domingo, 31 de janeiro de 2010

Pinguins debaixo d'água

Nada a ver com o jogo: PQP, essa temporada paulista de chuvas está absurda. Vi 3 minutos do jogo, acabou a força, só voltou na hora da prorrogação.

A ver com o jogo: pelos replays no fim da partida, Filppula perdeu uma chance ridícula, James garantiu a indicação ao Calder/indicação ao Vezina/indicação ao Hart, e eu odeio Sidney Crosby (nada a ver com os replays, só odeio ele e pronto).

Na prorrogação o time jogou decentemente, Datsyuk e Filppula combinaram numa jogada fantástica que acabou não resultando em nada. Resultado, pênaltis. Odeio o Crosby, mas ele sabe jogar (mas não é líder, NÃO É LÍDER), e chutar penais contra ele e Malkin (o melhor Penguin) é covardia.

Ainda mais covardia quando Babcock resolve tirar sarro da torcida e manda Jason Williams para chutar. E Williams chutou, mesmo num espaço em que não passaria uma barata, enquanto Marc-Andre Fleury estava ajoelhado e disponível para que entrassem com "bola" e tudo. Falando sério, se dia 26 de Março o jogo for para os pênaltis, tenho certeza que Babcock vai me chamar para chutar no gol.

Vitória de 1-1 para os Steelers, mais um jogo com 40+ defesas para o goleiro mais quente da Liga. Pena que ele não tem ajuda de ninguém.

Kronwall está bem, graças a Deus, e Holmstrom volta na terça-feira.

Odeio essa temporada.

Não é fácil ser Ken Holland

Difíceis decisões iminentes para o Gerente geral do Red Wings Ken Holland
Por Chris McCosky, do The Detroit News. 

Tradução: Fábio Monteiro, da sucursal do Red Wings Brasil em Taguatinga.


Gostaria de saber se Ken Holland tem conseguido dormir por esses dias.

Além de ter difíceis decisões para tomar nas próximas semanas sobre o elenco, o gerente geral do Detroit Red Wings tem um complicado problema para resolver na próxima temporada. Quatorze jogadores do atual elenco estão no último ano de seus contratos e serão agentes livres restritos ou irrestritos.

Holland pode estar pensando em reconstruir metade da equipe neste verão, e tudo o que está em jogo não é se o capitão Nicklas Lidstrom volta para mais uma temporada. Porque entendam o seguinte, se Holland não formar um time competitivo para a próxima temporada, um que Lidstrom sinta que pode competir pela Stanley Cup, o capitão pode juntar suas coisas e voltar para a Suécia.

Ninguém pode esperar que Lidstrom, aos 40 anos, aguarde um ano até que o time se reconstrua, e Holland sabe disso. Mas Lidstrom provavelmente fica em Detroit, caso tenha outra oportunidade de ganhar a Stanley Cup.

Então cada movimento que Holland faz de agora em diante será feito com dois objetivos em mente: ganhar hoje e continuar vencendo amanhã.


Eles dizem olá, quem diz adeus?

Mas antes de tudo, o que Holland vai fazer quando Johan Franzen e seus US$3,9 mi estiverem de volta?

Ele já teve que mandar Justin Abdelkader de volta para Grand Rapids, para a eventual volta de Tomas Holmstrom. Quando Franzen voltar, mesmo sem os US$850,000 de Abdelkader, o Red Wings ultrapassará o teto salarial em US$650,000.

E pra piorar a situação, Andreas Lilja parece estar livre dos sintomas pós-concussão que o aflingiram por mais de 11 meses. Ele é esperado para iniciar uma temporada de reabilitação em Grand Rapids, esta semana.

Se ele voltar, isso é mais US$1,25 mi para ser cortado da folha de pagamento. No total, US$1,9 mi.

Agora, não me interpretem mal aqui. Holland não está se queixando de ter que tomar essas decisões. Na verdade, ele está vibrando, porque isso significa que o time de talentos está cada vez mais profundo. Franzen não é apenas um atacante de primeira, ele marca grandes gols, gols em grandes jogos, gols em terceiro período, gols de vitória. E Lilja, se tudo der certo e ele recuperar sua forma, será um enorme ganho para a defesa.

Mas não vamos nos antecipar. Ainda há uma série de obstáculos a serem vencidos para que Lilja possa retornar, então vamos removê-lo da discussão e pensar apenas nos US$650,000 que vamos ultrapassar com a volta de Franzen.

A resposta mais fácil, como eu disse semana passada, é tentar negociar Ville Leino. Ele ganha US$800,000 e se eles não puderem negociá-lo, o mais provável seria algum outro time retirar Leino dos waivers.

Mas é realmente tão fácil assim desistir de um jogador de 26 anos tão hábil como Leino? Ele foi a primeira pessoa no gelo sábado, trabalhando no seu controle e chutando pra longe pucks dispersos, do seu jeito. Ele realmente tem uma habilidade incrível e um chute poderoso. Cedo ou tarde, ele vai achar seu jogo no nível da NHL.


Existem outras opções

Se não Leino, quem então? Você tem que pensar baseado em performances. Drew Miller e Patrick Eaves estão fora de discussão. Ambos têm sido inestimáveis, jogadores de múltiplas funções.

Brad May? Seu salário é de US$500,000, o que significa que teriamos que dispensar ele e outro jogador. Mas o Red Wings realmente quer jogar o resto da temporada e os playoffs sem um jogador com May?

O ditado popular diz que os "enforcers" não têm papel nenhum nos playoffs, mas May tem sido muito mais que um enforcer nos Wings. Ele tem sido sólido, checker de quarta linha. Ele tem sido o tipo de xerife que os Wings são criticados por não ter. Seria um erro mover May para os waivers, na minha opinião, e eu aposto que o treinador Mike Babcock concorda comigo.

Que tal Kirk Maltby? Depois de tudo que ele fez pela organização por esses anos, depois de tudo que ele fez no sentido de orientar jovens jogadores como Abdelkader e Darren Helm, poderia Holland esperar com ele mais umas semanas e dizê-lo que seus serviços não são mais necessitados?

Holland poderia, talvez, pedir-lhe para se aposentar e oferecer-lhe um emprego na organização?

Duro, duro pedido.

Mas deixe-me responder a questão que foi colocada no início - Holland não está perdendo o sono. Ele não está por ai parecendo abatido e estressado. Na verdade, ele parece estar energizado pelo desafio. Como todos os grandes gerentes, ele trabalha três ou quatro passoa à frente de qualquer outro. Ele já sabia que poderia confrontar tais decisões e quando o tempo chegar para ele entrar em ação, ele vai ter feito todo o seu trabalho e estar pronto para fazer o que tiver de ser feito.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Jogo 8

Amanhã à tarde tem o Jogo 8 das Finais da Copa a revanche contra o Pittsburgh Penguins/Novorizontino/Aves-que-não-voam/Shemales, em Pitesburgo.

Todos já sabem que Wings e Penguins decidiram as duas últimas Copas Stanley, com um título para cada lado.

-O campeão levantou a taça na casa do adversário (vantagem amanhã: DET)
-Wings e Penguins se enfrentaram 4 vezes em temporada regular desde o locaute (vantagem DET, 3-1)
-na última vez que Detroit perdeu a Copa, para os Devils em '95, na temporada seguinte tivemos uma vitória e uma derrota
-o histórico do confronto em temporada regular em Pittsburgh: 19 vitórias Detroit, 44 vitórias Pittsburgh, 4 empates (que feio)

Provavelmente Howard no gol e Holmstrom de volta ao time.

Em outras notícias, boas chances de Andreas Lilja ser enviado para Grand Rapids para se condicionar. Também se imagina que Johan Franzén volta na partida contra St. Louis, dia 9 de fevereiro.

"Os melhores tem que ser os melhores"

Lidstrom, Datsyuk, Zetterberg e Filppula com 2 pontos cada. Miller também teve.

James Howard com 46 defesas em 48 chutes.

Mike Babcock cobra que os melhores sejam os melhores, e quando isso acontece os Wings ganham por 4 a 2.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Tentando parar a bola de neve

O time vai tentar obedecer Mike Babcock esta noite, em casa, contra o Tennessee Dentes-de-sabre.

Jason Williams está de volta, e Brad Stuart não vai perder nenhum jogo em decorrência da lesão no ombro na última partida.

O time vai jogar com:

Zetterberg-Datsyuk-Cleary
Bertuzzi-Filppula-Williams
Draper-Helm-Eaves
May/Leino-Miller-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Kronwall-Stuart
Ericsson-Lebda/Meech

Jim Howard começa no gol, Drew Miller começa centrando a quarta linha mas deve revezar com o enferrujado Williams, e alguns jogadores devem entrar como central desta 4ª linha.

Com as voltas de Williams hoje e de Tomas Holmstrom no domingo, Justin Abdelkader foi enviado para Grand Rapids, onde deve ficar até o fim da temporada. Caso Detroit esteja nos playoffs (ânsia) ele pode voltar, pela falta de teto salarial e limite de jogadores. Yabadabadu estava entre os líderes da Liga em trancos, mesmo jogando na 4ª linha (alguns jogos na 2ª).

H2H


O "Herm to Hockeytown" está de vento em popa.

O site entrou no ar, e lá está tudo que você sempre quis saber sobre o evento mas teve vergonha de perguntar.


Também tem uma loja virtual para comprar camisetas, canecas e calcinhas(!), com o lucro indo para o Hospital Infantil de Michigan.

Por sinal, o site canadense The Globe and Mail também divulgou o evento.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Tio Mike

Mike Babcock deu uma entrevista à rádio 590 de Toronto, onde falou sobre os Red Wings, as Olimpídas e os goleiros, além de algumas atualizações de lesões.

A fase atual

"O time estava devastado, com muitas lesões, e ganhávamos por 2-1, 1-0, e agora os jogadores começam a voltar e perdemos por 5-4. [...] Nós não executamos, não fizemos o que queríamos fazer, e isso acontece quando você não executa e comete erros mentais".

"Quando você está ganhando, você encontra um jeito de ganhar, e quando está perdendo é porque encontrou um jeito de perder. Precisamos parar a bola de neve antes que ela desça ainda mais a montanha".

A diretoria

"Eu falei por telefone com Steve Yzerman por meia hora, os primeiros 10 minutos sobre os Wings, o resto sobre as Olimpíadas. [...] É nisso que é bom trabalhar com Ken Holland, Jim Nill, Yzerman, um grupo com bom-senso, que está no ramo há bastante tempo e conhece os jogadores".

Howard vs. Osgood

"É fácil para um veterano como Ozzie atacar um calouro se quiser. Mas ele fez tudo para ajudar o garoto, tem sido um bom amigo e um mentor. Mas agora, Howard está ganhando mais do que Ozzie, e assim fica fácil para o treinador: nós precisamos ganhar todos os jogos, Howard está no gol".

"Nas temporadas passadas nós sabíamos quem era o titular com 5 jogos de antecedência. Não este ano, decidimos quem joga depois de cada jogo".

Williams, Holmstrom, Franzén

"Williams amanhã [contra Nashville] , Holmstrom domingo ou no jogo seguinte [Pittsburgh ou San Jose], Franzén três jogos antes da pausa."


Tio Mike é o cara. Gostei de ver que ele não procura desculpas e põe a responsabilidade no time (e em si mesmo) pela fase ruim. "Execução, execução, execução", ainda que alguns críticos possam chamá-lo de teimoso.

Não falei muito nada sobre o jogo de ontem, que foi uma vergonha. Considerando só os primeiros chutes do 1º e 3º períodos, Osgood pegou 3 de 8 chutes, e isso é inaceitável. Mas ele foi bem no 2º período, ainda que se movimentasse de maneira estranha.

E numa atualização inútil sobre Brad Stuart, ele está "dia-a-dia" com uma lesão no ombro. Dia-a-dia pode significar "um dia" ou "11 meses" (Lilja começou dia-a-dia), então nem considero essa notícia.

Depois de jogos em dias seguidos, hoje os jogadores tiveram folga, por isso nada novo. Próximo jogo amanhã, na Joe Louis, 22:30 de Brasília.

Ainda não acabou

Osgood no gol. 3 gols sofridos nos primeiros 6 chutes do jogo. 2 gols sofridos nos 2 primeiros chutes do 3º período. Faltando 8 minutos, 18 defesas em 23 chutes.

Aparentemente Brad Stuart saiu do jogo machucado.

Merda.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Todo mundo pronto

Franzén liberado pelos médicos, só precisa se condicionar, por volta de duas semanas.

Holmstrom patinou direto por uma hora, pretende voltar Sexa ou Domingo.

Williams (lembram dele?) se sente pronto e só espera um "ok" dos médicos, pode jogar já na Sexta.

Lilja deve se reunir com Ken Holland, seu empresário e alguns médicos, na Quinta-feira para definir seu futuro, se já está apto a jogar e qual o próximo passo.

(Esse post está quase igual o de anteontem, mas fazer o que...)

Chris Osgood começa no gol hoje, e imagino que na Sexta-feira também.

O time:

Zetterberg-Datsyuk-Cleary
Bertuzzi-Filppula-Miller
Draper-Helm-Eaves
May-Abdelkader-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Meech-Stuart
Kronwall-Ericsson

Osgood

Oh shit...

Não importa se o ataque funciona. Não importa se Datsyuk e Zetterberg e Lidstrom jogam como Datsyuk e Zetterberg e Lidstrom. Não importa se Jim Howard tem 3 braços.

Lá está Jonathan Ericsson, no gelo em 3 dos 5 gols de Phoenix. Lá está Brad Stuart, no gelo em TODOS os 5 gols dos Coiotes. Lembranças do jogo 7?

Phoenix 5-4 Detroit. Foi na prorrogação, então os Wings ganharam perderam um ponto, e ficam a frente de Calgary, ainda na 8ª posição do Oeste.

Sinceramente, 3 gols cedidos em 5 minutos? Terceiro jogo seguido desperdiçando vantagens de dois gols? O time consegue ir bem por 57 minutos e depois virar o Íbis de Michigan?

...num lado bom, mesmo que Helm tenha feito besteira num dos gols sofridos, ele e Eaves podem ficar por muito tempo na mesma linha.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Coice de mula

Andreas Lilja parece estar mesmo "perto" de voltar. O defensor passou por um treinamento intenso, depois de quase um ano sem contato físico.

Lilja treinou com outro lesionado, Johan Franzén, pouco mais de 100kg. O "treino" consistiu em Lilja parado e Franzén correndo - na direção dele. Foram muitos trancos, inclusive encostado às bordas, e em certos momentos Franzém jogou a cabeça de Lilja no vidro.

Tudo isso para ver como está a concussão do defensor, afastado desde 28 de Fevereiro do ano passado. Ele atingiu a marca de 14 dias sem dores de cabeça, o período estipulado pelos médicos para que ele pudesse treinar com contato. Ao final da sessão de sparring, Lilja disse que seu corpo doía, mas a cabeça não.

Para o jogo de hoje, contra os Coiotes, o time vai com Brad May na quarta linha, e não Ville Leino.

Lembrando que a defesa terá a volta de Niklas Kronwall, ao lado de Brad Stuart.

ATUALIZAÇÕES:

-Hoje o GameCenter é de graça. Quem quiser ver o jogo em HD é só se inscrever aqui.

-A Slot é internacional. O site da NHL comentou sobre o "Herm to Hockeytown", e usou o artigo do Humberto para explicar o evento.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Plantão

-Niklas Kronwall volta amanhã ao time, depois de 66 dias com o joelho machucado;

-Jason Williams (perna) pode voltar na Sexta-feira;

-Tomas Holmstrom provavelmente retorna na Sexta ou no Domingo;

-Andreas Lilja está a 13 dias sem dores de cabeça e, como o estipulado pelos médicos era 14 dias, pode voltar logo ao time;

-Johan Franzén vai ver mais alguns especialistas nos próximos dias, mas é possível que jogue um ou dois jogos antes da pausa olímpica.

O time treinou desta maneira nesta manhã:

Zetterberg-Datsyuk-Cleary
Bertuzzi-Filppula-Miller (Franzén entrou em alguns momentos)
Draper-Helm-Eaves (Williams)
Leino-Abdelkader-Maltby (May)

Lidstrom-Rafalski
Kronwall-Stuart
Lebda-Ericsson
Meech-Lilja

J(immy/ames) Howard vai começar no gol amanhã.

O elenco conta hoje com 22 jogadores (incluindo Kronwall). Caso Williams e Holmstrom realmente voltem nesta semana, o time fica com um jogador acima do limite de 23. Provavelmente Justin Abdelkader seria rebaixado para Grand Rapids, pois não passa pela desistência.

A situação complica se Lilja também voltar logo. O outro jogador, além de Yaba, que pode ser rebaixado sem problemas é Darren Helm, e a diretoria não quer tirá-lo do time. Desta forma, Leino, Meech e May são os mais cotados para serem trocados por uma escolha no recrutamento, ou serem enviados para a AHL, onde provavelmente seriam pegos por outra equipe.

Isso, ainda, sem considerar os problemas "logísticos" de uma volta de Franzén antes das Olimpíadas.

Por que esse time tem que se classificar

Eu tentei ser otimista. Lá em Outubro, quando o Humberto já previa a 5ª escolha geral do recrutamento para Detroit, eu mantinha a mentalidade de "tudo vai melhorar".

O leitor e analista Nicolas comentou no post anterior que esperar uma sequência de vitórias e um pulo na classificação é "expectativa e esperança de torcedor". A expectativa presume "confiança", e esperança é um sentimento lindo.

Mas, francamente, os Wings desse ano não merecem palavras tão nobres. Decepção e vergonha estariam mais próximos. Então, por que esse time deve ir para os playoffs?

Obrigação: o time do ano passado marcava uns 17 gols por jogo, e era claramente o mais talentoso da Liga. Perdemos três jogadores importantes, e também o status adquirido. Mas ainda estava entre os 5 melhores elencos, sem dúvida.

A temporada começou, possivelmente a temporada mais desastrosa na história. Praticamente todo mundo perdeu tempo de jogo, incluindo nossa esperança de gols, o melhor defensor no ano, e o Zeh.

Ainda assim, esse time é um dos 8 melhores do Oeste, não? Claro que é. Lidstrom, Datsyuk, Zetterberg, Rafalski. Quatro dos melhores da Liga, um deles já no Salão da Fama, os outros três com meio caminho andado. E todos decepcionando.

A defesa melhorou, o goleiro é um dos melhores da NHL e o elenco de apoio vem fazendo seu trabalho. Howard, Bertuzzi, Holmstrom, Draper, Eaves, Miller, Helm, Abdelkader, Stuart, todos superando expectativas.

Mas pergunte a qualquer diretor de cinema: o que significa quando os coadjuvantes brilham mais do que as estrelas? Sem Oscars, meus amigos.

Esse time tem obrigação de jogar depois de Abril.

Orgulho: sabe quando foi a última vez que os Wings não foram para a pós-temporada? 1989-90. Eu tinha 1 ano e meio. Os Wings ganharam 4 Copas nas últimas 11 temporadas. Os Wings desafiaram as probabilidades e continuaram ganhando após diminuírem a folha salarial em sua metade.

Os Wings são bons. O melhor Gerente-Geral, o melhor treinador, a melhor torcida, o melhor blog do Brasil. Me orgulho disso. Isso não pode acabar, não neste ano.

---

É isso. Obrigação e orgulho, palavras não tão nobres quanto confiança e esperança, mas é por isso que quero os Wings na pós-temporada.

Numa comparação sem sentido, sabem de qual time do Corinthians Seleção Brasileira eu tenho mais raiva? O A de 2006, que perdeu a Libertadores em casa as quartas-de-final para a França. O time era bom, tinha um ataque fantástico, e perdeu por falta de vontade.

Esses são os Red Wings de 2009-10. Acostumem-se.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Gigante Epaminondas

Ser analista de melhores momentos é correr o risco de escrever um monte de bobagens.

Mas eu não acho que o que eu tenho a dizer após ver os melhores momentos do jogo de ontem seja bobagem.

A culpa da derrota para um concorrente direto é toda do Andreas Lilja, como sempre. Como esse blog alerta há anos, desde que abriu suas portas.

Tudo bem que a culpa não foi só dele, afinal o time patinou por 20 minutos e depois parou de jogar, algo tão frequente neste ano.

Mas com 2-0 a favor dos Wings no placar, Lilja fez uma bobagem na defesa e perdeu o disco que levou ao primeiro gol dos Kings. Jimmy Howard também falhou no lance, mas se não fosse pelo erro do Lilja, isso nunca teria acontecido.

O gol de empate também pode ser creditado a Lilja. Foi ele quem decidiu marcar um jogador que já estava marcado. E como ele é todo desengonçado, acabou tropeçando, caindo no gelo. Foi assim que outro jogador dos Kings ficou livre no meio para marcar.

Só não foi um hat trick porque Lilja não estava no gelo no gol da derrota. Mas depois de empatar o jogo e virar o momentum para o lado dos Kings, já não precisava fazer mais nada.

O quê? Lilja não jogou ontem? Como assim?

E aquele sujeito grande, ruim, desengonçado? Também é sueco! Aquele que erra em todos os jogos, que usa a camisa 52! Não era o Lilja?

Sério? Tem certeza?

Pois pra mim era o Lilja. E tem sido assim durante toda a temporada.

Que, quando Niklas Kronwall voltar, ele seja barrado do time, primeiro para ver se "acorda", depois porque até Doug Janik é mais seguro e faz menos bobagens do que ele.

Quanto aos Red Wings, que estão fazendo conosco um nada belo passeio de montanha-russa na temporada, são os jogos como o de ontem que afastam aquela sensação de "na hora H, estaremos nos playoffs".

Não, não estaremos. Não desse jeito.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Um pouco mais de "embromation"

O Red Wings Brasil já apareceu no jornal. Depois, uma entrevista para o Snipe Dangle. De lá para cá, surgiu o "Herm to Hockeytown", que já divulgou o RWB na rádio oficial da NHL, em basicamente todo e qualquer blog dos Wings, e me colocou falando um inglês sofrível para provar que eu não sou o "Fez".

Desta vez, o Red Wings Brasil foi destacado em outra entrevista, agora para o Winging It In Motown. A entrevista é focada em entender como um brasileiro pode ser fã de um esporte impráticavel em seu país. Como começou e como manter esse fanatismo, além, claro, de algumas palavras sobre o H2H.

Eu pretendo postar a entrevista traduzida aqui no blog durante as Olimpíadas, assim como farei com a do Snipe Dangle, inclusive as feitas com os blogueiros da Noruega e da Rússia. Enquanto isso, entrem no post do Winging It, e confiram em inglês.

Mais uma rápida atualização do H2H, durante esta semana eu fui no consulado norte-americano e consegui a aprovação do visto. Agora só falta tê-lo em mãos e comprar a passagem.

Coração forte

Jogo legalzinho, boa vantagem, goleiro adversário sacado.. até aí maravilha.

Então chegam os 10 minutos finais, e os Wings cedem 2 gols em 1 minuto. Na prorrogação, 8 chutes do Wild contra 1 de Detroit.

Disputa de pênaltis, 8 rodadas, várias chances de fechar o jogo, ver Leino, Cleary e Eaves chutando antes do Filppula, um chute na trave de cada lado, ter que virar o placar, para finalmente ganhar com Drew Miller.

James Howard foi ótimo. O terceiro gol foi 10% culpa dele mas, se não fosse o garoto, o 2º período terminaria 6 a 1 para Minnesota. Jogo de muita pressão, contra um time muito bom em sua arena, e Howard parou 90% dos chutes, além de 4 dos 8 pênaltis. Não sei vocês, mas eu estou ficando tranquilo quanto à capacidade de James lidar com a pressão.

Neste exato momento ocupamos a 8ª posição no Oeste, embora Los Angeles deva nos passar daqui a pouco (está ganhando de Buffalo). Por enquanto, é bom estar nos playoffs.

Atualizando os jogos de ontem, os Kings ganharam mas os Flames perderam. Temos os mesmos 58 pontos do Calgary, e um jogo a menos, por isso passamos a noite em 8º. A distância para o décimo (5 pontos) é a mesma que para o quarto colocado.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Vocês viram isso?

"O atacante dos Red Wings Todd Bertuzzi está pronto para ficar por lá"

É o título da matéria assinada por Helene St. James e publicada hoje pelo Detroit Free Press.

Segundo ela, os Wings estão "muito interessados em manter Bertuzzi" e o atacante não fica atrás: "Eu amo jogar aqui. Eu adoro os caras. É o lugar onde eu quero ficar e me aposentar."

E tem mais: "Nós estamos muito felizes com ele," disse Ken Holland. "Quando nós assinamos com ele no verão, esperávamos que ele conseguisse de 40 a 50 pontos, e parece que ele vai conseguir isso. Ele está nos dando uma dimensão de tamanho e força... Ele marcou muitos gols importantes pra nós. Obviamente, nós gostaríamos de mantê-lo."

O contrato de Bertuzzi é de apenas uma temporada, logo ele será agente livre irrestrito em julho. Seu salário atual é de US$ 1,5 milhão, valor considerado baixo. Pode ser que os Wings ofereçam-no um contrato com maior duração para diminuir o valor do impacto no teto salarial.

E agora? Quando penso em Bertuzzi, não sei definir se o considero bom ou ruim, útil ou inútil, forte e grande ou gordo e pesado...

O fato é que, para quem atua 17 minutos por noite, na maior parte do tempo ao lado de Pavel Datsyuk (31,6%), Henrik Zetterberg (8,2%) ou dos dois (15,4%), 13 gols e 27 pontos, com -3, é pouco.

A projeção para 82 jogos é de 22 gols e 45 pontos.

Se ele acertasse um maldito breakaway!

Feliz Natal!

No dia 21 de Janeiro de 1987, na Joe Louis Arena, os Red Wings batiam os Islanders por 8 a 5.

A 1790 quilometros dali, em St. Andrews, Manitoba, Canadá, nascia aquele que viria a ser um dos Wings mais cultuados de sua geração, mais por sua energia do que por seus feitos.

Não que ele não tenha feitos. O gol num contra-ataque contra Anaheim, a desvantegem numérica que ele matou sozinho contra Chicago, o gol na prorrogação para fechar esta mesma série, a defesa espetacular contra Columbus, o gol a 17 segundos do fim contra Los Angeles, o fato de ter marcado 6 gols em pós-temporada antes de fazer um em temporada regular. E claro, ter marcado o primeiro gol em temporada regular no dia do meu aniversário.

Estou obviamente falando de Darren Helm. Darren Helm, #43, Deus, Taz, Helmer... Darren Helm. O atacante completa hoje 23 anos, nos quais já fez mais do que muito veterano por aí.

Aniversário de Helm. Helm é Deus. Feliz Natal.



------------------------

Como já dito aqui, James Howard volta às redes para a partida contra o Minnesota Wilds. Ville Leino continua no time, e Valtteri Filppula está confirmado, apesar de não ter treinado ontem, sentindo a virilha.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Bocão


Tem gente falando demais...

Com campanha de 7-7-4, e depois de mais uma derrota, Chris Osgood não conseguiu ficar quieto mais uma vez. Foi mais uma declaração controversa do goleiro que ainda se considera titular, mas não é.


31 de Dezembro de 2009

"Eu sei como fazer isso, não acho que tenha que provar nada. Eu sei como jogar, só tenho que jogar, é só isso. Não é questão de merecer uma oportunidade, tenho que entrar em alguns jogos para entrar no ritmo, e aí vou jogar o que sei.

Mas se você não joga, é impossível chegar neste ponto. Sou um goleiro, e venho jogando há 20 anos. O que eu digo [sobre ser goleiro] é um pouco mais próximo dos fatos do que o que Babcock diz"

Não é questão de merecer oportunidade? Calma lá, Osgood, Babcock trata todo mundo igual. Foi assim com Hasek sendo colocado no banco ao jogar mal, e é assim com você agora.

E nesta temporada não tem essa de "entrar no ritmo", um ou dois jogos vão fazer uma diferença enorme, não dá tempo de entrar em ritmo nenhum. E lembre-se que Howard entrou "no ritmo" bem mais rápido do que você. Por sinal, Babcock é o treinador, ele que manda, não importa o que você acha que sabe.

Ontem, antes do jogo, comentando o fato de Babcock o colocar para jogar contra o melhor ataque da Liga

"É, é uma grande coincidência. Ou não"

[sarcasmo] Não, Osgood, não é coincidência, Babcock colocou você no gol porque prefere te fazer passar vergonha do que ganhar um jogo"[/sarcasmo]

Ontem, depois do jogo, sobre os gols sofridos

"Eu não jogo faz um mês. Acho que se eu tivesse jogado um pouco mais eu teria parado os gols, se eu estivesse num ritmo"

Faz sentido. Não. A defesa foi (muito) mal nos gols, mas um goleiro, enferrujado ou não, tem que parar aqueles chutes. O goleiro existe justamente para quando a defesa falha. e de novo com essa porra história de ritmo?

Também ontem, depois de ser informado que Howard vai começar a próxima partida porque o time precisa dos pontos

"Eu ganhei muitos pontos [para o Babcock]. Eu o levei às Finais nos dois últimos anos, também.

No começo do ano Howie não jogou por um mês, agora eu não joguei por um mês. Para mim esse não é o jeito certo de fazer as coisas. Quando eu joguei, joguei bem"

Realmente Osgood, você "carregou" Babcock até as Finais. Foram 3 meses bons nos últimos 20, adianta de muita coisa? E de novo querendo ensinar seu treinador a comandar um time? Além disso, você não jogou bem porcaria nenhuma. Tem 89.6% de defesas na temporada, e um goleiro que não pára 1 a cada 10 chutes não tem lugar na NHL. Você deveria era estar agradecido.

Cala a boca, Osgood.

Mulher dos sonhos

Err... Kristen Bell.



Leia e entenda por que ela está aqui.

De "Ah, eu tô maluco!" para "Ainda bem que fui dormir"

O que eu vi:
Darren Helm foi mais rápido que Alexander Ovechkin.

Brad Stuart deu uma aula de como marcar o russo, que não pegou na bola.

Todd Bertuzzi se superou, perdendo um breakaway em vantagem numérica.

Dan Cleary fez o gol que Ovechkin não fez. Uau. Girou o corpo, caindo, e mandou pra rede, praticamente sem saber onde estava o goleiro. Um dos dez gols mais bonitos dos Red Wings na temporada.

Chris Osgood não foi tão exigido, mas fez defesas pontuais.

Jonathan Ericsson tem que voltar pra AHL. Eu patino mais rápido do que ele e se tivesse 2,10 m de 125 Kg, seria o melhor defensor da liga depois de Nicklas Lidstrom.

E os números mentiam. Até um quarto do terceiro período, os Red Wings humilhavam os Capitals nos chutes, mas aquilo definitivamente não refletia o jogo.

O que eu dormi:
Mordi a língua.

O que eu não vi:
Bertuzzi ampliou seu próprio recorde de penalidades estúpidas que geraram gols do adversário.

Stuart foi entortado por Nicklas Backstrom.

Osgood não pegou o chute cara-a-cara, nem aquele que desviou no meio do caminho.

Os números mentiram.

E os Red Wings fizeram de Jose Theodore, o pior goleiro da liga, como a estrela do jogo.

O que vocês viram?

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Wings vs Ovechkin

Detroit vai enfrentar os Capital na capital dos Estados Unidos. O ponto capital da partida serão as penalidades, pois Washington tem o melhor time de vantagem numérica da Liga, mas é o 6º pior com um homem a menos.

No gol dos Wings estará Chris Osgood, começando pela primeira vez em 13 jogos. Sua participação era previsível: James Howard precisa de um descanso e uma possível derrota de um Osgood enferrujado atrapalha menos contra um time do Leste.

O ataque conta com a volta de Ville Leino, o que não deve mudar porcaria nenhuma. O time vai com:

Tuzzi-Dats-Zetta
Cleary-Filppula-Miller
Draper-Helm-Eaves, os Red Corvettes
Leino-Abdelkader-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Meech-Stuart
Lebda-Ericsson (aaaah! contra Alex Ovechkin? aaaah!)

Em outras notícias, Niklas Kronwall patinou no treino de hoje e pareceu confiante ao sair do gelo. Depois de uma melhora perto Natal e uma recaída logo após, que só foi consertada com injeções de cortisona, Kronwall parece atravessar seu melhor momento na recuperação.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Duas derrotas no fim de semana

Ah, meu Deus, ferrou tudo, duas derrotas, a zona de classificação se distanciando, cada vez mais difícil...

Opa, calma aí, 50% de aproveitamento? Como assim? Que maravilha, a regra estúpida da NHL serve para alguma coisa. As derrotas no fim de semana não atrapalharam tanto assim.

Sábado, 2 a 2 a favor do Dallas Stars

Lembra do começo da temporada, quando os Wings abriam as pernas depois de abrir dois gols de vantagem? Ou lembra de sábado, quando aconteceu a mesma coisa... Num jogo em que alguém precisava brigar com Steve Ott, que queria matar Bartuzzi, Datsyuk ou Rafalski, Brad May ficou batendo papo no banco. Por sinal, como Detroit só teve uma vantagem numérica contra esse time de cavalos? Depois não querem que eu reclame de arbitragem.

Os gols de Detroit foram de Bertuzzi e Rafalski, outro defensor que quebrou uma sequência de 56 anos sem fazer um gol. Brad Richards e Loui Eriksson empataram para os Stars, que depois venceram na disputa de pênaltis. Num lance roubado e absurdo, mas venceram na disputa de pênaltis.

Domingo, 3 a 3 para os Blackhawks

Vocês cansaram de me ouvir reclamar, mas os dois times jogaram pela segunda vez em menos de 24 horas, com os Wings viajando uns 1900km. Tudo isso para encaixar na grade de programação da NBC, a rede de TV que não paga a NHL e que vive colcoando comerciais por cima dos jogos.

Apesar disso, foi um dos melhores jogos da temporada. Quem sabe não para os torcedores de Detroit, mas um ótimo jogo no geral. Os Hawks querendo mostrar que são para valer, e os Wings provando que não acabaram.

Dessa vez foi a vez dos Wings reverterem uma vantagem de 2 gols. Brouwer e Kane, o Taista, marcaram para Chicago, e Lidstrom diminuiu ainda no 1º período. Logo após o gol Brad May Patrick Eaves brigou com Kris Versteeeeeeeeg e o time acordou de vez. Essa é uma briga útil, não aquelas sessões de telecatch de May contra Barch.

Uma penalidade de Todd Bertuzzi, logo em seguida, acalmou o time do novo, mas o próximo gol também foi de Detroit. Zetterberg com passe de Datsyuk, jogo empatado. Se não fosse 2010, estaríamos bem colocados no jogo, mas neste ano é previsível que Lebda e Stuart comecem a dançar tango na frente do gol e deixem Patrick Sharp livre para marcar o terceiro dos Blackhawks. Brad May também estava no gelo nesta hora. O amontoado de carbono conseguiu a proeza de terminar a partida com -2 em só 4 minutos de tempo no gelo.

Baita terceiro período, jogo agitado com cara de playoff. Com poucas pausas, a NBC aproveita quaisquer 4 segundos livres para colcoar um comercial ou comentário estúpido no ar. Resultado, as únicas pessoas que viram o gol de empate ao vivo foram as que estavam na Joe Louis Arena. Patrick Eaves marca logo após o faceoff.

A prorrogação foi linda. Sim, esse adjetivo só deve ser usado para gols de Datsyuk, mas a prorrogação foi linda. 5 minutos de ação ininterrupta, chances criadas dos dois lados, boas defesas dos goleiros Howard e Niemi, bons lances desperdiçados por Datsyuk e Hossa. Também pudemos ver mais uma vez como a NBC é tonta, ao utilizarem uma câmera que fica num lugar que não oferece visão nenhuma do que está acontecendo, numa chance de Zetterberg.

Aí então fomos para a mais ridícula comepetição de habilidades do universo. Não que eu curta empates, mas esse jogo foi um daqueles que ninguém merecia perder, principalmente nos pênaltis. Para tentar evitar a queda de qualidade nessa decisão, Pavel Datsyuk fez um gol sensacional.

Todo goleiro tem medo do seu lance característico, puxando o disco para a direita com a parte de trás do stick, e Niemi foi bem em fechar aquele canto, mas Datsyuk foi melhor ao dar um toque de leve por baixo do puck, do lado esquerdo do goleiro, e colocar por cima de seu braço. Fantástico. Ainda tivemos Todd Bertuzzi fazendo seu gol num lance de sorte. Sinceramente, se ele errasse aquela voltinha, mereceria ser linchado.

Os Hawks também fizeram dois gols nas primeiras 3 chances, um deles de Marian Hossa. A disputa foi para as rodadas extras, e o 4º chutador dos Wings foi Dan Cleary. Nessa hora eu falei "acabou", afinal Cleary não sabe chutar. Ô, Babcock, põe Filppula, Eaves ou Helm.

Saldo do fim de semana, 2 derrotas interessantes, ganhando o ponto de consolação. Não é o ideal, mas é alguma coisa. E o que ficou de melhor, na verdade, foi a certeza de que esse time pode jogar de igual para igual com os atuais líderes da Divisão Central.

Post sem nome

Eu tentei ser legal com a NHL. Não que chamar de incompetente seja bom, mas é melhor do que chamar de tendencioso. Mas é difícil, eu tento ajudar e a Liga dá motivos para reclamação... Assim não dá.

Jogo das Estrelas 2009
A situação: Nicklas Lidstrom, Pavel Datsyuk e Sidney Crosby pediram licença do All-Star Game para tratar lesões
O resultado: Lidstrom e Datsyuk foram suspensos por uma partida. Crosby não
A desculpa: Crosby foi liberado da suspensão por ter ido até Montreal e assinado autógrafos

Semi-finais de Conferência, DET x ANA, jogo 3
A situação: Marian Hossa marca o gol de empate faltando 1 minuto para o fim do jogo
O resultado: gol anulado, já que o juiz Brad Watson não viu o disco, e apitou após o disco entrar no gol
A desculpa: o que vale é a "intenção de apitar", o que teria ocorrido antes do puck entrar

Semi-finais de Conferência, DET x ANA, jogo 6
A situação: Todd Marchand, Corey Perry e Scott Niedermayer pulam em cima de Datsyuk e Rafalski no minuto final do jogo. As regras dizem que qualquer um que começar uma briga nos 5 minutos finais pode ser suspenso entre 1 e 10 jogos
O resultado: nada acontece, os três estão de volta no jogo 7
A desculpa: nenhuma (?)

Finais de conferência, DET x CHI, jogo 3
A situação: Niklas Kronwall dá um lindo (e limpo) tranco em Martin Havlat
O resultado: Kronwall é expulso da partida por interferência. Evidências mostram que não foi nada
A desculpa: nenhuma (??)

Entre a final do Oeste e as finais da Stanley
A situação: Detroit fecha a série do Oeste em 5 jogos, com muitos jogadores machucados
O resultado: a NHL marca o jogo 1 da Copa Stanley para 2 dias depois da conclusão da série contra Chicago
A desculpa: estaria tudo planejado desta forma desde o ano anterior, embora aparentemente apenas Gary Bettman saiba disso

Finais da Copa Stanley, DET x PIT, jogo 2
A situação: Evgeni Malkin fica e tenta começar uma briga com Henrik Zetterberg a 20 segundo do fim do jogo. Ele leva uma penalidade por instigar briga, o que significa suspensão automática de um jogo
O resultado: a NHL não pune Malkin
A desculpa: nenhuma (???)

Finais da Copa Stanley, DET x PIT, jogo 5
A situação: os Penguins ficam por 20 segundo com 7 homens no gelo
O resultado: não mudou em nada, mas os juízes não penalizaram ninguém
A desculpa: nenhuma oficial, mas John Buccigross, da ESPN, disse que "ver um homem a mais no gelo é tão difícil quanto ver um carro a mais na NASCAR". Sim, porque jogadores de hóquei correm a 250km/h

22 de Outubro de 2009, DET x PHO
A situação: Petr Prucha empurra Chris Osgood para dentro do gol, a acidentalmente o puck entra junto. Lance igual ou pior do que muito gols anulados de Tomas Holmstrom
O resultado: gol dos Coyotes.

18 de Novembro de 2009, DET x DAL
A situação: Brad May chuta o disco que entra no cantinho
O resultado: o "juiz" Dennis LaRue diz que não foi gol
A desculpa (1): LaRue diz que apitou antes do disco entrar. Vídeos mostram que o apito soou 2 segundo depois do lance
A desculpa (2): Mike Murphy, vice-presidente na NHL, dá a explicação mais ridícula da história

16 de Janeiro de 2010, DET x DAL (1)
A situação: Kris Barch parecia um cachorro fazendo amor com a perna de James Howard no gol de empate
O resultado: nenhuma interferência a la Holmstrom foi marcada, gol dos Stars

16 de Janeiro de 2010, DET x DAL (2)
A situação: pênaltis, chute de Steve Ott, o juiz de trás do gol diz que o disco não entrou
O resultado: os juízes de linha, a 30 metros do lance, dizem que o disco entrou. Gol dos Stars
A desculpa: o lance foi revisto pelo pessoal do Centro de Operações em Toronto, e os replays não foram conclusivos. O que valeu foi a marcação dos caras do meio do gelo



Ridículo. Uma vergonha.

Chris McCosky, Detroit News:

Quando perguntei a Ken Holland se ele teria algum comentário sobre o gol dos Stars no Sábado, ele educadamente disse que não.

Mas, entre o primeiro e o segundo período no Domingo, Holland pressionou um representante da NHL na Joe Louis Arena, e deixou bem claro o que sentia. Foi um sermão agitado, cara-a-cara, uma discussão de uma só voz. Holland falava, a NHL ouvia"
Fala Kenny, já está mais do que na hora.

*tenho certeza que esqueci ou troquei alguma coisa

Que luz é essa?

Apreensivos? Sem dúvida.Ainda tentando entender como Mike Leggo desafia a lógica e enxerga o inexistente? Não está só.

Pelo menos hoje, não vos amargureis:



Após a grande partida desse domingo os capangas zebrados de Bettman perceberam que sem os Red Wings essa liga é uma piada?

Em breve ampliaremos - digo, Calciolari ampliará!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Herm para Hockeytown

Seu nome é Guilherme Calciolari e esta é a sua história.
A campanha Herm to Hockeytown ganhou as páginas de TheSlot.com.br. Na edição desta semana, a explicação de como o nosso companheiro de blog vai deixar São Bernardo do Campo rumo a Detroit no fim de março, para assistir, de graça e rodeado de blogueiros, a um jogo do Detroit Red Wings na Joe Louis Arena.

Leia lá, comente aqui.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Calendário estúpido

Em primeiro lugar, não quero bancar o paranóico com outra conspiração contra Detroit. Todos os times sofrem com isso, a burrice da NHL foi igual com todo mundo.

Mas a Liga não sabe armar calendário. Não importa se as Olimpíadas comeram metade do mês de Fevereiro, a NHL armou algumas que não dá para aguentar.

Vejam a representação gráfica das partidas e viagens dos Red Wings entre 28/dez e 27/jan:

ImageHost.org
É muito jogo e muita viagem. Como explicar, por exemplo, sair direto da California para Long Island? Por que não nos colocaram contra os Islanders na viagem que fizemos para a Costa Leste, quando enfrentamos os Devils e os Rangers no fim de semana?

Por que esta sequência estranha entre Washington, Detroit e Minnesota? E vocês já devem saber, a Liga antecipou o jogo deste domingo, contra Chicago, das 15h para meio-dia, para poder nos encaixar na grade da NBC. Isso nos deixa com menos de 24 horas para viajar 1900km entre Dallas e Detroit. Chicago também foi prejudicado, pois também joga no sábado à tarde (ainda que Columbus seja um pouco mais perto).

Essa reclamação não tem nenhum propósito além de reclamar. Não estou culpando calendário pelos resultados toscos dessa temporada, apenas mostrando como a Liga não sabe organizar o mais básico de um campeonato.

Não foi uma Brastemp

Não foi um jogo, digamos, emocionante, nem bonito, assim como não são quase todos os jogos do Detroit Red Wings.

Em uma década acompanhando o time, dá pra contar nos dedos das mãos as partidas realmente de tirar o fôlego disputadas em temporada regular.

Isso é fruto do estilo de jogo do Detroit, ainda que, atualmente, com tantos desfalques e um time repleto de jogadores, no máximo, esforçados, mas que não têm "tamanho" para jogar nos Red Wings, a equipe se permita sofrer 38 chutes do pior time da liga.

Jimmy Howard fez boas defesas, mas nenhuma que merecesse aplausos. Ele foi seguro, ponto, apesar de vacilar naquele que é o seu maior defeito: os rebotes. Howard permite muitos rebotes e, em boa parte das vezes, sem controlar a direção do disco. O gol do Carolina nasceu de um rebote grotesco.

O jogo só ficou complicado, no 2-1, porque os Red Wings desperdiçaram dezenas de oportunidades claras de gol ao longo da partida. Todd Bertuzzi, por exemplo, jogou fora três contra-ataques (contraataques?). Valtteri Filppula, Kris Draper e mais um ou outro jogador estiveram frente a frente com Cam Ward e perderam as chances.

Felizmente, Nicklas Lidstrom encerrou a seca de 42 jogos sem marcar gol, anotando o seu segundo tento na temporada. Típico gol do sueco, soltando uma bomba da linha azul. Sem Tomas Holmstrom para roubar seu gol, o disco foi direto para a rede.

Boa partida de Drew Miller — e ele é um desses jogadores aos quais eu me refiro no terceiro parágrafo. Estava à frente da rede quando Lidstrom marcou e estava lá novamente para marcar o seu próprio gol.

Jonathan Ericsson retornou ao gelo, ainda que sem tempo de jogo. Jogou menos minutos do que de costume e não matou penalidades. Os Wings não precisaram dele.

Também não precisaram de Pavel Datsyuk e Henrik Zetterberg, aqueles que deveriam liderar o time e, no entanto, aparecem cada vez menos.

Dois pontos a mais na tabela. Pelas minhas contas, o Detroit precisa de 20-15-1 para chegar aos 95 pontos. Deve ser o suficiente para se classificar aos playoffs.

Novo filme: "Agora Vai, parte 16"

37 defesas de James Howard, 2 gols em vantagem numérica, gol de Nicklas Lidstrom depois de 43 jogos... Não me animo, mas fico feliz com essa vitória.

Vitória em casa, 3 a 1 em cima dos Hurricanes.

E Helm é Deus.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Dia de jogar sério

Quer uma estatística estranha?

Wings contra times que estariam classificados para os playoffs:
25 jogos, 16 vitórias, 6 derrotas, 3 derrotas na prorrogação. 70% de aproveitamento

Wings contra times que não estariam classificados:
17 jogos, 5 vitórias, 10 derrotas, 2 derrotas na prorrogação. 41% de aproveitamento

O jogo de hoje é contra o pior da Liga em quase tudo. As posições do Carolina Hurricanes nas estatísticas: 30º em pontos, 29º em gols por jogo e em gols sofridos por jogo, 28º em power-play e 24º em desvantagem numérica. Juntando tudo isso, vamos perder por 19 a 2.

Nosso titular será James Howard. Isso basicamente garante que Osgood começa no sábado contra os Stars, e Howard de volta no domingo frente aos Blackhawks.

Na defesa teremos a volta de Jonathan Sony Ericsson, fora de circulação por um mês depois de machucar o joelho. Por falar em joelho de defensor, mais um especialista analisou a situação de Niklas Kronwall, e também não sabe o que tem de errado em seu joelho.

Doug Janik foi reenviado para Grand Rapids.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Long Island nunca mais

Ano passado foi 2-0 na Joe Louis. Este ano (ainda estamos no segundo intervalo) está 4-0. Duas derrotas absurdas. Hoje, até agora, 9 chutes a gol.

Ville Leino não aproveita sua chance, Howard não teve culpa nos 3 primeiros gols, nem Osgood no 4º, e Brad Stuart acha que estamos no Jogo 7 das Finais.

Em notícias úteis (sim, durante o jogo. já mencionei que está 4 a 0 pros fucking Islanders?):

-Niklas Kronwall (fez um ultrassom/foi ultrassionado/qual a palavra?) realizou um exame hoje. nada foi encontrado. Ele vai tomar alguns remédios e ver no que dá.

-Ken Holland declarou que Johan Franzén vai jogar no dia 1º de Março, a primeira partida depois das Olimpíadas. Ele também disse que não há motivos apra apressar sua volta para antes do torneio internacional.

-Jonathan Ericsson volta esta semana, seja contra Carolina, Dallas ou Chicago.

-Jason Williams deve estar de volta em 2 semanas.

Atualização do Herm 2 Hockeytown:

Eu vou sentar no banco de penalidades durante o aquecimento das equipes no dia 26 de março.

Leino: última chance?

Hoje Ville Leino volta ao time, no lugar de Brad May. No fim do mês teremos o retorno de Tomas Holmstrom, e Franzén disse poder voltar até mesmo antes das Olimpíadas. Jason Williams é o machucado que ninguém se lembra, e qualquer hora ele também volta.

Quando todo mundo voltar teremos 15 atacantes, no mínimo um acima do desejável. A partir de agora, esses caras estão brigando para não serem rebaixados para Grand Rapids: Leino, May, Abdelkader, Helm, Miller, Eaves e Maltby

A solução óbvia é descer Justin Abdelkader, que pode ir para a AHL sem passar pela desistência, mas hoje o central é importante para o time. Será que ele vai? Darren Helm está na lista pelo mesmo motivo, mas ninguém em sã consiência acha que ele iria embora do time. Patrick Eaves parece ter garantido seu lugar no elenco principal, e diria o mesmo de Drew Miller.

Dos restantes, Maltby não desce por razões sentimentais, deixando a confusão para Yaba, Leino e Brad May. Um jogador importante na equipe mas sem complicações logísticas, um habilidoso e preguiçoso, um lutador que sabe patinar um pouco. E aí, quem fica?

Para o jogo hoje, em Long Island:

Zetta-Dats-Tuzzi
Cleary-Flip-Miller
Drapes-Helm é Deus-Eaves
Leino-Yaba-Malts

A defesa é a dos últimos jogos, o goleiro também.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Tortura psicológica


Chris Osgood poderia estar acorrentado num banheiro neste momento, precisando cortar a perna para sobreviver, e ainda estaria mais feliz.

É o ciclo maldito em que Osgood se colocou: jogou mal, Howard entrou bem em seu lugar, Osgood tem poucas chances, quando tem vai mal, aí volta Howard, e Howard continua, e Howard continua, e Howard cont...(em algum momento Osgood vai voltar, mas ninguém sabe quando)...inua, e Howard continua, e Osgood volta e joga mal.

Tortura, pressão psicológica, guerra contra o tempo, James é mesmo melhor que Ozzie? Só quem pode dizer é Babcock, que parece estar querendo forçar Osgood a jogar bem, deixando ele com uma raiva desgraçada. Eu gosto do Ozzie, o cara já fez muito pela franquia, mas esse ano não estamos em condições de "brincar de entrar no ritmo".

Por isso mesmo, James/Jimmy/Jimmah!/Jim/Jonas(?) Howard vai começar a partida de amanhã contra o Long Island Islanders. Vai ser a 9ª partida consecutiva do garoto, sendo que nas últimas 8 ele tem campanha de 5-2-1, 94.9% de defesas e 1.75 gols cedidos por jogo.

A situação para as próximas partidas fica interessante. Nos próximos 12 dias serão 7 jogos, incluindo dois dias seguidos contra Dallas (fora) e Chicago (casa) (sim, vamos viajar 1960km em menos de 24 horas. Valeu, Buttman). Em algum momento James vai ter de descansar, a pergunta é quando. Osgood tem que jogar no mínimo duas vezes para desenferrujar, mas uma folga desta pode esfriar Howard e complicar a sequência do atual titular.

Babcock, se vira.

Em outras notícias:

-não se empolguem muito com Niklas Kronwall. Ken Holland disse que ele pode ter forçado o joelho além da conta, e não há mais previsão para seu retorno. Amanhã ele fará um ultrassom para obter mais detalhes

-Jonathan Ericsson pode estar de volta na quinta-feira, na partida contra Carolina

-Tomas Holmstrom projeta sua volta para o dia 26 ou 27 deste mês

-Johan Franzén disse estar melhorando rápido, podendo fazer curvas e parar, mas não correr a toda velocidade, estando provavelmente em 60% de sua capacidade. Ele comenta que pode estar de volta até mesmo antes das Olimpíadas, que começam dia 15 de Fevereiro (por favor, Franzén, não força a barra)

-por falar em Olimpíadas, Brian "Muito Caro" Rafalski foi escolhido como um dos capitães alternados da seleção norte-americana.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Boletim do trimestre

Autor: Fábio Monteiro

Companheiros da causa redwinguiana (?), é um prazer estar falando para convosco uma vez mais. Sem mais delongas, vamos ao que interessa.

O Detroit Free Press publicou este artigo, dando notas aos nossos jogadores, de acordo com o que fizeram nessa primeira metade da temporada. Além do desempenho no gelo, um critério importante das avaliações foi quanto o jogador está custando para o time. Jogadores baratos que estão rendendo bem tiveram notas boas, enquanto altos salários com fraco desempenho contaram negativamente. A maioria teve notas boas, motivadas pelo alto número de contusões.

Com base nisso, o Red Wings Brasil também dará os seus pitacos, seguindo essa mesma lógica. Daremos notas de 0 a 10 – diferente do padrão americano de notas de A até F-, que pode ser a mesma avaliação dada pelo Freep. Ou não. É uma discussão pontual.


ATACANTES:

Justin Abdelkader: 8
Os planos para a temporada eram deixar os meninos evoluindo no Grand Rapids, como fizemos com Jimmy Howard por anos a fio. Contudo, o alto número de contusões que assolam os Red Wings fez com que a molecada fosse chamada. Tem agradado a comissão técnica, principalmente pela energia natural de um garoto de 22 (quase 23) anos.

Todd Bertuzzi: 9
Dar nota 9 é quase um absurdo para o conhecido anticristo. Mas, além de ter sido O ÚNICO atacante a marcar em mais de 200 minutos de ação, Bertuzzi tem jogado até razoavelmente nos aspectos defensivos. E custa “só” US$1,5 milhão.

Daniel Cleary: 7
Desde que voltou, Cleary tem mostrado que está disposto a jogar como nas temporadas anteriores, embora seu começo foi bem aquém do que sabemos que ele pode. Marcou 16 pontos e tinha um +- de -8 antes de quebrar o ombro.

Pavel Datsyuk: 7
Apesar do “A” na camisa, Datsyuk não é bem o que podemos chamar de líder. Ficou perdido por boa parte da temporada e parece só ter se achado quando voltou a jogar ao lado de Henrik Zetteberg. Nota baixa nem tanto pela incapacidade técnica – que sabemos que não é o caso – mas por não fazer jus ao seu salário, que está lá pelos US$ 6,7 milhões.

Kris Draper: 8,5
Quem viu a temporada passada sabe o tanto que desejamos aqui a aposentadoria de Draper e Maltby. Lentos, velhos e inúteis, dizíamos. Pois bem, quem imaginaria que esses quase quarentões voltariam a ser úteis ao Red Wings? Draper, além de ter voltado a matar penalidades, Draper tem sido um puta mentor para Darren Helm.

Patrick Eaves: 8
Ao lado de Draper e Helm, Eaves tem ajudado na melhor linha defensiva do time. A química deles é impressionante. Chegou como agente livre-irrestrito, custando US$500 mil. E no auge dos seus 25 anos, ele é muito mais do propósito para o qual veio.

Valtteri Filppula: 8
Teve um começo de temporada muito intenso, daí quebrou o pulso. Voltou recentemente e marcou um gol e quatro assistências nos últimos cinco jogos. Coincidentemente (ou não), desde que voltou o ataque do time saiu da inércia que o assolou no mês de dezembro.

Darren Helm: 9
Primeira nota que discordo do free.com. Afinal, se Bertuzzi ganhou 9, por quê não Helm? Só porque ele não é jogador de primeira linha atualmente? Helm tem sido aquele fôlego de esperança do time nas horas difíceis, aquele garoto que enche os olhos dos espectadores. Não fosse Jimmy Howard, seria o melhor novato do time.

Tomas Holmstrom: 9
Homer decidiu superar o barril de gatorade, que disputava acirradamente a vaga com ele na temporada passada, para voltar a ser uma pedra no patins dos adversários. Não só Homer voltou a marcar gols na sua especialidade (desviando pucks na frente dos goleiros), mas agora marca gols de jogadas mais trabalhadas. Está no ritmo de marcar 30 gols na temporada, ótimo para quem está com quase 37 anos. Não merece o 10 que o freep deu, mas é importante para o time.

Ville Leino: 5
Mais desprestigiado que um torcedor do Colorado Avalanche, Leino não é uma migalha do que foi na temporada passada. Deu declarações falando que não sabe jogar duro nas linhas de baixo. Oras, quer chegar sentando na janela? Talvez tenha sido um erro colocá-lo nos playoffs do ano passado, sentindo o máximo de adrenalina logo no começo. Seja como for, já se especulam negociações envolvendo o nome de Leino, o que não deveria ser feito, na minha humilde opinião.

Kirk Maltby: 7
Outro que está renascido, se comparado com a temporada passada. Mesmo que seja para a quarta linha, é a experiência em matar penalidades e os conselhos passados para a molecada que mostram a importância de Maltby no time.

Brad May: 7
Veio para ser o porradeiro do time, e tem cumprido bem essa função. Pagamos só US$500 mil e para ele só falta a estrela de xerife e o bigodão de Charles Bronson. Tem um -2 e uma assistência. Mas não temos ele no gelo pra isso.

Drew Miller: 6
Podemos considerar ele um garoto, já que tem 25 anos? Não sei. Ele tenta se fixar como jogador de segunda linha, mas quando teve a chance não fez lá grandes coisas. De qualquer forma, tem quatro gols, quatro assistências e um +6. É alguma coisa, já que tava na desistência e só pagamos US$525 mil.

Jason Williams: 6
Nem temos muito o que falar de Williams. Quebrou a perna em 7 de novembro, quando tinha dois gols e sete pontos em quinze jogos. Veio para ser o substituto de Mikael Samuelsson, mas não convenceu muito.

Henrik Zetterberg: 9,5
Era (e ainda é, arrisco) o cara do time até contundir o ombro. Tinha 10 gols e 32 pontos. Voltou na partida contra o Kings, não marcou ainda, mas é o segundo do time em pontos. Sinceramente, acho que se não fosse Zetterberg, não estaríamos nem perto do G8. Não chega a ser um candidato ao Hart, mas é essencial para esse time.


DEFENSORES:

Jonathan Ericsson: 6
Grandalhão que sabe patinar e tem talento. Mas ainda tem que aprimorar seu jogo, principalmente saber usar o corpo todo que tem. Tinha -7 em 31 jogos antes de ir visitar os médicos.

Doug Janik: 7
Veio para recompor o time depois de uma gripe que pegou boa parte da defesa do time. Como Kronwall estava lesionado, acabou agradando ao tio Mike, principalmente pela sua capacidade em matar penalidades.

Brett Lebda: 5,5
Ele me faz ter saudades do Lilja.

Nicklas Lidstrom: 9
Jovens, o Lidstrom é humano. Prova disso que ele não é o melhor defensor da liga nessa temporada. Depois de ter ganhado quase todos dos anos 00, nosso capitão não faz a melhor das temporadas. Dizem que a idade influencia, mas eu acho que ninguém é capaz de jogar sozinho, e se até Lidstrom está tendo dificuldades para encontrar seu melhor jogo, imagine os outros pobres mortais.

Niklas Kronwall: 9,5
Não vou dar 10 para ninguém, porque o time não está sequer no G8. Mas se tem alguém que merecia, esse alguém é Kronwall. Era o melhor defensor no gelo antes de se tornar outra vítima dessa bruxa desgraçada que circula a Joe Louis Arena. Se Kronwall voltar da mesma maneira que começou a temporada, podemos vislumbrar um futuro melhor nessa temporada.

Derek Meech: 7,5
Outro que ainda está cru para a NHL. Mas como não temos opção, ele tem quebrado o galho, quando não nos mata do coração querendo sair jogando errado.

Brian Rafalski: 7,5
Desde que ficou de fora de uns dois jogos em dezembro, a produtividade dele caiu drasticamente. Rafalski até tem ajudado no ataque, mas tem cedido vários turnovers. Precisa melhorar para valer o salário.

Brad Stuart: 9
É o defensor sólido do time na temporada. Tem sido útil tanto lá na frente quanto atrás. Quando atua ao lado de Lidstrom, é a melhor dupla do time. O problema é que precisamos de três assim.


GOLEIROS:

Jimmy Howard: 9,5
É um sério candidato ao Calder, troféu destinado ao melhor novato da temporada. Depois das 51 defesas no jogo contra os Kings, calou aqueles que o criticaram por inconsistência. Ainda há muita especulação por ser muito novo e se seria confiável para os playoffs. Na minha humilde opinião, Howard está num momento muito melhor que nosso outro goleiro e está roubando jogos.

Chris Osgood: 7
Já conhecemos Ozzie de outras temporadas. Sabemos do potencial e somos gratos por tudo que ele fez. Muitos acham que ele é goleiro para o Hall da Fama e de camisa aposentada (e isso já foi discutido aqui). Mas essa temporada ele não fez muita coisa. Saiu na imprensa semana passada que ele está infeliz com a reserva, mas só há uma forma dele voltar a ser titular: Roubar jogos, como em 2008. Nas poucas chances que teve, Osgood não aproveitou. Paciência.

Comissão técnica: 8
O Freep dá nota 10, mas temos Brad McCrimmon e ele é, no mínimo, contestável. Mike Babcock é um excelente treinador e o resto dos assistentes consegue fazer o time manter um bom nível de hóquei, mesmo com tantas baixas no elenco.

Johan Franzen e Andreas Lilja não estão em condições de serem avaliados.

E você? Que nota dá para o time?

Por: Fábio Monteiro

Será que agora vai?

Helm é Deus.

Pronto, agora que já fiz a tradicional menção ao ser metafísico, vamos falar do jogo de ontem. Wings 4-1 Sharks.

Na partida seguinte à melhor atuação de sua carreira, James Howard anulou o terceiro melhor ataque a Liga, cedendo apenas um gol em 32 chutes. Mais do que isso, Howard passou ao time uma "aura de invencibilidade" para que os jogadores de linha não se desesperassem no 3º período, quando os chutes foram 13-5 para San Jose.

A boa notícia é que Pavel Datsyuk jogou 70% do que sabe, o que estranhamente é um avanço em relação às últimas semanas. Patrick Eaves e Dan Cleary também marcaram, sendo o gol de Cleary o segundo em dois jogos após voltar de contusão.

E Darren Helm... 5º gol em 5 jogos, ainda teve uma assistência. Não sei se já falei, mas Helm é Deus.

A viagem à costa oeste terminou, e foi muito boa. 3 vitórias e uma derrota. A próxima partida é contra os Islanders, em Nova Iorque. Tabela ridícula, mas o comissário é ridículo, então...

sábado, 9 de janeiro de 2010

Notas de Sábado

Helm é Deus. Não, ele não fez nada ontem, mas eu gosto de falar. Helm é Deus. O gol dele quinta-feira foi uma coisa absurda. Como uma pessoa consegue segurar o disco por tanto tanto, depois de apanhar, cair no chão, e fazer aquele gol, faltando 17 segundos? Helm é Deus.

Tio Mike, sobre Darren Helm:

"Demorou um pouco para ele perceber do que é capaz. Ele tem sido excelente para matar penalidades. É bom nos faceoffs. É um competidor, traz energia todas as noites, e ele ama hóquei. Para mim, isso é contagioso e faz seu time melhor"
Senhoras e senhores, daqui a alguns anos, ele terá um A na camisa. Helm é conhecido no elenco como Danger Helm, e Draper e Maltby o chamam de Debi (Abdelkader é Lóide). Na internet é chamado de Lord Helmet ou Demônio da Tazmania. Aqui, Helm é Deus.

------------------

O último jogador de Detroit a ganhar o prêmio de melhor calouro, o Troféu Calder, foi o goleiro Roger Crozier, em 1966. 44 anos depois temos um candidato legítimo, o também goleiro James Howard.

A NHL restrige as indicações para o Calder para jogadores de até 26 anos. Howard tem 25, seis deles ligados ao Red Wings. O time o recrutou em 2003, na segunda rodada. De lá para cá, passou mais dois anos na Universidade do maine, e nas últimas quatro temporadas foi parte do Grand Rapids Griffins. Sempre contestado por sua inconsistência e insegurança, Howard parece ter finalmente encontrado seu lugar, no nível mais alto, a NHL.

Depois de um começo não muito bom, Howard está melhorando com o tempo. Em seus melhores jogos, conseguiu ganhar uma batalha contra Roberto Luongo, seu primeiro shutout na Liga e um vitória depois de defender 51 de 52 chutes. Veja seus números a cada mês:

ImageHost.org

E, além de tudo, James é humilde. Depois de conseguir seu 1º shutout, na vitória por 3 a 0 sober o Tampa Bay Lightning, Howard não quis guardar o disco utilizado no jogo. Preferiu dá-lo para Mike Babcock, que na mesma partida conseguiu sua 300ª vitória na carreira. Também foi assim na incrível vitória de quinta-feira, quando preferiu agradecer Darren Helm por acabar com o jogo no tempo normal.

Ninguém na organização fala sobre goleiros titulares ou reservas. Segundo o Gerente-Geral Ken Holland, Detroit sempre foi um time de dois goleiros. mas os sinais da efetivação são claros. Neste sábado ele será titular novamente, a 24ª vez nas últimas 30 partidas. Além disso, Holland afirma que seria bom colocar Howard na posição de goleiro número 1, com Osgood sendo o 1A.

------------------

A lesão de Tomas Holmstrom foi esclarecida. Quem chutou o disco em seu pé foi Brett Lebda, e uma micro-fratura vai o afastar entre duas e três semanas.

Nos últimos dias tivemos Andreas Lilja, Jonathan Ericsson, Johan Franzén e Jason Williams patinando com o restante do elenco. O mais próximo da volta parece ser Ericsson, entre 7 e 10 dias.

------------------


Jogo hoje, em San Jose, à 1 e meia da manhã em Brasília. O time vai com:

Zetterberg-Datsyuk-Bertuzzi
Miller-Filppula-Cleary
Draper-Helm-Eaves
May-Abdelkader-Maltby

Lidstrom-Rafalski
Meech-Stuart
Lebda-Janik

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Novo comercial do Herm to Hockeytwon

O H2H não para. O pessoal do Triple Deke produziu mais um comercial, contando como foi a experiência deles com Quang, o dono do blog Red Wings Vietnã.



Fantástico.

Helm é Deus. Howard é phoda

Wings 2-1 Kings.

Darren Helm com 4 gols nos últimos 4 jogos.

James motherfucking Howard: 51 defesas em 52 chutes. Resumindo? Provavelmente o melhor jogo de um goleiro Red Wings desde Terry Sawchuk.


bônus track (?) [por Humberto]:
Todos nós sempre desconfiamos de Howard. Alguns até acreditavam nele, por tudo aquilo que viram e ouviram dos seus tempos em Grand Rapids, e por confiarem nos instintos de Ken Holland e sua trupe.

Todos nós ainda desconfiamos de Howard, principalmente porque ele mal subira no ônibus. É sua primeira vez e há um cara com quase 400 vitórias na carreira, três Copas Stanley e o título simbólico de melhor goleiro dos dois últimos playoffs sentado no seu banco de reservas.

Mas se para ser um grande goleiro na NHL é preciso ter uma noite lendária, Howard está a caminho. O jogo de ontem, ou melhor, as 51 defesas de ontem no jogo em que ele roubou para os Red Wings, entraram para a história.

Os 92,7% de defesas na temporada significam muito mais do que eu esperaria de um goleiro — de qualquer goleiro. Neste ritmo, Howard vai merecer considerações para o Troféu Calder, concedido ao novato do ano.

Talvez ele nunca se torne um grande goleiro e esta temporada seja apenas um devaneio, uma grande fantasia vermelha e branca com número 35.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Corrigindo, Deus não existe

Ah, mas que ano horroroso, vai se f%$#der, porra

Tomas Holmstrom quebrou o pé, vai ficar de fora entre 3 e 4 semanas.

E o maldito se machuca no treino, bloqueando desviando chutes. Que merda é essa? Os treinadores não sabem que nesse ano fazer isso é dar muita sopa pro azar???

Até Setembro, pessoal.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Helm Deus existe!

Depois do jogo horrível que (dizem que) aconteceu ontem, nada melhor do que boas notícias:

Amanhã, contra os Kings, estarão de volta ao time os atacantes Henrik Zetterberg e Dan Cleary. Os dois deslocaram o ombro em Dezembro, Hank dia 17 e Cleary dia 9. O time finalmente vai ter duas linhas capazes de marcar gols, em vez de uma responsável pelo ataque e as outras só marcando.

O time treinou assim (ainda em Anaheim):

Zetterberg-Datsyuk-Holmstrom (o Circo Voador)
Bertuzzi-Filppula-Cleary
Draper-Helm-Eaves (os Corvettes Vermelhos)
Miller-Abdelkader-Maltby

Brad May e Ville Leino ficarão de fora, e Mattias Ritola já foi enviado para Grand Rapids.

No gol estará... tã-tã-tããã... James Howard! Apesar de uma atuação apenas regular no jogo (que não aconteceu) ontem, Howard vai começar a partida no gol. Alguma dúvida que ele é o titular?

Fingindo que não teve jogo ontem

Ontem os Wings perderam por 4 a 1 dos (Mighty Ducks). O time foi ridículo e Todd Bertuzzi deu um gol shorthanded de garaça para os Patos. Rafalski também foi horroroso.

Ontem aconteceu a final do Mundial de Hóquei Sub-20. Num jogaço, os Estados Unidos ganharam do Canadá por 6 a 5, na prorrogação, e garantiram seu segundo título na história. O Canadá vinha de 5 conquistas consecutivas.

Mike Babcock escalou Brad May no lugar de Ville Leino. Achei uma boa idéia ter um brigador no time contra os imbecis dos (S)Ducks, mas o fato de Leino ficar de fora mostra o quanto ele está em baixa com Babcock. Apesar disso, o ataque está mal e Leino tem alguma noção do que fazer com o disco. Por sinal, Mattias Ritola está me impressionando.

No elenco dos Estados Unidos estava o nosso prospecto Brian Lashoff. Tomas Tatar jogou pela Eslováquia.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Herm to Hockeytown

(Levando Guilherme para Hockeytown - sem fronteiras)

Já falei sobre o projeto Herm to Hockeytown. É este projeto que vai me levar para Detroit no dia 26 de Março de 2010. Estou falando de novo porque tenho novidades.

Para começar, o H2H não é mais uma mobilização do Abel to Yzerman. O projeto se tornou uma entidade autônoma, com contas próprias no Facebook, twitter e, em breve, um site exclusivo. Já tivemos comentários na mídia, na rádio XM e no jornal da cidade de Flint.

A primeira meta das doações, a parte que vai custear a viagem, já foi alcançada. A partir de agora, tudo que entrar na conta do H2H será doado para o Hospital Infantil de Michigan. As doações foram impressionantes. O primeiro milhar de dólares foi juntado em 30 horas. O dinheiro veio do país inteiro - principalmente Michigan, mas também da California, Nova York, Colorado, Novo México, Wisconsin e tudo quanto é estado, além de Inglaterra, Eslováquia, Rússia e Espanha. Incrível.

Eu não vou sozinho para Detroit. Cerca de 50 pessoas de todo os Estados Unidos vão se juntar na cidade, entre blogueiros, leitores e familiares. O jogo é numa sexta-feira à noite, e antes da partida todos vão ao Hockeytown Café, o bar próximo à Joe Louis Arena que é considerado o melhor bar de esportes de Detroit.

Mas tem alguns bons detalhes. Não sei se vocês visitam blogs estrangeiros, mas pelo menos um site vocês precisam conhecer: The Obstructed View. TOV é o podcast "não-oficial" oficial de todos os blogs do time. A cada semana três blogueiros se reúnem para conversar com Chris Chollis, do Motown Wings, e as conversas são ótimas. Quem entende inglês (aviso: várias piadas de duplo sentido) tem que ouvir.

O que isso tem a ver com o H2H? Os podcasts normalmente são gravados no domingo ou segunda, mas a sexta feira do H2H será especial: o programa será ao vivo, direto do Hockeytown Café, e quase todo mundo que participar do projeto vai poder dizer algumas palaras, inclusive eu.

Mas isso não é tudo. Conforme divulgado hoje no Abel to Yzerman, Ken Daniels, o locutor da Fox Sports Detroit, quer entrevistar o estrangeiro que vai estar lá vendo o jogo: eu, correspondente oficial do Red Wings Brasil, no intervalo. Assistam, gravem, dêem risada do meu inglês bizarro e sorriam quando eu mandar um "alô" em português.

Isso é sensacional. Nunca vi nada parecido na internet, com nenhum esporte e em nenhum lugar. A torcida dos Wings é maravilhosa, em Detroit ou no Brasil.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Tem gente voltando

Pouco a pouco o melhor time da Liga vai se remontando.

Nos últimos dias Niklas Kronwall falou sobre suas possibilidades de retorno, após se recuperar de uma lesão no joelho. O defensor disse que pode jogar no dia 9 (contra San Jose) ou dia 12 (contra Long Island).

Hoje treinaram os atacantes Henrik Zetterberg e Dan Cleary, os dois voltando de lesões no ombro. É possível, embora improvável, que eles voltem ao time nesta terça-feira em Anaheim. A previsão mais confiável seria para o jogo de quinta-feira, em Los Angeles.

E Mike Babcock confundiu todo mundo mais uma vez, falando sobre o retorno dos atacantes:

"Antes da viagem, era durante a viagem, e depois ia ser na terça. E que dia é amanhã, terça? Quando eu ficar frente a frente com eles, vou saber. Enquanto isso, o resto de nós devemos nos preparar para estarmos prontos."
Basicamente o comandante não falou nada, certo? Devemos nos preparar para estarmos preparados não vale muito, Zetterberg pode tanto voltar a jogar amanhã quanto em Fevereiro... Sei lá, qualquer dia o Tio Mike vai deixar a gente maluco.

Na metade

Alcançamos a marca de 41 jogos na temporada, exatamente 50% das partidas. Como o número facilita projeções, é hora de mostrar alguns números desta temporada.

  • temporada passada, com 41 jogos, Detroit tinha 63 pontos e era o do Oeste. Este ano são 48 pontos, o suficiente para a posição
  • se essa campanha ocorresse na conferência Leste, Detroit ocuparia a colocação
  • o 8º lugar da temporada passada teve 91 pontos. Neste ano a projeção é de 100 pontos
  • os Wings estão num ritmo para anotar 96
  • até o meio da temporada passada, os Wings anotaram 3.73 gols por jogo. Hoje marcamos 2.63
  • Pavel Datsyuk, 97 pontos no ano passado, está a caminho de marcar 65. Seria seu pior total desde 2004
  • Henrik Zetterberg, que acerta 12.34% dos chutes na carreira, está numa temporada de 7.63%, sua pior marca como profissional
  • Tomas Holmstrom participou de todos os jogos da temporada até agora. A única temporada que isso aconteceu foi a de 1998-99. Sua média projeta 30 gols no ano, o que empataria seu recorde de 2006-07
  • Nicklas Lidstrom nunca marcou menos de 7 gols em uma temporada. Até agora tem 1 em 41 jogos.
  • Chris Osgood ganhou 59% de seus jogos ano passado (3.09 GAA, 88.7%), mas só 38% este ano (2.72 GAA, 90.1%)
  • Ville Leino passou de 9 pontos em 13 jogos para 7 pontos em 37 jogos
  • Darren Helm, #43, é Deus
Só espero que a segunda metade seja diferente da primeira. Tem que ser diferente da primeira.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Você sabia que...

... na "década" entre 1.º de janeiro de 2000 e 31 de dezembro de 2009, os Red Wings registraram a campanha de 452-183-105, com aproveitamento de 68,2%?

É a informação do Detroit Free Press.

Só há uma coisa a dizer: PUTA QUE PARIU!

sábado, 2 de janeiro de 2010

Dezembro (ou O Mês Em Que Perdemos A Divisão Central)

A campanha

1-4 Oilers (c)
3-4 (SO) Devils (f)
3-1 Rangers (f)
0-1 Blues (c)
3-2 (OT) Ducks (c)
3-2 (OT) Predators (f)
3-2 Coyotes (c)
3-0 Lightning (c)
3-4 Stars (f)
0-3 Blackhawks (f)
0-3 Blackhawks (c)
2-1 Blue Jackets (c)
0-1 (OT) Blue Jackets (f)
4-2 Aval... Denver (c)

Comparativo

Outubro: 5-4-3, 54,1% aproveitamento, 3,16 gols/jogo, 3,5 gols sofridos/jogo
Novembro: 8-5-1, 60,7% aproveitamento, 2,71 gols/jogo, 2,21 gols sofridos/jogo
Dezembro: 7-5-2, 57,1% aproveitamento, 2 gols/jogo, 1,07 gols sofridos/jogo

Os jogadores

Jogador do mês: James Howard. 11 jogos, 6 vitórias, 1.90 GAA, 93,5% de defesas, 1 shutout
Gols e pontos: Todd Bertuzzi, 8 gols e 12 pontos
A surpresa: Todd Bertuzzi, com 3 gols da vitória
O mico: Ville Leino, 13 jogos, 2 pontos e -3. (segundo mês seguido, por sinal)

Notícias do mês

-Jonathan Ericsson machucado, um mês fora (joelho)
-Henrik Zetterberg de fora por um mínimo de 2 semanas (ombro)
-Aposentadoria de Darren McCarty

Em Janeiro

-5 jogos em casa (Car, Chi, LA, Pho, Nas)
-10 jogos fora (Pho, Ana, LA, SJ, NYI, Dal, Was, Min, Min, Pit)

Os primeiros 5 jogos do ano são longe da Joe Louis Arena.