terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Use vermelho no Reveillón

Vou viajar amanhã, então esse já é meu post de Ano Novo. Por sinal, maravilha virar a folha do calendário, 2009 foi um horror. Não vou reclamar de mais uma Final seguida, mesmo tendo perdido um jogo 7 em casa, mas a primeira parte da atual temporada é um horror.

O último jogo do ano é no dia 31 de Dezembro às 22h de Brasília, na Joe Louis Arena, contra o Denver. (cara, como eu odeio esse time)

O jogo da véspera de ano novo é tradicional em Detroit. Os Wings receberam 62 jogos nessas datas, com uma campanha de 32 vitórias, 22 derrotas e 8 empates.

Também vai ser o último confronto da década de "bolinha" entre Red Wings e Avalixo, a década seguinte à grande rivalidade. Digo isso porque a rivalidade morreu nesses últimos anos. Querem números?

Década de 90:
-17 vitórias de Detroit (100 gols marcados)
-15 vitórias de Denver (100 gols marcados)
-1 empate

Década de 00:
-33 vitórias de Detroit (167 gols marcados)
-20 vitórias de Denver (117 gols marcados)

O Avalixo é freguês de Detroit nos "Anos Ovo", mas perdemos 5 dos últimos 6 jogos contra eles e tudo começa do zero na década de 10. O negócio é fechar os "2 zeros no meio" com chave de ouro.

E sim, use vermelho no Reveillón. Fale para a namorada (ou a mãe, sei lá) que é a cor da paixão. Ela vai se sentir amada, e afinal você não precisa contar que é paixão por um time de hóquei no gelo, certo?

Feliz 2010.

(e podem mandar mais sinônimos para a década que se encerra)

Seria melhor ter ido ver o Pelé...

O Columbus Blue Jackets não vencia há nove jogos, Fredrik Modin não havia marcado gol na temporada e Steve Mason estava bom o bastante para 88,7% e 3,40 GAA.

Nada que o Detroit Red Wings não pudesse resolver.

Em um jogo no máximo razoável, com algumas boas defesas dos goleiros, mas explicado principalmente pela anemia ofensiva de ambos os times, o Columbus derrotou o Detroit por 1-0, na prorrogação.

Não importa quem vai jogar na quarta linha, se Ville Leino ou Mattias Ritola, o ataque é impotente. São 267 minutos e 33 segundos sem que qualquer jogador que não se chame Todd Bertuzzi marque um gol.

E pela terceira vez em quatro jogos, o time passou em branco. Nunca antes na história deste blog os Red Wings sofreram seis shutouts em (metade de) uma temporada regular.

Quem poderá nos salvar? Johan Franzen? Dan Cleary? Jason Williams? Henrik Zetterberg? Por mais que eu imagine o retorno de todos os atacantes contundidos, não consigo acreditar que a desgraça ofensiva vai acabar.

Para dar jeito neste ataque, só com Gordie Howe, Steve Yzerman, Alex Delvecchio, Sergei Fedorov, Ted Lindsay...

No fim das contas, 2009 foi uma bosta. Perdemos a Copa e passamos por maus bocados na nova temporada. Que 2010 seja muito melhor.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

"Hey, Leino, vai tomar no %#"

Uma pessoa razoável me diria que, depois do último post, seria melhor que eu esperasse Ville Leino jogar mal mais uma vez para depois xingar o cara. Mas Leino facilitou minha vida, e em vez de jogar mal, falou besteira.

Para quem não entendeu a referência ao post anterior, quero dizer a falta de entendimento sobre hóquei de que sofre Ville leino, ou no mínimo a falta de sintonia dele com o treinador. Os dois falaram sobre o que é preciso para assegurar um lugar entre os titulares de Detroit.

Mike Babcock: "É preciso estar em um nível competitivo, não importa se você é Pavel Datsyuk ou Niklas Lidstrom. É competir duro a cada chance que tiver, no jogo ou no treino. Se você se esforçar, com a habilidade natural que tem, as coisas vão dar certo". Resumindo: determinação.

Ville Leino: "Ganhar as brigas pelo disco e marcar mais gols". Não sou psicólogo, mas conhecemos Leino faz um tempinho, e digo que ele só falou das brigas para não ficar feio. Resumindo: números.

Como já disse, Leino não compreende o que é o hóquei norte-americano. Ele é o cara que já no ano passado, o primeiro nos Estados Unidos, disse que não gostaria de ficar na AHL. Na hora achei estranho, mas parecia que ele tinha ambição e confiava em seu jogo, então tudo bem.

Mas o motivo desse post é a outra bobagem de hoje. Com a palavra, Ville Leino:


Eu poderia me sair melhor, ganhar brigas pelo disco e fazer isso. Mas as coisas não estão acontecendo do jeito que eu quero... Às vezes você não confia em si mesmo, não se sente bem nas bordas e outros aspectos do jogo.

Eu não sou um jogador de quarta linha, que trabalha duro todos os dias e só se concentra nisso. Não sou bom nisso, não é o que faço melhor no gelo.
Quê? Calma aí, como é que é? "Não trabalho duro todos os dias", não sou jogador de quarta linha"? Realmente, você não é jogador nem de quarta linha, mesmo com metade do time no departamento médico. Mattias Ritola tem lugar nesse time, e você não.

Cala a boca, Leino. Sério, fica quieto. Fica no seu canto, assiste Darren Helm, Patrick Eaves, Justin Abdelkader, Kirk Maltby e Drew Miller roubando seu lugar no elenco. E como eles estão fazendo isso? Trabalhando duro, porra.

VSF, Leino.

Leino a caminho da Finlândia

Ok, Leino ainda não está a caminho da Finlândia. Mas ele vai ficar de fora de mais uma partida esta noite, quando os Wings vão à Columbus.

Ville Leino é o cara mais desinteressado do time, chega a ser absurdo ver aquele ser humano no gelo sem fazer nada. Quem não viveu a Era Robert Lang está vendo agora como foi. Por isso Mike Babcock mandou convocarem Mattias Ritola mais uma vez de Grand Rapids, e ele vai jogar no lugar do finlandês barbudo.

Parece estranho que eu a gente tenha passado tanto tempo falando sobre como Leino poderia talvez voltar a jogar bem ao lado de Valtteri Filppula, e Ville ser sacado do time logo após a volta do vocalista do Nx Zero, mas acontece.

Mas o estranho mesmo é que Leino nem sabe o que deve fazer para garantir seu lugar no time.

Vamos lá: Leino, o que você deve fazer? "Ganhar as brigas pelo disco e marcar mais gols".

Não caramba, quando vai aprender? Explica, tio Mike: "o jeito certo para jogar é competir duro a cada chance que tiver, no jogo ou no treino. Se você se esforçar, com a habilidade natural que tem, as coisas vão dar certo."

É, Leino, nem a teoria você sabe, imagina a prática...

Em outras notícias, o time olímpico da Suécia vai ter Lidstrom, Kronwall, Zetterberg e Holmstrom. O ex-Wing Mikael Samuelsson ficou de fora da lista, e educadamente mandou os cartolas suecos "se f*derem". Sim, é verdade.

Datsyuk está confirmado no time russo. Filppula deve estar na seleção finlandesa (e se eles estiverem malucos, Leino também). Os Estados Unidos devem ter Rafalski, e já se comenta em Howard para a vaga de terceiro goleiro.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Sem controvérsias

Não há mais controvérsias sobre quem deve ser o goleiro titular do Detroit Red Wings, certo?



E Todd Bertuzzi salvou a noite mais uma vez. Oito gols nos últimos oito jogos, período em que os Red Wings venceram cinco jogos e três deles podem ser diretamente creditados a Bertuzzi — Anaheim, Nashville e Columbus.

O jogo de ontem marcou o retorno de Valtteri Filppula. Ainda que Filppula não seja o jogador que se esperava, vale a máxima: para quem não tem nada, metade já é o dobro.

sábado, 26 de dezembro de 2009

Presente atrasado

O time vai voltar à elite quando acabarem as lesões? Vamos ver, começando hoje contra Columbus, se isso é verdade.

O central finlandês Valtteri Fillpula vai jogar pela primeira vez desde 29 de Outubro, quando quebrou o pulso direito na partida contra o Edmonton.

Flip vai tentar ajudar o time de vantagem numérica, que nos últimos 16 jogos tem apenas 8.6% de sucesso (5/58), e aumentar o poder de fogo de um time que passou em branco em 5 dos últimos 15 jogos, inclusive os últimos dois (contra Chicago).

Por sinal, os Jaquetas Jeans são o adversário ideal para movimentar o ataque dos Wings. Columbus é o terceiro pior time em termos de gols cedidos por jogo, e engoliu 9-1 na primeira vez que esss times se enfrentaram, dia 11 de novembro.

Atualização (16:30): as linhas de hoje.

Bertuzzi-Datsyuk-Holmstrom
Leino-Filppula-Eaves
Draper-Helm-Miller
May-Abdelkader-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Lebda-Stuart
Meech-Janik

Howard começa no gol

Babcock disse que pode revezar Patrick Eaves com Drew Miller. E até hoje não xinguei Leino (não tanto quanto merece), sabendo que ele joga melhor ao lado de Filppula. Hoje é dia, Ville.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Post imenso de Natal

É o terceiro post de Natal que eu começo. Já tentei fazer listinha de pedidos para Papai Noel, mas não estou com humor para isso. E quem estaria? Duas derrotas zeradas para o Chicago Blackhawks, metade do elenco no hospital, um goleiro muito jovem e um muito velho... Tem como ser feliz?

Admito, o fato de brigarmos por uma posição nos playoffs vai obrigar o time a jogar sério, forçar a garotada a amadurecer rápido e fazer com que sejamos um time temido em Abril, mesmo sem mando de gelo. Mas de que adianta isso tudo se não nos classificarmos?

Me diga, quem é nosso goleiro titular? Chris Osgood? Então por que ele cedeu três gols fracos no jogo de sábado, e por que quem começou ontem foi Jimmy Howard? Um titular não deveria jogar uma partida em casa depois de três dias de descanso? A defesa joga melhor na frente de Howard do que do "titular". E Osgood, você só acorda nos playoffs? Te aviso, já estamos nos playoffs. Passaremos o Natal em 10º, provavelmente estaremos fora do G8 no Reveillón. O mata-mata já começou.

Mas não é só o goleiro. O que acontece com a defesa? O bode do jogo 7 das Finais, Brad Stuart, é o melhor da temporada. Antes dele era Niklas Kronwall, que se machucou. Temos também Nicklas Lidstrom, numa temporada ridícula onde seu único gol saiu num chute desviado. Chegamos num ponto onde temos no time o péssimo Lebda, o eterno reserva Meech, o AHLer Janik e o inexperiente Kindl.

E no ataque? As estrelas, Datsyuk e Zetterberg, abaixo do esperado. A esperança de gols, Franzén, machucada. O jogador em ascensão, Fillpula, machucado. O MVP da Finlândia, Leino, inútil. O jogador mais esforçado, Cleary, machucado. A segunda linha tem Abdelkader, a quarta linha tem pesos mortos como May e Maltby. Os destaques ofensivos das últimas semanas foram Bertuzzi, Eaves e Miller. O time de vantagem numérica é estéril.

E meu deus, meu deus... o que são todas essas lesões? Apenas Bertuzzi, Holmstrom, Lidtrom e Stuart jogaram todas as partidas. Nesse momento o time está sem Lilja, Franzén, Fillpula, Williams, Kronwall, Cleary, Ericsson, Zetterberg e Rafalski. Já tivemos que chamar Janik, Kindl, Newbury e Ritola. Alguns rivais vão dizer que essas contusões são desculpa, mas essas contusões são a razão deste time estar assim.

Quem lida com as contusões? A torcida? Não. A torcida senta e chora. Reclama e desiste do time por 3 minutos. Quem lida com as lesões são duas pessoas: o jogador e o treinador. E é deste que falo agora, Mike Babcock. Mexe muito nas linhas, dá patadas nos jogadores errados e tudo mais o que quiser falar. Mas ele é bom.

Ele é o treinador da maior seleção de hóquei do mundo, e não por acaso. Ele não tinha expectativa nenhuma em Anaheim, no começo da década, e chegou à final. Continuava sem pressão, por estar numa cidade não acostumada com hóquei. Veio para Detroit, e poucos deram valor ao seu trabalho. "O time tem muitas estrelas", "a diretoria faz o trabalho por ele", qualquer um pode treinar os Wings". De muitas maneiras, este é o primeiro ano em que Babcock está sendo visado por todos os lados.

E o trabalho que está fazendo é impressionante. Nenhum outro time na liga suportaria a perda de um Johan Franzén. Ou de um Kronwall, ou de um Filppula. Os três juntos, menos ainda. O "elenco de apoio"? Esquece pós-temporada. E lá está Detroit, flertando dia sim, dia não com a classificação em mãos. Lá está Babcock, mexendo nas linhas e encontrando boas combinações. Colocando o suposto Griffin, Abdelkader, na 2ª linha, e vendo o garoto dar trabalho às defesas e aos ataques adversários.

Babcock é sensacional. Pronto, aí está um motivo para um Natal feliz. As lesões não são desculpa, são a razão da campanha ruim. Mas seria pior se não fosse pelo treinador. Nos acostumamos com temporadas avassaladoras, 50 vitórias, 100 pontos, Divisão e Troféu dos Presidentes. Para variar um pouco, vamos brigar por um lugar ao sol. Todo jogo vale alguma coisa.

O time está péssimo, e este é nosso presente de Natal: emoção entre Outubro e Abril, coisa que Detroit não via há tempos.

Feliz Natal.

(para quem teve paciência de ler este post, parabéns. Fiquei um tempo sumido, por causa de provas e afins, mas provavelmente na próxima semana já voltarei ao ritmo normal)

P.S: para quem não viu o link que o Favero passou num post anterior, essa é a propaganda do Bring Herm To Hockeytown, produzida pelo pessoal do The Triple Deke:



"Por que?!?"

Praticamente inofensivo

Pior do que perder para o Chicago Blackhawks, na Joe Louis Arena, é não marcar nem um golzinho sequer.

É tão bom assistir aos melhores momentos dos jogos nos vídeos que a NHL disponibiliza no Youtube... mas quando os Red Wings não marcam gol, o que é que sobra pra ver? Nada!

Em quatro dias, o Chicago derrotou os Wings duas vezes, 3-0 em cada jogo. Com Huet ou Niemi no gol, ou com um cone do Detran... o Detroit simplesmente é inofensivo.

Como esperado, Marian Hossa foi vaiado na apresentação e em cada vez que tocou no disco. Uma burrice da torcida do Detroit.

O time que jogou ontem tem 12 jogadores diferentes daquele que eliminou o Chicago nos playoffs. Os titulares deste ano ausentes somavam oito.

O bottom four da defesa é digno de AHL: Lebda, Meech, Janik e Kindl. Um horror.

Que depois do Natal Valtteri Filppula e Brian Rafalski estejam de volta.

O próximo jogo é no sábado, 26, contra o Columbus Blue Jackets, em Detroit.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Red Wings em... sexto?!

Para a Sports Illustrated, o Detroit Red Wings é a sexta maior franquia da década, em todos os esportes.

À frente dos Red Wings, para a aclamada revista, estão Los Angeles Lakers, New England Patriots, UConn women's hoops, San Antonio Spurs e New York Yankees.

Não faço ideia de quem sejam esses aí. Nunca ouvi falar em nenhum deles.

Eis o que a SI escreveu sobre nós:

Credenciais: Nenhum time tem feito um trabalho tão bom de achar talentos no recrutamento da NHL como os Red Wings... e isso está provado. O Detroit venceu duas Copas Stanley e oito títulos de divisão consecutivos durante a década, disputando os playoffs em todas as nove temporadas. (O locaute da NHL exterminou a temporada 2003-04.) Detroit também ultrapassou os 100 pontos em cada temporada da década, vencendo o Troféu dos Presidentes (melhor campanha na temporada regular) quatro vezes.

Desvantagens: os Red Wings foram eliminados na primeira fase dos playoffs da Copa Stanley três vezes durante as últimas nove temporadas — todas as três como cabeça-de-chave n.º 1 ou 2. Seu time de maior sucesso na temporada regular (124 pontos em 2005-06) foi derrotado na primeira fase dos playoffs pelo Edmonton. O Detroit também perdeu uma oportunidade de ouro de vencer sua terceira Copa na década nas finais de 2009, desperdiçando a liderança por 3-2 na série ao perder os dois jogos finais para o Pittsburgh, sendo o último na Joe Louis Arena.

Na NHL, apenas o New Jersey Devils também aparece na lista, em 19.º.

Ken Holland, o melhor gerente geral do mundo, ficou em segundo lugar entre todos os executivos de franquias esportivas. Nicklas Lidstrom, o jogador mais completo da história da humanidade, foi o 19.º entre os atletas.

Para o blog Red Wings Brasil, a Sports Illustrated não é nem a sexta maior revista da década.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Red Wings Brasil fora do Brasil

O blog Red Wings Brasil algumas vezes já teve destaque fora do país, em jornal e em blogs. Recentemente a Kris do Snipe Dangle nos convocou para uma entrevista, concedida com muito prazer.

Também já faz tempo que o Red Wings Brasil figura na galeria do Abel to Yzerman(A2Y), o rei dos blogs do time vermelho. O dono do A2Y é o Bill, também conhecido como Chief. Ele ficou impressionado com a entrevista ao Snipe Dangle, e mais uma vez o Red Wings Brasil foi destaque.

Mas o melhor estava por vir: entre felicitações e afins, um dos leitores do A2Y diz que "a gente devia trazer esse cara para cá". E outros se juntaram, discutindo qual jogo seria melhor, preço de passagens e a parte burocrática (visto e passaporte). Mais rápido que qualquer coisa, eles me perguntavam em que conta do PayPal eles poderiam fazer a doação.

E o resultado é este: salvo algum problema de visto, no dia 26 de março de 2010 eu estarei na Joe Louis Arena, assistindo Detroit Red Wings e Minnesota Wild. As passagens, ingressos, alimentação, despesas com papelada e alojamento... tudo será pago com as doações feitas pelos torcedores do Red Wings.

As doações já estão sendo feitas desde ontem (e um bom total já foi arrecadado), e já agradeci várias vezes o pessoal de lá. Mas eu tenho que agradecer o pessoal daqui. Se eu, o Humberto, o zeh, o Caue e o Eduardo escrevemos aqui, é porque temos quem lê. No A2Y: "nunca conheceu outro torcedor pessoalmente, inglês é seu segundo idioma e os jogos passam em horários cretinos da noite". Esse sou eu, mas poderia ser qualquer torcedor que vem aqui no Red Wings Brasil (e no orkut) para descobrir o que acontece com o nosso time querido.

Quem quiser acompanhar o andamento do processo (e quem sabe contribuir um pouquinho) pode entrar neste post do Abel to Yzerman.

Mais uma vez, muito obrigado a todos da equipe, aos comentaristas frequentes e aos leitores silenciosos. Obrigado.

...

Chicago 3-0 Detroit

Jogo horrível dos Red Wings, que jogaram sua 3ª partida em 4 noites. Mas não é desculpa, o time todo jogou mal, mesmo os que jogaram pouco no sábado para economizar energia.

O próximo jogo é só na quarta-feira, contra os mesmos Blackchickens, em casa. Espero que James Howard esteja na rede, já que ontem Chris Osgood foi uma negação. O goleiro de pós-temporada teve culpa (sozinho, claro) nos três gols, e realmente cansei de ver esse Osgood desmotivado em temporadas regulares. E não me venham com "nos playoffs ele melhora", não dá para acreditar nessa história.

Também não sei como Babcock aguenta Ville Leino. Que horror mais uma vez. Um jogador de NHL não pode ter um ou dois bons turnos por jogo e achar que está bem. O problema maior é que seus fracassos diminuem consideravelmente sua confiança, o que faz com que ele erre 95% das coisas que tente. Ontem teve uma jogada em que ele tinha duas opções: correr com o disco até o gol ou chutar alto. Leino não fez nenhum, pois não confia em sua velocidade (nem eu) e não sabe chutar. O chute que ele deu foi ridículo.

Tivemos mais um susto ontem, com Patrick Eaves tirando raio-x durante o primeiro intervalo. Os exames não mostraram nada, e Eaves voltou ao gelo já no 2ª período.

No departamento médico, Jonathan Ericsson fez uma drenagem no joelho, que continuava inchado por conta da lesão em seu osso. É possível que outra(s) drenagem(ns) tenha(m) que ser feita(s), e a expectativa de duas semanas encostado parece ter sido otimista até demais.

E hoje à tarde vou divulgar a "surpresa" que comentei recentemente.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Placar do sábado: Detroit 3 x 0 Lesões

Os Wings perderam por 4 a 3 mas, depois de 4 vitórias seguidas em que alguém se machucou, foi até um alívio perder sabendo que todo mundo está inteiro.

-Detroit matou 38 das últimas 39 ocasiões em desvantagem numérica
-Datsyuk pareceu perceber que vai ter que carregar o time enquanto Zetterberg estiver fora, e marcou um gol e duas assistências
-Darren Helm voltou e ficou 19 minutos no gelo. Quando ele aprender a chutar vai ser uma das maiores armas do time
-Howard foi James durante o 1º período e Jimmy no resto do jogo (exceto uma boa defesa no fim)
-Bertuzzi tem 8 pontos nos últimos 4 jogos. Datsyuk 7P em 5J, e Miller 5P em 4J

Próximo jogo domingo em Chicago, contra Marian Hossa e seus Blackchickens. Chris Osgood deve começar no gol.


Números do confronto (704 jogos)

.................Detroit.......Chicago
Vitórias......357.............263 (84 empates)
Gols...........2213...........1930

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Hank e Helmer

Henrik Zetterberg sofreu um leve deslocamento no ombro e vai ficar de fora por no mínimo 2 semanas. Claro que neste ano "mínimo de 2 semanas" pode significar 10 anos, então...

E parece que Babcock nos enganou ontem: Darren Helm volta ao time amanhã. Kris Newbury deve continuar na equipe com a saída de Zetterberg.

E o titular será James Howard.

Fiquem atentos, posso ter uma surpresa absurdamente fantástica em alguns dias.

Red Wings Brasil pelo mundo

O blog Red Wings Brasil recebeu destaque internacional mais uma vez.

O Snipe Snipe, Dangle Dangle entrou em contato conosco há algum tempo nos convidando para uma entrevista.

E lá foi o calouro do ano, o MVP do time, Guilherme Calciolari, enfrentar a fúria da imprensa.

O link para a entrevista: http://snipedangle.blogspot.com/2009/12/interview-with-guilherme-from-red-wings.html.

PS: aquele March 27, 1996, na primeira pergunta, não seria 26 de março de 1997? :P

Fazendo história

Mais uma vitória ontem, 3 a 0 sobre os Lightning. Para duas pessoas o jogo foi mais especial.

Mike Babcock comandou sua 300ª vitória na carreira, sendo 221 em Detroit e 69 em Anaheim. Foram precisos 426 jogos para alcançar a marca.

O outro número importante foi o 1º shutout na carreira de Jimmy "James" Howard, na 23ª partida em que foi titular. Foi mais um prego no caixão das críticas a seu jogo. O goleiro tem 11 vitórias em 19 jogos neste ano, com 91.6% de defesas (e em Dezembro está sensacional: 4 vitória e 2 derrotas, 1.67 gols cedidos e 94.4% de defesas).

O mais legal foi ver Howard abrir mão de guardar o disco de seu primeiro 0 no placar em favor da marca de Babcock. Seu jogo e essas atitudes fazem com que Howard rapidamente conquiste um lugar cativo na Joe Louis Arena. O garoto está quente, e não me levem a mal, de Abril para frente eu quero Osgood no gol, mas prefiro ver James até lá.

Alguns comentários sobre ontem:

  • Como de costume, uma contusão. Henrik Zetterberg foi defenestrado por Mattias Öhlund e machucou o ombro, no fim do primeiro período, e durante o intervalo já foi divulgado que não voltaria.
  • O próprio Zetterberg foi até o hospital dirigindo (bom sinal) para fazer uma ressonância magnética. Comentam de um entorse ou de um ombro deslocado (o mesmo de Dan Cleary). Se algum desses for confirmado, mínimo de duas semanas.
  • Ele quis passar ou só rifar o disco? Conhecendo Brian Rafalski, digo que o passe para o gol de Drew Miller foi proposital. Mas conhecendo Miller, não arrisco dizer que ele sabia o que estava fazendo ao dominar o disco no ar e marcar um gol voando por cima de Mike Smith.
  • Miller, Patrick Eaves e Justin Abdelkader, três caras que ninguém dava nada no começo da temporada. O que fazer quando os contundidos voltarem?
  • Howard fez duas defesas sensacionais, a melhor delas no último minuto para garantir o shutout.
  • O próximo na fila de Grand Rapids pode ser Cory Emmerton ou Jeremy Williams. Willliams sempre marca no primeiro jogo após ser convocado da AHL, então por uma partida eu quero ele.
E pela última vez, alguém por favor desenterra o sapo (ou peixe-boi, sei lá) da Joe Louis Arena?

P.S: sobre os contundidos, foi divulgado que muito provavelmente o primeiro a voltar será Valtteri Filppula, logo após o Natal. Ou seja, a lesão de Helm não é tão simples e ele ficará mais um tempo de molho.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Um por dia

Não olhe agora, mas Henrik Zetterberg deixou o jogo contra o Tampa Bay Lightning ainda no primeiro período, depois de levar um tranco do defensor Mattias Ohlund.

Sem mais detalhes sobre sua condição, apenas o suficiente: ele está fora do jogo.

Onde vamos parar?

Boletim técnico

Eu não sou de fazer isso, mas como o Calciolari faz — e bem —, segue a escalação do Detroit Red Wings para o confronto de hoje, contra o Tampa Bay Lightning, em Detroit, às 22h30 de Brasília, Taguatinga e adjacências:

Bertuzzi-Datsyuk-Holmstrom
Leino-Zetterberg-Eaves
Draper-Abdelkader-Miller
May-Newbury-Maltby

Lidstrom-Meech
Janik-Rafalski
Lebda-Stuart

Howard

A escalação da defesa é a inicial, mas é claro que Mike Babcock vai mexer 365 vezes nos pares até a metade do primeiro período.

Darren Helm não joga hoje.

Jimmy Howard no gol, apesar do retrospecto de 17-0-0 de Chris Osgood contra o Tampa Bay.

A outra notícia é que Dan Cleary parou de tomar remédios pra dor e vai começar a patinar na semana que vem.

E na edição que deveria ter ido ao ar ontem, que talvez seja lançada hoje, mas pode ser que só saia amanhã de TheSlot.com.br, eu escrevi sobre o começo de temporada dos Red Wings e as inúmeras contusões. É um "resumo" do que se passou até agora.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Boletim médico


Atualizações de hoje, jogador por jogador:

43. Darren Helm (pulso): não treinou hoje, e é dúvida para o jogo de amanhã contra o Tampa Bay Lightning.

Helm disse que está melhor que segunda-feira, mas não há motivo para forçar e arriscar agravar sua situação. Caso ele não possa jogar o time vai continuar com Kris Newbury.

51. Valtteri Filppula (pulso): o finlandês patinou hoje pela primeira vez com o resto do elenco, mas foi separado na hora de treinar chutes. Foi a primeira vez que ele chutou um disco desde sua lesão, e disse ter se sentido confortável. Seu retorno é previsto para pouco depois do Natal.

55. Niklas Kronwall , 93. Johan Franzén (joelho): os dois patinaram sozinhos depois do treino dos "saudáveis". Franzén brincou que não sabia se já podia pisar no gelo, mas não resistiu ao ver todos os outro machucados patinando. Kronwall deve voltar em Janeiro, e Franzén só depois das Olimpíadas.

52. Jonathan Ericsson (joelho): por enquanto as notícias são boas. Ericsson não rompeu nenhum ligamento, sofreu apenas um hematoma no osso. Ele não consegue nem esticar e nem dobrar o joelho, por causa do inchaço. A diretoria fala em mínimo de duas semanas, mas uma previsão mais certeira deve vir na semana que vem, quando o inchaço diminuir.

Para seu lugar foi convocado Doug Janik, que já participou de um jogo este ano. Janik ganhou a vaga por também jogar na desvantagem numérica.

O time treinou com essa formação:

Bertuzzi-Datsyuk-Holmstrom
Leino-Zetterberg-Eaves
Draper-Abdelkader-Miller
May-Newbury-Maltby

Mike Babcock ainda não definiu como estarão as linhas defensivas.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Vitória de Pirro

Foto: Cena comum em Detroit (AP, 14/12/2009)

Até hoje de manhã eu desconhecia o termo que dá título a este post: vitória de Pirro.

Então aprendi e entendi perfeitamente o seu significado depois da vitória do Detroit Red Wings ontem à noite.

Mais uma vitória, mais uma contusão.

No lance que originou o primeiro gol do Phoenix Coyotes, Jonathan Ericsson recebeu um tranco de Shane Doan. O joelho de Doan atingiu o lado de dentro do joelho esquerdo de Ericsson, deixando o defensor no chão.

Ericsson deixou o gelo amparado por seus companheiros, como você vê na foto acima.

Ainda não há mais informações sobre seu status, o que só deve ser divulgado na tarde de hoje após exames.
Atualizado: 2 a 3 semanas de molho para Ericsson.

Mike Babcock declarou ontem à noite que não parece nada bom.

Andreas Lilja (cérebro), Johan Franzen (joelho), Valtteri Filppula (pulso), Jason Williams (perna), Niklas Kronwall (joelho), Dan Cleary (ombro), Darren Helm (pulso) e agora Ericsson (joelho).

São oito jogadores contundidos.

E aí o time tem que se virar com Kris Newbury (marcou um gol ontem), Patrick Eaves (gol em desvantagem numérica) e Derek Meech (gol da vitória).

Que temporadazinha, viu!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Mais uma contusão e mais alguns prêmios

Darren Helm machucou seu pulso metafísico na partida de sábado contra os Predators, e não vai jogar hoje à noite contra os Coyotes.

O central vai usar uma tala até quarta-feira, quando vai ser decidido se ele participa ou não do jogo contra o Lightning na quinta. Com a sorte que temos, não joga quinta também.

Para seu lugar foi convocado dos Griffins o central Kris Newbury, que em 27 partidas na AHL este ano tem 19 pontos (7 gols) e 95 minutos de penalidade. O catado time hoje:

Pavel "Zicado" Datsyuk-Henrik "Zetta" Zetterberg-Tomas "Cone" Holmstrom
Todd "Super" Bertuzzi-Patrick "Larry" Eaves-Ville "Dr. Evil" Leino
Drew Miller "Lite"-Justin "Yaba" Abdelkader-Kris "Chuck Norris" Draper
Kirk "Malts" Maltby-Kris "Cara novo" Newbury-Brad "Mayday"

Nicklas "Norris" Lidstrom-Brad "Wazowzki" Rafalski
Brad "Disco" Stuart-Jonathan "Sony" Ericsson"
Brett "Turnover" Lebda-Derek "Healthy scratch" Meech

"James/Jimmy" Howard no gol
---------------------------
Detroit ganhou mais alguns prêmios de Melhor da Década (a década não acaba ano que vem?).

Como sempre: Lidstrom melhor jogador, Babcock melhor treinador, Holland melhor Gerente-Geral, os Wings melhor franquia e o time do Hall da Fama (2001-02) o melhor time.

Red Wings Brasil de ponta-cabeça

O Humberto elogiando Todd Bertuzzi e eu fazendo o papel de chato. Estranho, mas acontece.

Sou chato porque não posso ficar muito feliz com duas vitórias seguidas. O problema não são as vitórias (não sou bobo), mas sim as circustâncias: prorrogação.

O sistema de pontuação da NHL é absurdo. Atribui 1 ponto em caso de empate, considerando que os times não foram ruins o bastante para serem derrotados, mas dá ao vencedor no tempo extra a mesma pontuação de um time que ganhe o jogo no tempo normal.

Isso causa distorções nas estatísticas. Os Wings jogaram 32 vezes, com 16 vitórias e 16 derrotas, 50% de aproveitamento. Mas 5 dessas derrotas vieram na prorrogação ou nos pênaltis, o que dá ao time 57,8% de aproveitamento.

Por enquanto Detroit decidiu 10 partidas em mais de 60 minutos, ganhando 5 e perdendo 5. Parece uma boa proporção, mas não se compararmos com o Dallas Stars, por exemplo. O time do Texas decidiu 14 jogos no tempo extra, com 4 vitórias e 10 derrotas. A proporção é pífia, mas esses 10 pontos extras colocam Dallas 2 pontos a frente de Detroit na classificação (8º a 9º), mesmo com 2 vitórias a menos.

E jogamos na conferência mais competitiva da Liga, o que significa que cada ponto vale muito. Os Wings tem que começar a ganhar os jogos no tempo regulamentar, e vender as (poucas, espero) derrotas caro. Esses pontos de consolação fazem a diferença no final do ano.

Falando sobre o jogo desta noite, é na Joe Louis Arena, e o adversário é o Phoenix Coyotes. A arbitragem da NHL odeia a gente, e os Coyotes são propriedade da Liga. Não gostei.

James/Jimmy Howard volta ao gol.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Nosso herói


Dois dias, dois jogos, dois gols no tempo normal e dois gols na prorrogação. Duas vitórias por causa dele.

É o time de Todd Bertuzzi!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Bertuzzi, o caçador de patos

A história de caçar patos já cansou? Eu posso fazer isso o ano inteiro. Meu rival do momento são os (Mighty) Ducks, já que para mim os encontros de pós-temporada são essenciais para uma rivalidade*.

E como nosso amigo Darren McCarty nos ensinou, viradas também ajudam uma rivalidade. Mas também não precisava ser tão sofrido. Em certo momento Brian Rafalksi foi acertado no rosto pelo puck, no lance do primeiro gol dos Sucks (o S é de propósito) Brett Lebda estava sentindo o ombro, quase marcaram um gol na gente onde o disco não entrou, Datsyuk quebrou dois tacos em um turno, o time de vantagem numérica foi horrível, Howard teve um momento "Jimmy" e chegamos a estar atrás por dois gols.

Tudo isso pode ser esquecido ao considerarmos o bom trabalho do time de desvantagem numérica (nenhum gol sofrido em 8 jogos), os oito power-plays desperdiçados que foram compensados pelos dois aproveitados, os muitos momentos "James" de Howard, defesas de Ericsson, Meech e Stuart, Holmstrom disputando faceoff, Leino marcando um ponto (verdade) e, acreditem, dois gols do Anticristo Todd Bertuzzi. Bertuzzi tem 3 pontos em 2 jogos contra os Patolinos este ano.

Placar final: Wings 3-2 Ducks. Ufa.

Hoje à noite o jogo é em Barretos Nashville, Osgood é o titular. As últimas 8 vitórias dos Wings vieram com Howard no gol, vamos ver como Ozzie se sai.

*Parece que não vamos conseguir muito nesta temporada regular, então fico ansioso para um duelo entre o #2 Chicago e o #7 Detroit na priemira rodada. Aí sim falo na maior rivalidade da história.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Temporada de pato, parte 2


Datsyuk-Zetterberg-Holmstrom
Leino-Abdelkader-Bertuzzi
Draper-Helm-Eaves
May-Miller-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Stuart-Meech
Ericsson-Lebda

Jimmy Howard começa no gol


Se acostumem com esse time, vai ficar assim por um bom tempo. Sem Franzén, Filppula, Williams, Kronwall e Cleary, e com Kenny Holland não muito disposto a chamar alguém de Grand Rapids, esses caras vão ter que dar conta do recado. Claro que a 2ª linha parece de AHL, a 3ª só existe na defesa e a 4ª... bom, é a quarta linha de um time detonado por lesões, não dá para pedir muito.

Jimmy Howard vai começar sua terceira partida seguida, e é por isso mesmo que hoje não acho que "Jimmy" vai ser "James". Howard começou três vezes seguidas nessas oportunidades:

24 a 29 de outubro (COL, VAN, EDM)
Primeiros 2 jogos: 90,9% de defesas. Terceiro jogo: 84,8%.

11 a 14 de novembro (CBJ, VAN, ANA)
Primeiros 2 jogos: 96,5%. Terceiro jogo: 82,6%.

6 a 11 de dezembro (NYR, STL, ANA - hoje)
Primeiros 2 jogos: 96,3%. Terceiro jogo: ???

-------------
Do departamento médico:

-Jason Williams retirou hoje o gesso de sua perna. Os médicos dizem que ele está no terceiro estágio da recuperação, mas sinceramente não sei o que isso quer dizer? Alguém sabe quantos estágios tem a recuperação?

--------------
Do asilo:

-Chris Chelios disse que está feliz na AHL, e dificilmente voltaria para a NHL. A exceção? Tselios falou que caso Detroit tenha mais problemas com lesões e oferecer um contrato, ele pode considerar. Mais lesões? Obrigado Chelli, mas até uva passa.

-O ex-Wing Slava Fetisov voltou ao gelo na Rússia, aos 51 anos. Fetisov é hoje o presidente do CSKA Moscou, mas a falta de defensores no elenco obrigou o dirigente a colocar os patins novamente, desta vez na KHL. O CSKA perdeu seu primeiro jogo por 3 a 2 para o SKA de São Petersburgo.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Menos um


Para quem não leu os comentários do post anterior, Dan Cleary machucou o ombro e ficará de fora por cerca de um mês.

Em outras notícias, foi anunciada a gravação do 4º filme da série Pânico. O filme será rodado na Joe Louis Arena, o time todo vai se machucar, e imagina-se que o vilão será interpretado por Todd Bertuzzi.

Até 2010

Sério, não dá mais. Sem condições.

Nos últimos sete jogos em casa, 1 vitória e 6 derrotas (uma delas valeu um ponto).

Nestes jogos, 3 shutouts sofridos. Neste 3 jogos foram 122 chutes a gol.

Nestes 3 jogos sofremos apenas 6 gols, com nossos goleiros defendendo 91.1% dos chutes. Foram 15 oportunidades de power-play e nenhum gol, e o time de vantagem numérica sofreu só 1 gol em 10 chances.

Nestes 3 jogos, 3 gols foram anulados. Não sei se o de ontem foi bem marcado ou não, mas não é possível que a gente não se dê bem numa dessas.

Dan Cleary se machucou ontem. Não sabemos o que, não sabemos por quanto tempo. Holland, faz seu trabalho por favor. Ultimamente você parece mais um médico contando à família que não resta esperança do que um Gerente Geral.

Volto temporada que vem, para anunciar a aposentadoria de Nicklas Lidstrom.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

"Em tópicos de novo?"

Sim, em tópicos de novo. Tem bastante coisa pra falar, então vamos lá:

+Mike Babcock tem um cérebro. Sim, ele tem, é verdade! Pra começar, ele vai para o jogo de amanhã sem Ville Leino mais uma vez. Por enquanto o aproveitamento sem Leino está bom, duas vitórias em dois jogos, e Babcock está cobrando maior esforço do finlandês a todo momento. Espero que Leino volte a jogar decentemente sem precisar esperar seu compatriota Valtteri Filppula.

+Por falar em Filppula, o central retirou seu gesso do pulso direito nesta tarde. Ele usou uma tipóia enquanto patinava, mas foi só por precaução e não será necessária daqui para frente. A expectativa é que Wally volte a atuar entre o Natal e o Ano-Novo.

+Sem Leino no time e com Cleary bem longe do círculo de faceoffs, o time treinou hoje com Justin Abdelkader centrando a segunda linha. Parabenizo Mike Babcock por isso: dessa forma ele mantém Pavel Datsyuk e Henrik Zetterberg jogando juntos sem precisar desmanchar a unidade dos Corvettes Vermelhos (Draper-Helm-Eaves). Drew Miller será o responsável por centrar a quarta linha, entre Brad May e Kirk Maltby.

+Notícia aterradora, com o atenuante da fonte ser o Tradutor do Google: o site sueco Hockey Expressen traz declarações do treinador Bengt-Ake Gustafsson sobre Johan Franzén, nas quais diz que muitos imaginam que Franzén não volte nesta temporada, e que o melhor prognóstico seria um retorno apenas nas Finais da Copa Stanley.

#Seção nada a ver

+Jogadores de hóquei são incomparáveis: hoje o time dos Islanders está na Philadelphia para enfrentar os Flyers. O defensor Brendan Witt recusou uma carona até o ginásio, resolvendo ir a pé para o treino. No caminho ele foi atropelado. Sim, atropelado por um carro. Depois de se levantar e xingar deus e o mundo, Witt se limpou, disse para as pessoas próximas que estava bem e seguiu andando para o treino. Foi andando para o treino depois de ser atropelado. Por um carro. É.

O adeus de Darren McCarty

Lembrem-se de Kris Draper, no canto do gelo, olhando para baixo em frente a seu banco. Lembrem-se de Claude Lemieux acertando Draper por trás, dilacerando seu rosto. Lembrem-se que Darren McCarty estava sentado exatamente em frente a Draper.

Lembrem-se de McCarty se desvencilhando do juiz, acertando Lemieux. Lembrem-se de Lemieux encolhido na eterna posição de tartaruga. Lembrem-se do simbolismo no momento em que, às joelhadas, McCarty arrastava Lemieux pelo gelo até o banco dos Red Wings. Lembrem-se daquele mesmo jogo, McCarty marcando o gol da vitória na prorrogação, e Draper esperando por ele na saída do gelo.

Lembrem-se do jogo 4 das Finais daquele ano. No fim do turno, McCarty se vê com o disco, alguns passos à frente do defensor mais próximo, e vai em direção ao gol. Vê o goleiro vindo para a frente, e a última coisa que passa em sua cabeça? "Não erre o chute". Ele não errou. Marcou o gol que encerrou um jejum de 42 anos sem Copas em Detroit. McCarty comemora com seus companheiros, e o primeiro a cumprimentá-lo é Steve Yzerman. Suas palavras: "Que p*orra é essa?"

Lembrem-se de 2002, do jogo 1 das Finais de Conferência. Na série em que McCarty marcou quatro gols, três deles vindos naquele jogo 1. Três gols em Patrick Roy, três gols no odiado Colorado Avalanche. Lembrem-se que, em março daquele mesmo ano, os Wings jogaram em Denver, e McCarty foi gentil o bastante para dar um puck de presente a um garoto nas arquibancadas. Em Denver, para um garoto de 14 anos com uma camisa do Avalanche.

Lembrem-se da saudades que sentimos quando Darren McCarty foi embora. E também da alegria que sentimos quando McCarty ligou para Kris Draper pedindo ajuda para voltar a jogar. Draper deixou o amigo treinar em sua academia, e deixou que o amigo jogasse no Flint Generals, da IHL, time do qual era dono.

Lembrem de McCarty em sua volta a Detroit, do gol que ele marcou para abrir o placar numa vitória dos Wings no jogo 2 da primeira rodada dos playoffs. Lembrem-se do sorriso sem dentes no meio de uma barba vermelha em um rosto verdadeiramente feliz, ao ganhar sua quarta Copa Stanley em sua cidade.

"Ele é Herói, é meu herói, é herói de Detroit. É eterno". Marcelo Constantino se lembra. Lembrem-se também de Darren McCarty, o vingador.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Springsteen, Sinatra e Draper

Fim de semana às margens do Rio Hudson. O (dizem que) que aconteceu:

Detroit 3-4 New Jersey (SO)

Péssimo primeiro período, Osgood decente mas deixando ao menos um gol defensável. Normal.

Mais uma vez Brad Stuart teve uma porcentagem de defesas melhor que nosso goleiro, e precisamos de gols das linhas de baixo de novo. A segunda linha tinha Leino-Cleary-Bertuzzi.

"Se ele manteve a segunda linha com Leino-Cleary-Bertuzzi, está explicado o resultado.

-2 pra todo mundo." - Humberto Fernandes
Enquanto isso, +2 para Eaves e Draper, +1 para Helm.

Nos pênaltis tivemos Datsyuk (gol), Zetterberg (defesa), Bertuzzi (bela jogada, não acertou o gol) e Leino (por que? defesa...).

Detroit 3-1 NY Rangers

Este foi o fim de semana anual dos pais nos Wings, ou seja, os pais dos jogadores viajaram com o time. O pai de Ville Leino não pôde ir aos Estados Unidos, e não viu seu filho ser sacado do time para o jogo em Nova Iorque.

A última vez que Leino não jogou? 31 de outubro, contra Calgary, vitória por 3 a 1. Tchau, Smallville. E fica melhor ainda: perguntado sobre a ausência de Leino, tio Mike respodeu que "não sabe se é uma mensagem. O importante é tentar vencer, e para isso jogamos hoje com os melhores". Chupa, Leino.

Além da vitória, foi provavelmente a primeira vez desde 2002 que o time jogou os tão falados 60 minutos. Está certo que os primeiros 20 não foram muito legais, mas o time dominou os Rangers, apenas falhando em traduzir isto no placar.

Os gols foram de Datsyuk, Cleary e Draper. O Ranger Sean Avery ganhou um Emmy pela sua atuação para cavar uma penalidade, mas não adiantou para eles.

Ah, e teve James Howard. James Howard. Foram só 22 chutes, mas Howard fez defesas dificílimas mais uma vez, inclusive pegando um pênalti dos Azuis. Nicklas Lidstrom também foi bem, e provavelmente a razão principal para Marian Gaborik não ter chutado ao gol nenhuma vez.

Kristopher "Chuck Norris" Draper

A semelhança desses dois jogos? Time esforçado (menos no 1º período em New Jersey) e gols de Kris Draper.

Se imaginem nos vestiários do Wings naquele intervalo no Prudential Center. Perdendo por 2 a 0, perdendo em número de chutes para o New Jersey Devils, numa temporada completamente fora dos padrões...

James Howard conta que Draper "pagou geral", deu um basta naquele relaxo total. Dan Cleary diz que "coisas foram faladas, e nós nos entregamos a elas."

Do próprio Draper:
"Senti que falávamos muito e faziámos pouco. Entrei lá, tive um estalo e continuei falando. Estava envergonhado com meu jogo recente e, me vendo como um dos líderes deste time, no sentido de trabalho e emocional, não via nada de bom ali. Disse muitas coisas, todas de coração. Essa é uma grande camisa para vestir todos os dias, tem tanta tradição. Me orgulho de ser um Red Wings e senti que faltava orgulho em nosso jogo"
Draper não tem o "C" na camisa, e não tem o brilho dos outros assistentes. Mas é um líder, tanto quanto Lidstrom e Zetterberg*. É o cara que, no já longínquo ano de 1996, literalmente deu a cara para bater por esse time, e não duvido que faria de novo. Valeu, Drapes.

*apesar do "A" no blusão, não consigo ver Datsyuk como um líder.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Tio Mike lê o blog

O Circo Voador voltou! Datsyuk e Zetterberg juntos hoje à noite. Óbvio que o Professor Pardal ainda não fez tudo direito, e vai usar Dan Cleary como central da segunda linha em vez de colocar Draper no lugar certo, mas já é um avanço.

As linhas de hoje:

Datsyuk-Zetterberg-Holmstrom
Leino-Cleary-Bertuzzi
Draper-Helm-Eaves
Miller-Abdelkader-Maltby

A defesa é a mesma do jogo passado, Rafalski ainda afastado por lesão nas costas:

Stuart-Meech
"Todo mundo no esquema bizarro do Titio"

Osgood no gol.

Claro que Babcock só junta Zetta e Dats num jogo que eu não vou ver... mas tá valendo.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Sobre o 11º do Oeste

O defensor Sony Ericsson não machucou gravemente o joelho. O jogador saiu da partida contra os Oilers no período final, mas a dor passou rapidamente e Ken Holland disse que não foram necessários mais exames. Ericsson viajou com o restante da equipe para New Jersey, onde os Wings vão enfrentar os Devils amanhã.

Larry Eaves e Brad Wazowzki são dúvidas para a partida, e ainda não foi decidido quem será o goleiro titular. No domingo Detroit volta ao gelo, desta vez contra os Rangers, então é seguro afirmar que cada goleiro começa um jogo.

Tio Mike falou sobre as mudanças nas linhas (Dr. Evil Leino por Todd TuzziKamon), atribuindo essas alterações à necessidade de encontrar um parceiro para Pavel Quasímodo.

"Tentamos criar mais chances com diferentes unidades, procurando alguém para trocar passes com Pav. Não posso colocá-lo com Zetterberg, não tenho centrais os suficientes".

Dessa frase podemos tirar duas conclusões:

-As duas linhas vão ficar rodando com Datsyuk, Zetterman, Cleary, o Bolha, Smallville e Homer. Helmer e Eaver, apesar de estarem bem constantemenet, não tem chances.

-Tio Mike está maluco. Não tem centrais suficientes? Titio, é o seguinte: com todas essas lesões , o único central perdido é Filppula. Quer centrais para as quatro linhas, usando Dats e Zetta juntos? Datsyuk, Helm, Draper e Abdelkader. Ah, esqueci que você está perdendo a cabeça e quer transformar Kristopher Draper em asa esquerdo quando o cara está nas últimas temporadas de sua carreira.

E pelamordeyzerman, não tem um cara com voz neste vestiário? Beleza, Lids é um líder por exemplo e blá blá, mas cadê o Shanahan nesse time pra chutar porta de armário e comer o rabo do Lebda quando ele fizer cagada?

Lidstrom é quieto, Draper só fica na academia, Babs está se preocupando com a seleção canadense, Zetterberg fica com a esposa, Datsyuk não fala inglês (nem russo), Bertuzzi não tem moral, Filppula tem o cabelo e as sombrancelhas de cores diferentes, Osgood só existe depois de março, Howard ainda é Jimmy, Stuart ainda é amaldiçoado pelo jogo 7, Maltby foi esquecido em algum aeroporto por aí... Quero alguém gritando (não só eu).

Quem aí já viu "Milagre no Gelo" (tipo... todo mundo)? Lembram do Herb Brooks? "Vocês não tem talento suficiente para ganhar só na base do talento". Vai Babcock, assiste "Milagre...", "Um Domingo Qualquer", "Duelo de Titãs", vale até "D3: Nós Somos os Campeões", mas acorda esse povo! "Não tem talento para ganhar só na base do talento".

Franzén-Filppula-Hossa
Hudler-Williams-Samuelsson
Kopecky-Lang-Drake
Downey-Calder-McCarty

Kronwall-Rafalski
Chelios-Schneider
Quincey-Lilja

Hasek-Conklin

Timaço, né? Esses são os caras que perdemos nso últimos 3 anos, saindo do time ou por lesão. Tà vendo, Bertuzzi? Tá vendo, Leino? Tão vendo, Lebda e Meech? É por isso que vocês não tem talento pra ganhar só no fucking talento. Esforço acima da terceira linha, é só isso que peço. Perder acontece, perder feio não dá.

Sem criatividade para um título

Derrota por 4 a 1. Derrotas eliminam a criatividade, então mais uma vez por tópicos.

Ataque: Cadê? Sumiu de novo. Os Wings se resumiram a chutes de longe, e quando por acidente alguém (é com você, Holmstrom) chegava perto do gol, chutava para fora.

Defesa: Marcou dois gols, ótimo. Pena que foram para os Oilers. Brett Lebda seria 3ª linha dos Griffins, não sei o que ainda está fazendo em Detroit.

Lidstrom: Não sei quem vai ganhar, mas Nick já garantiu no mínimo sua indicação ao Norris com o passe para o único gol do time.

Kindl: Estreou com -2 (um desses foi culpa do Lebda). O garoto só teve um erro gritante (menos do que o Lebda), e se posicionou bem para o caso de mais lesões na defesa (se não tiver lesões, que entre no lugar do Lebda).

Ericsson: Pode ou não ter machucado o joelho. Babcock foi brutalmente honesto ao dizer que não teve coragem de perguntar. Odeio este ano.

Howard: Jogou como Jimmy. Razoavelmente bem no começo, razoavelmente mal no fim. Ele ainda não entendeu que o lugar dele é na marquinha azul.

Próximo jogo sábado (óbvio...) em New Jersey. Eu vou começar no gol, e o tiozinho do Zamboni vai jogar na terceira linha de ataque.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Chegando com moral


Jakub Kindl faz sua estréia hoje na NHL, contra o Petrobras Oilers, e deve receber alguns presentes de Mike Babcock: um lugar na primeira unidade de vantagem numérica e alguns minutos ao lado de Nicklas Lidstrom em situações de 5-contra-5.

Kindl diz estar entusiasmado, que não conseguiu dormir direito e afastou a ansiedade treinando duro hoje.

Já Tio Mike está um pouco perdido nas linhas defensivas, a única certeza é que Brad Stuart e Derek Meech vão estar juntos, mas os outros quatro vão ser combinados de maneiras diferentes ao longo do jogo.

Na lógica estranha de Babcock, as recentes atuações de Todd Bertuzzi merecem um rebaixamento de linha, enquanto a inutilidade de Ville Leino é recompensada com a primeira linha. O time vai para o jogo assim:

Leino-Datsyuk-Holmstrom
Bertuzzi-Zetterberg-Cleary
Draper-Helm-Miller
May-Abdelkader-Maltby

"Delírios de Tio Mike"
Stuart-Meech

Howard começa novamente no gol, sua terceira partida consecutiva como titular.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Já tá ficando ridículo

Direto ao assunto dessa vez: Brian Rafalski está sentindo dores nas costas, é dúvida para o jogo de amanhã. Se não puder jogar, Jakub Kidl será convocado de Grand Rapids.

Mais um? Lilja, Franzén, Filppula, Williams, Kronwall, Eaves e Rafalski? VSF!

Atualizado: Kinder já está com o elenco dos Wings. Estou curioso para saber como estarão as duplas amanhã.

E se não for uma dessas malditas "lesões de 4 a 8 semanas" que vemos este ano, se Rafalski ficar de fora só uns 5 jogos, não vejo problema nenhum. Kindl está no seu último contrato com opção de ligas menores, e prefiro vê-lo um pouco este ano do que jogar o garoto para os leões na próxima temporada.

Polêmica: vaiar antigos ídolos e a discussão das camisas

Vivo brincando que vou ser demitido do blog, mas dessa vez é sério. Da Slot de semana passada:

Em algum momento, Hossa retornará a Detroit, desta vez para jogar contra os Red Wings. Ele será vaiado pela torcida, a mesma que foi capaz de vaiar Sergei Fedorov, jogador fundamental na conquista de três Copas Stanley. O torcedor dos Wings precisa se lembrar que Hossa escolheu jogar na equipe, mas não escolheu sair. A gerência priorizou outros jogadores (Johan Franzen, por exemplo) e no final não havia espaço pra ele. - Humberto Fernandes
"Putz, ele vai zoar o chefe!" Não, não vou zoar ninguém. Mas é óbvio que Marian Hossa vai ser vaiado. A próxima visita dos Blackhawks a Detroit será no dia 23 de dezembro.

Sim, Humberto, não foi ele que decidiu sair, simplesmente não cabia no teto salarial. Mas em que trecho do Acordo Coletivo está escrito que "aquele que não caber no teto salarial dos Red Winsg deve ir para Chicago"? São milhões de anos de confrontos entre as duas equipes, as que mais se enfrentaram na história da NHL, provavelmente a maior rivalidade, e o Hossa vai pra lá? Depois de dizer que ama Detroit, que ficaria aqui até se aposentar se pudesse e tal?

Olha, eu sei que o mundo é movido a dinheiro, que os caras são profissionais, mas tudo tem limite. Hossa, não precisava declarar seu amor aos Wings, a maior prova seria ir para outro time. Chicago não, meu! Já disse tudo isso, é só ler este comentário.

Agora sobre Sergei Fedorov. Devo dizer, esse era um dos meus jogadores favoritos. Era Incrivelmente rápido no videogame, incrivelmente habilidoso na vida real, e pegou a Anna Kournikova.

Mas também era um cretino. Outro que quando saiu foi para o time errado, ainda que Anaheim não fosse tão maldito naquele época. Mas vocês viram as recentes delarações do russo? "Tinham inveja dos Russian Five no vestiário, pediam para Scotty desfazer", se referindo a uma das melhores unidades da história da Liga. Claro, foram conversar com Scotty Bowman sobre isso. O treinador não conhecia essa história, disse que todos adoravam os russos, e que o problema na verdade era ele.

Bowman sobre Fedorov: "Ele tinha inveja de Igor Larionov. Sempre pedi para que ele jogasse na ala, afinal ele era um cara grande, mas ele queria o lugar de Igor no centro. A gente tentava agradar, quando jogávamos no Sul, Phoenix, por exemplo, o dispensávamos de treinos para que pudesse se encontrar com a Anna, mas ele era irredutível". Essa discussão aconteceu no mês passado, muito depois de Fedorov ter sido vaiado na Joe Louis Arena, mas parece que a torcida, naquela ocasião, estava certa.

Sergei Fedorov é um daqueles que sempre estão enrolados em conversas sobre aposentar o número da camisa, e o blog Red Wings Hardware tentou criar um sistema para ver que merece ou não esta honra.

Com um pouco de pesquisa, eles chegaram a alguns números relativos a quem já teve a camisa aposentada, e aqui estão eles (média por jogador):
  • 90.8% dos jogos como profissional usando a camisa dos Red Wings
  • 3.33 Copas Stanleys ganhas em Detroit
  • 8.33 temporadas como capitão de Detroit
  • 4.67 grandes prêmios ou troféus
  • 11 aparições no Jogo das Estrelas
  • Membro do Salão da Fama
  • Quatro dos seis jogadores assumiram alguma posição na diretoria dos Wings, e todos foram uma espécie de embaixador do time
Tendo estes números como base, podemos excluir Brendan Shanahan (46% dos jogos em Detroit), Chris Chelios (35%), Sergei Fedorov (73%), Dominik Hasek (24%), Brett Hull (20%), Igor Larionov (58%) e Luc Robitaille (11%). Esses são os jogadores do time do Hall da Fama em 2002.

Os únicos que se encaixam no perfil? Steve Yzerman, já com o #19 aposentado, e este cara (comparando com a média dos aposentados):
  • 100% dos jogos como um Wing (90,8%)
  • 4 Copas Stanley (3,33)
  • 4 temporadas como capitão (8,33)
  • 7 prêmios individuais (4,67)
  • 10 aparições de All Star (11, pode empatar este ano)
  • Com certeza absoluta vai estar no Salão da Fama
  • Histórico de trabalho comunitário em Detroit
Sim, Nicklas Lidstrom é o próximo a ter seu número aposentado. Henrik Zetterberg e Pavel Datsyuk tem um longo caminho pela frente.

E Hossa e Fedorov, buuuuhhh!!!!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Novembro (ou O Mês Do Ataque Bipolar)

A campanha

2-0 Bruins (c)
2-1 (SO) Sharks (c)
1-5 Maple Leafs (f)
9-1 Blue Jackets (f)
3-1 Canucks (c)
7-4 Ducks (c)
1-3 Stars (c)
1-2 (OT) Panthers (c)
3-2 (SO) Canadiens (f)
1-3 Predators (f)
0-2 Thrashers (c)
0-3 Flames (c)
4-3 (SO) Blues (f)
4-1 Stars (c)

Comparativo

Outubro: 5-4-3, 54,1% aproveitamento, 3,16 gols/jogo, 3,5 gols sofridos/jogo
Novembro: 8-5-1, 60,7% aproveitamento, 2,71 gols/jogo, 2,21 gols sofridos/jogo

Os jogadores

Jogador do mês: Henrik Zetterberg (16 pontos), com três gols da vitória
Gols e pontos: Henrik Zetterberg 8 gols e 8 assistências
A surpresa: Jimmy Howard (6 vitórias em 8 jogos, 92,3% de defesas, 2.10 gols sofridos por jogo)
O mico: Ville Leino, com apenas 2 pontos e -3 em 14 jogos

Notícias do mês

-Jason Williams de fora por 8 semanas (fíbula)
-Nicklas Kronwall de fora entre 4 e 8 semanas (joelho)
-Inclusão de Steve Yzerman no Salão da Fama

Em Dezembro

-8 jogos em casa (Edm, Stl, Ana, Pho, TB, Chi, Clb, Col)
-6 jogos fora (NJ, NYR, Nas, Dal, Chi, Clb)

Dia 31 de dezembro o jogo entre Detroit e Denver vai fechar o ano.

De mal com o gol? Chame o Turco

Marty Turco é nossa mãe. Estatísticas de lado, o cara é o maior azarão da história na Joe Louis Arena. Vindo de 2 jogos sem marcar em casa, os Stars foram o adversário ideal para os Wings.

Os assuntos principais do jogo anterior contra Dallas foram o fato deles jogarem sem o titular (e a consequente vitória - óbvio), e a arbitragem. Matamos Turco, e a arbitragem, apesar de ruim, não comprometeu.

James Howard 29 de 30. Brett Lebda +3, Jonathan Ericsson +2. Drew Miller, Darren Helm, Dan Cleary e Todd Bertuzzi marcaram gols. Nenhum gol sofrido em desvantagem numérica. Deus do céu, em que ano estamos?

Menções honrosas a Henrik Zetterberg, Justin Abdelkader, Kris Draper e Brad Stuart. O segundo período foi o melhor jogado pelos Wings desde o começo da temporada. Voltando a Howard, que evolução, garoto: bem menos rebotes cedidos, e a defesa aprendeu a limpar os poucos que sobram.

Acabou novembro, amanhã tem o resumo do mês. E ajudem nos comentários: Outubro foi o mês com 31 dias de Halloween, então sugiram um título para Novembro.