarão satisfeitos. É o que eu estou procurando. Eu sei que se fosse para algum outro lugar, poderia receber mais, mas eu estou disposto a receber menos para continuar aqui. Com esperança as coisas vão dar certo."
Hossa é o artilheiro do time, com 36 gols. Os Wings têm 45-13-8 nos jogos em que o eslovaco atuou.

Baseado no contrato de Zetterberg, Holland espera conseguir um acordo de longo prazo com Hossa a um salário semelhante. Além disso, o gerente também pretende manter Johan Franzen. Holland sabe que terá que abrir mão de jogadores de salários mais baixos para manter os dois, o que significa que os Wings terão um verão norte-americano muito movimentado.

Como já foi escrito aqui no blog, Holland terá que fazer mágica, porque não há espaço para nenhum dos dois no orçamento. A menos, é claro, que o Jardineiro esteja disposto a abrir mão de Ville Leino, Jiri Hudler...

domingo, 22 de março de 2009

Sugestão de leitura

Na segunda-feira, 23, a troca que levou Chris Chelios para Detroit completará dez anos.

Ansar Khan escreve sobre isso no mlive.com. Leitura obrigatória.

Chelios conta detalhes de sua saída de Chicago, de sua chegada a Detroit — ele era odiado na cidade e pelos jogadores — e do seu futuro, porque ele quer continuar jogando, mas sabe que não será nos Red Wings.

Chelios não teve problema para ser aceito no vestiário. Ele se lembra que Martin Lapointe foi o único jogador que trouxe à tona o passado.

"Ele estava meio nervoso, se aproximando de mim e me perguntando se tudo ficaria bem. Eu meio que ri," disse Chelios. "Eu disse um monte de coisas e os caras de Detroit também disseram sobre a rivalidade e o quanto todo mundo não gostava de mim. Mas hóquei é hóquei. Eu tive sorte de chegar com [Ulf] Samuelsson, que também era odiado, e Wendel Clark, que eu não acho que era muito querido em Detroit. Então isso fez ficar mais fácil a transição."

Leia.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Red Wings: 9 x 100

Na edição de TheSlot.com.br publicada ontem, escrevi sobre o recorde estabelecido pelo Detroit Red Wings no domingo: nove vitórias consecutivas marcando cem ou mais pontos na classificação.

Humberto Fernandes
Nas últimas nove temporadas, o Detroit Red Wings superou a marca centenária na pontuação, estabelecendo o novo recorde da NHL

Os Wings superam a marca dos cem pontos desde a temporada 1999-00, justamente o ano em que eu comecei a acompanhar a NHL. É por isso que Eduardo Costa me intimou a escrever sobre o novo recorde estabelecido pela franquia. A melhor maneira que eu encontrei para fazer isso é contar a história de cada uma das nove temporadas, mas em linhas gerais, sem maiores detalhes. Para os fãs da equipe, é uma espécie de flashback.
Parafraseando Flávio Gomes: leia lá, comente aqui.

segunda-feira, 16 de março de 2009

O homem-sorriso

Ken Hitchcock, treinador do Columbus Blue Jackets:

"Não me importa quem jogue contra o Detroit, se os Red Wings decidirem jogar desta maneira, ninguém vai derrotá-los. Ninguém vai vencê-los em uma série de playoffs se eles forem jogar assim. Os times terão sorte se ganharem jogos contra eles.

"Eles fizeram um jogo pensado. Jogaram com esforço acima do talento, e quando você tem o nível de talento deles, é devastador ser o oponente."
Hitchcock sabe muito de hóquei, não é à toa que está levando os Blue Jackets aos playoffs pela primeira vez na história da franquia.

Se ele estiver certo, e é bastante provável que esteja, o Detroit já sabe como ganhar a Copa em junho.

Os Red Wings se classificaram para os playoffs pela 17.ª temporada consecutiva e estabeleceram o recorde da NHL em todos os tempos com a 9.ª temporada consecutiva marcando 100 ou mais pontos.

domingo, 8 de março de 2009

Recordar é viver...

Eu me lembro como se fosse hoje à tarde, durante a pancada de chuva que assolou Curitiba e trouxe galhos de araucária para a varanda do meu apartamento no Jardim Botânico...


No dia 31 de outubro de 2007, fãs dos vilarejos espalhados pelo Brasil, que buscam ser, ao menos, sombrada da tão abençoada República Independente do Ceará (como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais entre outros estados de menor expressão global) consgarou o irrefutável: Chris Osgood seria o goleiro preferido pelos torcedores.

A culpa é de vocês, proditores. Lá, na RIC eu encabeçava a torcida mundial pelo todo glorioso Barril de Gatorade. E, como bem disse nosso Primeiro Ministro, Osgood - ponho a culpa toda nele - fez com que o Detroit tomasse tantos gols quanto quisessem marcar.

- E daí, tio zeh?
- E daí, senhoras e senhores do meu Ceará e arredores nada promissores, eu reitero: EU QUERO UM BARRIL DE GATORADE NO GOL DO WINGS!

Não, este não é um post de retorno.
Não, este não é um bom post.
Não, eu não sumi.

Apenas é complicado usar a internet na província curitibana.
Mas brevemente estarei de volta. Daqui mesmo.


zeh.
GO KEG, GO!

sábado, 7 de março de 2009

Esforço ZERO!



- Marcado, Rick Nash já é um perigo. Quando servimos de bandeja... Três gols sem assistentes. Quarto hat trick na carreira, dois contra os Wings APENAS nessa temporada!
- A fase de Osgood já não é das melhores. Quando nosso sistema defensivo consegue atuar pior do que nos jogos iniciais dessa temporada, a desgraça é plena.
- Pior partida de Zetterberg com a camisa dos Red Wings. Disparado.
- Levamos OITO gols pela 2ª vez em QUATRO jogos. Contra os Preds foi uma noite trágica. Hoje?
- Não jogar mais aos sábados não é uma possibilidade.

Genialidade até na inércia

O New Jersey Devils é a 2ª força da conferência do leste até agora. Equipe disciplinada e dona de uma da cinco defesas menos violadas da temporada, os Devils possuem cartaz com a imprensa. São sempre indicados como um dos possíveis finalistas da copa Stanley.

E "quico?", pergunta o nobre amigo alvirrubro.

Darren Helm, Ville Leino e Jonathan Ericsson seriam titulares indiscutíveis na NHL caso pertencessem ao New Jersey. Nos Red Wings brigam por um lugar ao sol. Simples assim.

Os três passaram boa parte da temporada na AHL. Nos playoffs, o teto não conta. Precisando, eles estarão brigando pela 12ª copa. "Reforços".

Evidente que a adição de um agitador, que também saiba produzir ofensivamente, não seria uma má idéia. Mas isso custaria. Com uma folga de apenas $300.000 no teto - até o final da temporada regular-, ken Holland, o Jardineiro, fez o que deveria ter feito no dia limite de trocas: nada.

Na verdade Holland chegou até a arriscar saber o quanto custava Chris Neil, do Ottawa Senators. A resposta do Gerente Geral Bryan Murray, que já foi GG dos Red Wings, foi uma surra de vara de goiabeira nos ouvidos do jardineiro. Um prospecto de alto valor mais uma escolha de segunda rodada no próximo recrutamento.

Uma escolha de segunda rodada para os Red Wings vale o mesmo que uma mulher para o torcedor d Colorado Garcias. Nada. Fazemos estrago da 3ª pra baixo. Já Helm ou um Jakub Kindl por um atleta de aluguel? Pega aqui no meu, Murray.

Diante disso foi feito o que deveria.

O Detroit Red Wings de hoje é praticamente o mesmo que venceu a copa Stanley em 2008. Com a subtração sentida de Dallas James Drake, mas com a visceral presença de Marian Hossa, o eslovaco cuja simples presença humilha a existência dos Pingulinos de Pittsburgh.

Quando Hossa saiu de maca contra os amargos descopados(?) dos Blues, não tenham dúvidas que a nossa desgraça foi o pão na mesa dos ignóbeis pingulinos. Mas, com a força positiva de milhões de torcedores dos Red Wings, Hossa em breve estará empalando as defesas novamente. Ele é nosso reforço de DLT adiantado. Olli Jokinen perto de Hossa? Mesma coisa de comparar Scarlett Johansson e Cláudia Jimenez.

Goleiro? Nada no mundo é perfeito. Mas Ty Conklin é o segundo em shutouts na temporada. Chris Osgood? Nenhum goleiro no Oeste tem mais copas que ele - e como titular.

Em Holland confiamos.