quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Goleiro, assistentes, números e outros etceteras

O começo de agosto é o buraco negro oficial das notícias de hóquei, tanto que até acontece alguma coisa e a gente esquece. O que aconteceu ultimamente, resumindo:

  • para a reserva no gol, Ty Conklin assinou contrato para esta temporada, por $750 mil. Conklin esteve em St. Louis nos dois últimos anos, com estatísticas não muito animadoras, e vem para Detroit pela fama da temporada 2008-09, quando jogou em 40 partidas e ganhou 25 delas;
  • a chegada de Conklin deve fechar o elenco para o início da temporada, e define o espaço que o time tem no teto salarial: $5,845 milhões de dólares. Esse valor leva em conta os bônus presentes nos contratos de Mike Modano e Brian Rafalski na temporada passada;
  • Conklin vai usar a camisa 29, Ian White a camisa 18 (já?) e Mike Commodore o número 22;
  • o time anunciou os novos assistentes técnicos: um é Jeff Blashill, que treinava a Universidade do Oeste de Michigan, onde levou os Broncos a seu primeiro torneio nacional em 25 anos. Blashill já havia treinado (e gerenciado) o Indiana Ice da USHL, e levou a equipe ao título de 2009. Em seus tempos de jogador foi goleiro, assim se cogita que será o responsável pela defesa e time de desvantagem numérica (chupa, McCrimmon);
  • o outro assistente é Bill Peters, que nos últimos três anos trabalhou nos Rockford Ice Hogs (wtf?) da AHL. Peters já foi assistente de Mike Babcock na WHL nos anos 90, no Spokane Chiefs, onde também serviu como olheiro. Peters levou os Chiefs ao título da Memorial Cup, o mais tradicional troféu não-Stanley da América do Norte, em 2008;
  • Blashill e Peters substituem Paul MacLean e Brad McCrimmon. Agora a comissão técnica dos Red Wings é formada por Babcock (treinador principal), Blashill e Peters (assistentes), Jim Bedard (treinador de goleiros) e Keith McKittrick (especialista em vídeos);
  • vale lembrar que os recém-aposentados Kris Draper e Chris Osgood irão assumir papéis nos bastidores, provavelmente servindo como mentores para os prospectos, cada um em sua posição (mesma função que Chris Chelios desempenha com os jovens defensores em Grand Rapids);
  • os Griffins, aliás, não tem mais gerenciamento independente, e como muitas franquias da AHL serão gerenciados pelo time ao que se filiaram na NHL.
Foi basicamente isso que aconteceu nas últimas semanas, e provavelmente pouca coisa vai acontecer neste mês de agosto, quando o blog deve continuar um pouco parado (alguma besteira eu invento, falando sobre o calendário e afins). As coisas só devem esquentar mesmo no mês que vem, em Traverse City, quando acontece o torneio de prospectos (dias 10 a 14) e o training camp  principal (dias 17 a 20).

Encheremos linguiça até lá.