Contagem regressiva para a Copa.

 Contagem regressiva para a Copa.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Dia no limite

Em outros tempos, o gerente geral Ken Holland aproveitaria o dia de hoje para dar uma cartada pela Copa Stanley, reforçando o time com algum defensor disponível no mercado.

Mas limitado pelo teto salarial, que diminuiu sua diversão pela metade, o Jardineiro nada pode fazer neste dia-limite de trocas. Para não passar o dia todo sem trabalhar, ele decidiu cuidar de uma papelada.

Na pilha de papéis acumulada no lado esquerdo de sua mesa estava a proposta de renovação contratual do goleiro Jimmy Howard.

Aos 26 anos, em sua segunda temporada em tempo integral na NHL, Howard lidera a liga em vitórias, com 30. Apesar disso, seus números caíram muito do ano passado, quando foi finalista do Troféu Calder, para este: de 92,4% de defesas para 90,8%, de 2,26 gols sofridos por jogo para 2,79.

Isso não impediu Holland de oferecer-lhe dois anos de contrato por US$ 4,5 milhões, um aumento de mais de 200% no salário médio.

Um preço justo, eu diria. A vida de Howard no hóquei está ligada aos Red Wings, mas ele ainda precisa se mostrar um grande goleiro.

Mais dois anos de Jimmy, pois. Que ele fique até o último dia e faça os pouco mais de dois milhões de dólares parecerem uma pechincha.

Fins de semana e o dia-limite

Lembra quando o melhor dia da semana para usar a internet era sábado? Você ficava conectado o dia inteiro e só pagava um pulso (que diabos era aquilo?), e nesse dia inteiro, com sorte, você entrava no KazaA e baixava um vídeo de 3 minutos.

Pois agora o fim de semana é o pior, já que com vida social você não pode ficar em casa num sábado à noite. E no sábado os Red Wings ganharam de Buffalo por 3-2, nos pênaltis, gols de Datsyuk e Hudler.

E hoje foi o dia-limite de trocas, que faz tempo que deixou de ser emocionante em Detroit. Pelo menos dessa vez aconteceu alguma coisa, e foi anunciada a renovação de contrato de Jimmy Howard. O acordo é por duas temporadas, com James recebendo $2,5 milhões em cada.

É um contrato decente, que para outro segundanista seria o famoso contrato intermediário, entre o de entrada na Liga e o que vai sustentar o cara pelo resto da vida. Mas Howard já vai fazer 27 anos no fim de março, então parece que ele incorporou o estilo Red Wing e preferiu a estabilidade e a segurança de jogar num bom time a um balde de dinheiro.

A outra boa notícia foi dada por Ken Holland, ao dizer que não está nem perto de renovar o contrato de Jonathan Ericsson. Valeu, Ken.

Esta noite tem jogo, no ingrato horário da meia-noite e meia. Detroit enfrenta os Kings, sem Brian Rafalski pelo segundo jogo seguido, o jogador tem dores nas costas. Johan Franzén também não joga, está em casa com a esposa e o veterinário, esperando a chegada do bebê Mula. Jim Howard confirmado no gol.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Notas de uma sexta-feira cinzenta

Na verdade fez sol o dia todo, mas "sexta-feira sensacional" (por sinal, consegui um emprego novo, yay!) não ia servir depois do jogo de ontem. Notem que não digo "vexame de ontem" ou "vergonha de ontem" ou "vai se ferrar Kronwall" de ontem. Afinal, faz um tempinho que Detroit deixou de ser o time mais frustrante do mundo, derrotas toscas e atuações apáticas em casa já se tornaram comuns.

Nos seis jogos em casa no mês de fevereiro, foram quatro derrotas. Em duas partidas o time foi vaiado, ao fim da derrota por 1-4 Nashville e no fim do 1º período de ontem. As vaias não vieram pelos resultados adversos, e sim pela falta de esforço do time. Não posso dizer que eu vaiaria meu próprio time, mas entendo quem o faz. E os próprios jogadores admitiram que as vaias pós-Nashville fizeram o time se ligar para a sequência de vitórias que veio depois. Não vejo problema em vaiar, só não quero que seja uma coisa frequente e que perca o efeito (é a mesma coisa que broncas no vestíário -- Draper ano passado --, que podem acordar o time mas perdem o sentido se forem usadas mais de uma vez).

Ou as vaias não tiveram efeito nenhum e a sequência de vitórias aconteceu porque times do Leste são horríveis, sei lá. Só sei que com essa falta de vontade não passaremos da 2ª rodada dos playoffs. Ou quem sabe o plano é se classificar em 5º e não ter mando de gelo em nenhuam rodada, aí ganhamos todas as séries por 4-3, ganhando tudo fora de casa.

Bom, pelo menos vamos viajar (Buffalo, California, Arizona) e ficar cinco jogos longe de Michigan. Para o jogo de amanhã, quando Mike Modano deve voltar (Valtteri Filppula é dúvida), a defesa fica desfalcada (ou reforçada?), pois Brian Rafalski está com dores nas costas. Joey MacDonald começará no gol.

E no jogo de domingo a ausência será de Johan Franzén, que deve virar pai no fim de semana. Não que vá fazer diferença, já que ele está mais invisível que a encapuzada da Caverna do Dragão.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Contra Dallas

Nos últimos 5 jogos, James Howard tem 93,8% de defesas e média de 1,97 gols sofridos, com 4 vitórias. Henrik Zetterberg e Jiri Hudler(!) tem 9 pontos nos últimos 6 jogos, e Dan(ny) Cleary tem 6 pontos nos últimos 4 jogos. E o time ganhou 5 das últimas 6 partidas.

Enquanto isso, os Dallas Stars perderam 5 seguidas e tem 10 derrotas nos últimos 13 jogos, tem dois goleiros em má fase e vão para o gelo sem sua grande estrela Brad Richards.

Na boa, isso não me cheira bem. Ô, time do caramba esses Red Wings, sempre perdendo pra times em má fase (vide Islanders e Thrashers). E até que não seria estranho, já que perdemos 8 dos últimos 13 confrontos frente os Stars. (estou bem otimista hoje, notaram?)

Para ajudar, Detroit não conta com Patrick Eaves, com problemas na virilha. O atacante se machucou ao dar um tranco na última partida (Wings tão zicados que se machucam até ao dar trancos). Eaves deve ficar de fora por uma semana, e para hoje Jan Mursak foi convocado de Grand Rapids. No sábado podemos ter o retorno de Mike Modano e Valtteri Filppula, contra os Búfalos de Buffalo.

Hoje o jogo é em casa, 21h30 de Brasília. Sai zica.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Detroit 3-4 San Jose

Então quer dizer que os Wings perderam 7 dos últimso 9 jogos contra os Sharks? Saco... O placar dos chutes foi SJ 43-38 DET, e o jogo foi bom até terceiro gol de São José.

Até que Jonathan Ericsson teve uma brilhante idéia, "vou ficar na linha azul, olhando pra baixo e pensando na vida, e chutar pra frente rezando pra que dê certo". Não deu, Sony acertou um Shark e alguns segundos depois, num contra-ataque, 3 a 2 pros caras.

Como autênticos Red Wings, o time sumiu e resolveu jogar bola só quando tomou o quarto gol. Aí já era tarde, ainda que tenha dado tempo de marcar um gol e criar mais uma chance para Johan Franzén que o goleiro deles pegou não sei como.

No geral, um bom primeiro período apesar de muito tempo com um homem a menos, um segundo período razoável e um terceiro período horrível. E Jim Howard, que parou tudo nos primeiros 19 minutos, sumiu depois disso e o ataque não conseguiu compensar.

Fregueses? Com certeza.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Contra San Jose

E acabou o horário de verão, o que significa que todo mundo está a apenas duas horas de distância de Detroit (calma aí, acho que não é isso). Que seja, o jogo de hoje é às 21h30 de Brasília, em casa.

As linhas são as mesmas dos últimos jogos. A novidade ficou por conta de Valtteri Filppula, que planeja treinar integralmente a partir de amanhã e pode estar de volta semana que vem. Mike Modano confirmou que volta contra os Sabers, e Chris Osgood também pode voltar semana que vem.

Quando o time estiver completo, Mike Babcock vai manter as linhas como estão, com Bertuzzi-Zetterberg-Franzén na primeira linha e Cleary-Datsyuk-Hudler na segunda. A terceira linha terá Filppula-Modano-Holmstrom, e a Helm-Eaves serão presença certa na quarta, com Abdelkader, Miller e Draper alternado a última vaga.

Que time, ah que time...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O fim de semana

Fui viajar, então vai tudo de uma vez.

Sexta-feira, Detroit 4-3 Florida

Com Joey MacDonald no gol, a vitória veio principalmente das mãos de Todd Bertuzzi, com mais uma partida com dois gols marcados. Pavel Datsyuk e Dan(ny) Cleary também marcaram.

Sábado, Detroit 2-1 Minnesota (nos pênaltis)

Num duelo de goleiros, Jimmy Howard parou 25 de 26 chutes, e mais dois na disputa por pênaltis. O gol dos Wings foi marcado por Nicklas Lidstrom, e no shootout os gols foram de Datsyuk e Bertuzzi.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Detroit 6-2 Tampa Bay

Pelo visto, Tampa Bay quer ser Detroit. E quem pode culpá-los por querer ser igual os Red Wings? Eles tem Steve Yzerman, o uniforme deles vai ser igual o nosso... Ontem, a Flórida foi Hockeytown B.

Arquibancadas vermelhas, polvos no gelo , um funcionário louco girando o polvo como Al Sobotka  (que deve ser demitido, não é possível).

A torcida teve muito o que comemorar. Em vantagem numérica foram 2 gols em 3 chances. Em desvantagem numérica, matamos 5 oportunidades. Dois gols de Pavel Datsyuk, e um de Dan(ny) Cleary, Niklas Kronwall, Justin Abdelkader e Darren Helm. Jimmy Howard com 38 defesas em 40 chutes.

No fim das contas, contra Yzerman ou não, no gelo foram apenas negócios. Quem entrou ansioso no gelo foi o Lightning, e os Wings, frios como sempre, se aproveitaram disso. Gostei, vocês também. Hoje tem outro jogo, contra os Florida Panthers, 22h30.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Wings vs Yzerman (que coisa horrível)

Tem gente que tem um "segundo time". No beisebol, torço para os Giants mas tenho uma simpatia pelos Yankees (império do mal ROX). Na NFL, torço pelos Patriots, e quando esses estão de fora eu quero que algum time da NFC ganhe (nem sempre Detroit, já que torcer pros Lions é masoquismo). No basquete, torço por um meteoro que derrube todos os ginásios, e meu segundo time é aquele do Pernalonga.

No hóquei, apesar de não chamar de "segundo time", eu gosto do Tampa Bay. Eu era um moleque, e o time deles era divertido. Caramba, o ginásio deles chamava "Ice Palace"! E eles tinham um uniforme saído das pistas de motocross. Além disso, aquele time campeão de 2004 tinha alguns dos nomes mais legais que já vi (Martin St. Louis e Vincent Lecavalier, nas pronúncias em francês; Nikolai Khabibulin; Dave Andreychuk) e ganhou de Calgary, que tinha nos eliminado.

E essa temporada oficializou o Lightning como meu oitavo time (Detroit ocupa as sete primeiras posições), com Steve Yzerman gerenciando a franquia. O Capitão, como sempre, faz um trabalho fantástico e os Bolts estão na mesma situação que os Wings, liderando sua divisão e em 2º na conferência. E para aqueles que acham que Stevie vai voltar para Detroit quando Ken Holland se aposentar, é melhor diminuir as esperanças. Yzerman é um profissional, e não vai abandonar Tampa Bay a qualquer hora. Ele só sai de lá se os donos do time quiserem, e sinceramente, não iríamos querer um gerente dispensado pelo Tampa Bay Lightning.

Bom, para o jogo de hoje, sem saudades, vamos ao gelo com Brad Stuart, quase recuperado de uma lesão na mandíbula. Já Ruslan Salei não joga, pois está na Califórnia com a mulher grávida. Jakub Kindl entra em seu lugar, e o time joga com a defesa assim:

Lidstrom-Stuart (!!!!!)
Ericsson-Rafalski
Kronwall-Kindl

Jogo 22h30, em Tampa (valeu pelo calendário, NHL). Detroit quer continuar melhorando, e agora enfrenta outro bom time do Leste (não que isso signifique muita coisa). Só aceito uma vitória, a não ser que o jogo vá para a 86ª da disputa de pênaltis e Yzerman enfrente Holland.

(ah, e Jan Mursak assinou sua extensão por mais duas temporadas. Mursak está na situação vivida por Mattias Ritola temporada passada, e vai ter que passar pela desistência se for jogar na AHL, ou seja, ou garante um lugar no elenco principal ou deve ser "roubado" por alguém)

Aos poucos...

Eu comemoraria, mas não duvido que isso cause mais problemas. Portanto, vamos todos, discretamente, sussurar um "yeah" pela volta de Brad Stuart. Afastado do gelo desde o começo de janeiro após ter sido vítima de um míssil teleguiado, Stuart joga amanhã contra o Lightining.

O defensor vai usar o tal capacete híbrido, já que sua mandíbula ainda não está totalmente recuperada. Ele também está mais leve, afinal por muito tempo teve sua alimentação restrita a sopas e qualquer coisa líquida. Também é injusto esperar que ele volte no mesmo ritmo de antes da lesão, quando vinha sendo o melhor defensor humano da equipe.

Já Mike Modano deve voltar dia 26, sábado que vem, na partida contra Buffalo. Ele já poderia estar pronto dia 24, mas prefere não voltar justamente num jogo contra Dallas.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ganhamos, mas vocês já sabem disso

Ontem ganhamos dos Bruins mais uma vez, agora por 4-2 em casa. Mais uma vez um bom jogo, permitindo apenas 25 chutes, e com Todd Bertuzzi fazendo dois gols mais uma vez. Tem algum cara nesse time que é tão "de fase"? Tem, Jiri Hudler, que pontuou mais uma vez (claro que é fácil pontuar na mesma linha que Pavel Datsyuk).

Em outras notícias, Brad Stuart foi substituído por um T-800 e já fala em voltar na quinta-feira, contra o Tampa Bay Yzermans. Mike Babcock já disse que, se os médicos derem OK, Disco Stu volta. Nesse exato momento Tio Mike, Kenny Holland e Nicklas Lidstrom estão no consultório subornando o doutor (eu acho).

E Valtteri Filppula, que já era para ter voltado, ainda nem patina. Sai zica.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Detroit 6-1 Boston

Ah, Tomas Holmstrom, que falta você fez. Em seu segundo jogo de volta, os Wings anotam dois gols em vantagem numérica e você tem um gol e uma assistência.

Ninguém vai negar que Mike Babcock conseguiu acender esse time, pelo menos por uma noite. O ataque acordou e chutou 34 vezes, marcando gols nos primeiros dois chutes. A defesa acordou e só permitiu 26 chutes. James Howard acordou e pegou 25 desses chutes. Até Tio Mike acordou e não mandou seu time recuar quando conseguiu a liderança.

Henrik Zetterberg marcou seu primeiro gol depois de onze jogos, Jiri Hudler jogou bem, Todd Bertuzzi fez dois gols e alcançou 700 pontos na carreira. Não dá para dizer que "agora vai", mas é um bom começo para sair da zica do últimos mês.

Domingo enfrentamos os Bruins mais uma vez, dessa vez em casa, às 15h30. Horário horrível, e normalmente os Wings jogam mal em partidas à tarde, então... Sei lá, boa sorte pra nós.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Contra Boston

Numa pesquisa divulgada pela CBC durante o fim de semana das "estrelas", o treinador Jon Tortorella (NYR) foi considerado pelos jogadores aquele que mais exige de sua equipe (com 28% dos votos). O nosso Mike Babcock foi o segundo (24%).

Tortorella é conhecido por gritar e reclamar e expor seus jogadores, criticando-os publicamente se necessário. Por isso, quando perguntaram aos jogadores para qual técnico menos gostariam de jogar, ele ficou em segundo lugar, com 15% dos votos. Tio Mike também ficou em segundo, quando perguntaram para qual treinador os jogadores mais gostariam de trabalhar.

Essa semana foi o exemplo claro do estilo de Babcock. Depois de atuações ruins, o treinador criticou a equipe como um todo, inclusive ele próprio. E na quinta-feira, após o treino relativamente leve (pelo esperado), Babcock disse que adoraria fazer o time treinar até morrer, mas vitórias são mais importantes e sexta-feira tem jogo. É por isso que os atletas gostam do Tio Mike, um treinador que exige tanto de si mesmo quanto de seus jogadores, mas que põe as vitórias, e não seu ego, em primeiro lugar.

Hoje é dia de ver o resultado das recentes broncas. O jogo é em Boston, 22hs de Brasília, e os Wings querem começar uma nova fase no ano, após ter cinco vitórias e cinco derrotas nos últimos dez jogos. A escalação é a mesma das últimas partidas.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Detroit 1-4 Nashville

Excluindo o jogo contra os Rangers, os Wings tem três derrotas seguidas, marcando um gol e sofrendo sete. O que acontece?

Ninguém sabe o que acontece. Falta de esforço é uma possibilidade, já que mais uma vez apenas Lidstrom, Zetterberg, Helm e Draper suaram. Por isso, Mike Babcock cancelou o dia de folga que o time teria hoje e convocou a equipe para treinar. "Se não trabalham duro no jogo, vão trabalhar duro nos treinos. Não vou deixar que esse time jogue assim na frente de 20 mil pessoas, isso é vergonhoso", disse Babcock.

O treinador não se eximiu de culpa, e diz saber que não está fazendo seu trabalho direito tanto quanto os 22 jogadores. Isso é fácil ver. Por 15 anos, Detroit foi conhecido por manter a pressão, passar e passar e passar até achar o ângulo e o momento certo para chutar. Se o chute não entra, lá vai Holmstrom buscar o rebote onde quer que esteja, debaixo do goleiro ou atrás do gol, devolver o disco para um defensor e os Wings começam tudo de novo.

Mas desde o ano passado (ou um ano antes, quando só ganhávamos jogos por causa do ataque), os Wings tem o disco na defesa, saem correndo feito loucos, dão sorte de acertar um passe (oi Rafalski), chutam e logo o adversário está correndo de volta com o puck, normal mente num 2-contra-1. Agora, não iria reclamar desses contra-ataques se o time estivesse atacando bem, se concentrando na zona ofensiva e tendo ocasionais lapsos defensivos. Mas se o ataque não se sustenta, e os contra-ataques são frequentes, cabe ao treinador montar esquemas que impeçam o lance.

Que seja, hoje o time vai treinar à base de chibatadas e sexta-feira deve ter alguma vergonha na cara. Pelo menos é o que a gente espera.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Alguém está surpreso?

Valtteri Filppula não joga hoje, com uma lesão no joelho. Mike Babcock não quis dar falsas esperanças, dizendo que nem os médicos entendem direito o que aconteceu. "Os que não viram a ressonância dizem que não é tão sério. Os que viram dizem que é sério". Valeu, Tio Mike. O que ele sabe é que Flip nem vai patinar por uns dias, quem sabe por uma semana.

Por outro lado, Tomas Holmstrom está de volta, ainda que não totalmente recuperado da mão quebrada. Homer vai jogar na terceira linha, que promete ser muito combativa, com o ataque ficando assim:

Franzén-Zetterberg-Bertuzzi
Hudler-Datsyuk-Cleary
Holmstrom-Abdelkader-Eaves
Draper-Helm-Miller

A defesa é a mesma, e o goleiro é Jim Howard. Jogo às 22h30, em casa, contra os Predators.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Detroit 3-2 NY Rangers

Por um tempo fiquei pensando "ainda bem que os Wings ainda não passaram na TV", afinal não queria que o povo brasileiro conhecesse o time como a coisa apática e desmotivada que vinha sendo nas últimas semanas. Pra tirar sarro da minha cara, os Wings jogaram o 1º período mais apáticos e desmotivados que sei-lá-que, com Jakub Kindl, Jonathan Ericsson e Ruslan Salei cometendo erros ridículos que obrigaram James Howard a fazer 13 defesas.

No 2º período os erros diminuíram, e o jogo abriu de vez. 21 chutes de Detroit, 16 dos Rangers. Pavel Datsyuk, de volta após um mês e meio afastado por lesão, fez aquilo que sempre se espera dele (mais cedo do que eu achava) e roubou um disco, saindo para puxar um contra-ataque. Jiri Hudler, num dos poucos momentos em que não estava colado às bordas do lado direito, deu o passe para Datsyuk chutar e, no rebote, marcar o primeiro gol dos Wings em mais de 140 minutos.

O 3º período foi mais esquisito que o primeiro. Com cinco minutos cada time já tinha marcado um gol, o de Detroit de Hudler, na outra hora que resolveu se mexer. Bela jogada, passes rápidos e boa movimentação, e Jonathan Ericsson mostrando que não esqueceu como é ser atacante (ainda acho que deveria receber umas chances mais à frente). Nos minutos finais, Drew Miller fez o terceiro gol e a torcida achou que tinha acabado, mas com esse time só podemos comemorar duas horas depois do fim do jogo. Um minuto depois, gol dos Rangers e um fim desnecessariamente dramático.

Pra melhorar a situação, Ericsson (sempre ele) e Justin Abdelkader realizaram o sonho de qualquer torcedor de hóquei e deram tacadas na cara de Sean Avery. Pena que isso serviu pra deixar o time numa desvantagem numérica de 5-contra-3 por quase um minuto, e com um a menos até o fim do jogo. Pelo menos o time sabe se defender nessa situação, e garantiu a vitória por 3-2. No terceiro período foram 5 chutes dos Wings e 18 (dezoito!) dos Rangers.

Créditos a James Howard, que num jogo com cara de temporada passada pegou 45 de 47 chutes e contou com a ajuda de defensores que tiraram o disco de cima da linha. Se alguém ainda duvidava que Howard passou a jogar melhor desde a confusão do Nabokov, ai está a prova definitiva. E claro, se o jogo teve cara de temporada passada, Valtteri Filppula saiu com uma lesão na coxa e será avaliado hoje.

No geral, um jogo mal-jogado mas muito emocionante. Detroit tem aproveitamento de 100% em jogos mostrados na ESPN, e a torcida Red Winga mandou muito bem no mural da ESPN e aqui no chat do blog. Não sei quando vamos estar na TV novamente, mas o time joga quarta-feira contra os Predators.

Contra os Rangers

Confirmado, Pavel Datsyuk joga hoje. Voltando de lesão, Dats não vai jogar tanto quanto está acostumado, e fica na 2ª linha. O time treinou assim (com Howard no gol):

Franzén-Zetterberg-Bertuzzi
Hudler-Datsyuk-Cleary
Abdelkader-Filppula-Eaves
Draper-Helm-Eaves

Lidstrom-Kronwall
Ericsson-Rafalski
Kindl-Salei

Lembrando que o jogo é às 22h30, na Joe Louis e na ESPN.


Fim de jogo

Chat encerrado, ainda disponível pelo link. Post do jogo amanhã, sobre a vitória po 3-2 na volta dos Red Wings à TV brasileira. Só uma palavra: James.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

É hoje!

Estava tentando me lembrar quando foi o último jogo dos Detroit Red Wings na TV brasileira. Provavelmente foi algum jogo da série contra os Calgary Flames, que terminou dia 3 de maio de 2004. Ou seja, 6 anos, 9 meses e alguns dias sem uma Roda Alada voando pelos nossos tubos (alguém tinha plasma/LCD naquela época? riquinho).

De lá pra cá, uma Copa Stanley, duas finais, três finais de conferência. De lá pra cá, desde o locaute, só os Wings, os Sharks e os Devils estiveram em todos os playoffs (e a sequência de New Jersey acaba esse ano). Nicklas Lidstrom ganhou mais três troféus Norris, Pavel Datsyuk seus três Selke, Henrik Zetterberg seu Conn Smythe.

Mas chega de nostalgia, hoje tem jogo e ninguém está feliz com esse time. Não importa se estamos em segundo no Oeste, só sei que passamos o fim de semana com duas derrotas e sem marcar gol. Sei que a folga na liderança da divisão agora é de preocupantes 5 pontos. Sei que ultimamente o time escolhe se vai atacar bem ou defender bem, nunca os dois ao mesmo tempo. Sei que a defesa está complicando a vida de Jim Howard, mas que Howard também não facilita o trabalho da defesa.

Desde o começo de janeiro, são sete vitórias e sete derrotas. Uma das peças faltantes nesse período, Datsyuk, deve voltar esta noite, enquanto Tomas Holmstrom continua afastado. Datsyuk deve criar mais chances no ataque e ajudar a defesa, ainda que não em velocidade máxima.

Red Wings vs Rangers na Joe Louis Arena, às 22h30 de Brasília, e na ESPN. Finalmente. (acho que o chat hoje fica na página inicial do blog)

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Na capa, em letras garrafais e amigáveis

Sabe o que é pior que perder para o Columbus Blue Jackets por 3-0 na sexta-feira à noite em Detroit? É saber que, no sábado, o jogo é contra o Nashville Predators, fora de casa.

Porque os Red Wings têm enorme dificuldade contra os Predators, então a derrota, também por 3-0, não foi nenhuma surpresa.

Mas sabe o que é melhor do que perder para o Columbus e para o Nashville em dois dias seguidos, sem marcar um gol sequer? É estar na tela da ESPN na segunda-feira, às 22h30, para enfrentar o New York Rangers na Joe Louis Arena. Aí sim!

Enfim, ficam as sábias palavras d'O Guia do Mochileiro das Galáxias:  
NÃO ENTRE EM PÂNICO.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Avisando o que a gente já sabia

Pavel Datsyuk nem viajou para Nashville, onde os Wings enfrentam os Predators às 23hs de Brasília. Joey MacDonald vai ser o goleiro titular, já que é o terceiro jogo do time em quatro dias (valeu, NHL).

É isso, ainda estou revoltado com o jogo preguiçoso de ontem. E já que não coloquei na postagem (dá um desconto, foi de madrugada), ontem perdemos por 3-0 pros Jaquetas.

"Queridos Red Wings...

Venho, por meio desta, xingar todo mundo.

Xingar Johan Franzén, o homem dos 5 gols em um jogo, que já cumpriu sua cota de esforço do mês e agora vai hibernar até novembro. Também xingar qualquer torcedor que diga que Tomas Holmstrom não faz falta, com chutes que chegam limpos aos goleiros adversários e ninguém para brigar nas bordas exceto Darren Helm e Jan Mursak.

Xingar Todd Bertuzzi, com suas penalidades bestas, enquanto ainda estamos em vantagem numérica. Xingar Jiri Hudler, que putaquepariu, decidiu que a boa fase acabou e ele pode voltar a se comportar como um idiota. Xingar Ruslan Salei, que é melhor que Andreas Lilja, mas acha que isso realmente significa alguma coisa.

Por fim, uma pergunta: é assim que vocês vão jogar segunda-feira, pela primeira vez em uns 7 anos que estarão na televisão brasileira? Se for, me avisem, porque qualquer um que assistir uma apresentação preguiçosa e nojenta e tosca como essa vai me achar mais louco do que já acham.

Obrigado".

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Contra Columbus

E aí, se Pavel Datsyuk não joga hoje, em casa, alguém acha que ele viaja e joga amanhã? Sei lá, e ninguém sabe.

Só se sabe que hoje Datsyuk não joga, nem Tomas Holmstrom. Pavel foi liberado pelos médicos, mas prefere esperar até estar 100% para voltar. Os dois só estão treinando, assim ccomo Brad Stuart (com um capacete que lembra um misto de futebol americano e hóquei universitário) e Mike Modano (que ainda não tem força no pulso e está treinando apenas com defensores). Modano diz que está correndo tudo bem, e pode voltar ainda neste mês.

Para o jogo de hoje, 22h30 em Detroit, Jim Howard no gol. Howard é o líder em vitórias na liga, e embora não esteja jogando no nível do ano passado, está jogando atrás de um dos grupos defensivos mais irresponsáveis que já vi. Fora Lidstrom, todo mundo faz burradas, e esquisitamente (!) o segundo defensor mais confiável nas últimas partidas é Jakub Kindl.

Ainda desfalcados de um goleiro com 400 vitórias, do norte-americano com mais pontos na história, do jogador mais completo do planeta, de um cone que merece ir para o Hall da Fama e de nosso 2º melhor defensor, vamos torcer por uma vitória. (esse time é ridiculamente talentoso, caramba. sem tudo isso, temos 6 vitórias nos últimos dez jogos, mesmo aos trancos e barrancos) E tem chat, claro.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Beisebol? Não, hóquei

Detroit 7-5 Ottawa. Johan Franzén com 5 gols. Só vi o terceiro período, então não falo mais nada. Aproveitem suas batatas.


Imagino que 5 gols também deem direito a uma Coca-cola, não?

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Corram

Então os Red Wings viajaram para Ottawa, para o jogo de amanhã. Foram bem rápido, já que para hoje à noite está prevista uma baita tempestade de neve em Michigan (e quase tudo quanto é lugar). Os Senators jogam hoje em New Jersey, e por enquanto ninguém comenta em atraso em seu voo de volta, marcado para amanhã. A tempestade já ganhou apelidos sensacionais como Snowcalypse e Snowmageddon. Pelas fotos, dá pra entender o porque.

Aliás, os Griffins já sofreram com a neve, já que Ilari Filppula, que esteve no Jogo das Estrelas da AHL (chamado para o lugar do contundido Brendan Smith), está preso na Pensilvânia por causa das más condições de voo.

Para o jogo de amanhã, os Wings contam com o retorno de Dan Cleary mas não o de Pavel Datsyuk. O russo ainda se sente incomodado ao chutar, e deve voltar apenas no fim de semana. O garoto Jan Mursak se juntou novamente ao elenco principal.