Contagem regressiva para a Copa.

 Contagem regressiva para a Copa.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Palavra do salvador

Os Red Wings voltam ao gelo hoje, com Jimmy Howard no gol defendendo a liderança da liga em Calgary, contra os Flames.

Mas é o que acontece fora do gelo que desperta a nossa atenção.

Em artigo publicado no The Globe and Mail, Allan Maki cita uma conversa com Ken Holland, em que o gerente geral dos Red Wings admite que "Gostaríamos de acrescentar mais profundidade, sobretudo na defesa," além de dizer que "Os críticos dizem que não somos grandes o bastante, não somos agressivos o suficiente".

Um defensor porradeiro é o perfil que Holland procura no mercado. De cabeça, não vejo nenhum disponível. Ao contrário da prática estabelecida antes do locaute, Holland não quer abrir mão das escolhas de primeira e segunda rodadas do recrutamento. Entretanto, nós sabemos que, se for para reforçar o time, ele não pensará duas vezes antes de estender a mão para o gerente ao lado.

Alguém pensou em defensores disponíveis?

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Das Estrelas para o mercado

Existem dois eventos marcantes durante a temporada da NHL, que dividem a temporada em períodos bem específicos. O primeiro é o Jogo das Estrelas, pouco depois da metade da temporada, quando as equipes já começam a planejar o seu dia-limite de trocas, que é o segundo e mais importante dos eventos.

Cada time da NHL disputou, em média, 49 jogos até o momento. Durante o próximo mês, a tabela de classificação vai separar os compradores e vendedores, culminando no intenso movimento do dia 27 de fevereiro, o dia D.

Os Red Wings, que chegaram ao Jogo das Estrelas como líderes da liga, com 67 pontos, pretendem adquirir um atacante no mercado. Há algumas boas opções, mas também há, em número infinitamente maior, jogadores ruins supervalorizados.

Ken Holland nunca foi de apostar em porcarias, como quase todos os outros gerentes invariavelmente fazem. Mas é sempre bom deixar nosso recado para que ele continue fazendo seu trabalho da maneira correta.

Em Holland nós acreditamos. E vamos especular pelos próximos 30 dias sobre o futuro do time.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Fazendo hora-extra

Precisava ser tão dramático? Beleza, os Wings continuam a ganhar em casa e melhoraram um pouco a campanha na estrada, e hoje ganharam a 6ª seguida, dessa vez contra os Blue Jackets.


Mas o elenco está acumulando banco de horas, com seis dos últimos oito jogos sendo decididos além dos 60 minutos, quatro deles nos pênaltis. Os três últimos jogos terminaram desse jeito esdrúxulo, com Jiri Hudler, Todd Bertuzzi e Valtteri Filppula (hoje) fazendo o gol da vitória, e James Howard não tendo levado nenhum.

No jogo de hoje Henrik Zetterberg foi expulso, após um lance em que o Jacket voou contra as bordas. Não vou tentar ser objetivo, acho que não foi pra expulsão e não vejo motivo nenhum para suspensão. Se liga, Shanahan.

Aos trancos e barrancos, Detroit acumula 10 vitórias nos últimos 13 jogos e lidera a Conferência Oeste e a Divisão Central, a melhor da NHL, numa briga cabeça a cabeça (a cabeça e a cabeça) com St. Louis, Chicago e Nashville, todos entre os oito melhores da temporada regular até agora. E pensar que até pouco tempo diziam que os Wings só pontuavam muito por enfrentar a divisão mais fraca da liga...

A próxima partida é justamente contra os Blues, segunda-feira às 22h30 de Brasília, em casa.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Mil vezes Red Wings Brasil; Clássico de Inverno

Em semana de recordes em Detroit, chegamos à postagem número 1000 no Red Wings Brasil. Isso enquanto "Estamos passando por um momento crítico na história do blog."


Interessante que o Humberto não escreveu isso durante as vezes que sumi por preguiça, falta de tempo ou qualquer outra coisa. Escreveu justamente na única vez que deixei de escrever de propósito. Assim como não se fala de um shutout durante um jogo, ou não se menciona "jogo perfeito" no beisebol, como a gente poderia falar qualquer coisa que não fosse a sequência de vitórias em casa, que ainda não era um recorde?

Pois bem, agora podemos falar e aproveitar. Não vou falar sobre a sequência em relação à história da NHL, vamos ver o que acontece. Mas o que é oficial é a maior sequência da história da franquia com mais história da NHL. Histórico.

Para comemorar nosso milésimo texto, a imprensa de Detroit anunciou que o Winter Classic (Clássico de Inverno) do ano que vem acontecerá em Michigan. Não em Detroit, mas em Ann Arbor, sede da Universidade de Michigan (Go Blue!), no Michigan Stadium.

Detroit Red Wings e Toronto Maple Leafs devem se enfrentar no primeiro Winter Classic a apresentar um time canadense, e a NHL fez de tudo para marcar o jogo para o estádio. Lá aconteceu o jogo entre Michigan e Michigan State, em dezembro de 2010, com 113,411 espectadores. A Liga pretende atingir o recorde de maior público em jogos ao ar livre, e este é o cenário ideal.

A NBC tentou (como sempre) montar um confronto de equipes norte-americanas, mas a NHL está convencida que um duelo entre dois dos Seis Originais vai atrair boa audiência, e conta com a torcida de Toronto atravessando a fronteira para ajudar a lotar o estádio.

Outro rinque será construído no Comerica Park, casa dos Detroit Tigers no centro da cidade, para receber o jogo de veteranos (imagina só o elenco dos veteranos dos Wings. meu deus, os caras com 60 anos são melhores que os Blue Jackets) e possivelmente o torneio universitário que a Joe Louis Arena sedia anualmente.

Tomara que a temporada 2012-2013 aconteça.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

15 vezes Wings; 700 vezes Datsyuk; 10 vezes Howard; N vezes Bertuzzi.

15 vitórias seguidas em casa.
700º ponto do Pavel Datsyuk.
10º shutout do Jimmy Howard.
Nº Spin-O-Rama gol do Todd Bertuzzi.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Reflexões

Daqui a meia-hora, os Red Wings entrarão no gelo para enfrentar o Buffalo Sabres, em Detroit, buscando sua 15.ª vitória consecutiva em casa, o que seria o novo recorde da franquia.

Não vou procurar, mas acho que os Red Wings já estiveram perto de bater esse recorde pelo menos uma vez nos últimos anos. Então chegou a hora de superá-lo em definitivo. 

Os Wings têm a melhor campanha da liga como mandante, mas estão duas vitórias abaixo dos 50% como visitante. Para assumir a primeira posição na Divisão Central, o time terá que aprender a ganhar jogos longe de Detroit. Apenas quatro pontos separam o Chicago Blackhawks (1.º) do Nashville Predators (4.º) na Divisão.

Nicklas Lidstrom pediu dispensa do Jogo das Estrelas. Dessa vez ele não será "suspenso", como aconteceu dois ou três anos atrás.

Estamos passando por um momento crítico na história do blog. Um momento em que a criatividade sumiu, o tempo acabou, as notícias estão cada vez mais acessíveis em diversas outras páginas e, com o advento do Facebook, o Red Wings Brasil deixou de ser a casa dos nossos torcedores.


sábado, 7 de janeiro de 2012

Problemas

Depois de seis meses duas semanas de férias, volto para anunciar o que pode ser um enorme problema para o futuro da NHL.

O realinhamento, anunciado em dezembro pela Liga, pode se tornar moeda de troca nas negociações do próximo acordo coletivo de trabalho (CBA) entre Liga (NHL) e sindicato de jogadores (NHLPA).

A nova configuração da liga foi aprovada por dois terços da Mesa de Governantes, órgão formado pelos donos das franquias da NHL. A Liga anunciou o realinhamento, faltando apenas uma mera formalidade, a aprovação pela NHLPA. O prazo para resposta era hoje, e... bem... ferrou.

A NHLPA rejeitou o novo formato da Liga, alegando que a nova configuração prejudicaria os jogadores, pelo aumento de milhagem viajada e objeções ao formato da pós-temporada. O sindicato declara ser errado dizer que ele "rejeitou" o realinhamento, pois já teria comunicado essas objeções à Liga antes do anúncio, mas a verdade é que "rejeição" é o termo correto.

Assim, além da incerteza quanto ao realinhamento, esse pode se tornar mais um fator de disputa nas negociações do novo Acordo Coletivo. Vale lembrar que agora a NHLPA é dirigida por Donald Fehr, homem que comandou o sindicato dos jogadores de beisebol quando a MLB teve sua última greve.

Além disso, tanto a NFL quanto a NBA passaram por locautes nos últimos meses, e nas duas ligas houve uma redução do valor pago aos jogadores em relação à renda da liga. Fehr, homem de pulso firme (às vezes até demais) pode ter visto nessas duas negociações um argumento que a NHL poderia usar no próximo verão, quando NHL e NHLPA negociam seu novo acordo.

Isso num momento em que a NHL está crescendo como nunca, logo após assinar um contrato de $2 bilhões por uma década com a NBC, que pretende usar o hóquei como pivô no lançamento de seu novo canal de esportes, sem falar na tentativa da ESPN brasileira retomar as transmissões do esporte no país.

Se a NHLPA tem mesmo problemas com o realinhamento ou se é apenas uma forma de ganhar força nas negociações, ninguém sabe. Só sei que nunca achei que algum dia ficaria contra a NHLPA, mas esse dia chegou.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Como começou 2012

No primeiro de quatro jogos seguidos como visitante, os Red Wings conquistaram uma vitória contra os Stars, em Dallas, por 5-4, e ficaram a uma vitória de alcançar os 50% de aproveitamento fora de casa. Contra os Maple Leafs (sábado, em Toronto), Blackhawks (domingo, em Chicago) e Islanders (terça-feira, em New York), três chances de finalmente colocar um mínimo de decência na coluna Road na classificação.

Ontem a linha 2 foi a linha 1, com Jiri Hudler, Henrik Zetterberg e Valtteri Filppula marcando três gols e oito pontos no primeiro período. O gol da vitória foi marcado no terceiro período por Johan Franzen, depois que Pavel Datsyuk roubou um disco de um adversário atrás da rede, algo em que ele é mestre.

Outro destaque do jogo foi Todd Bertuzzi, autor da única penalidade, aos 15 segundos do primeiro período. No restante do jogo nenhum outro jogador foi penalizado.

Os Wings começam a ficar saudáveis, com o retorno de Chris Conner. O atacante Joakim Andersson deve ser mandado de volta para os Griffins até o fim de semana, depois de disputar quatro jogos entre os maiorais. Darren Helm e Tomas Holmstrom continuam de fora, mas pode ser que até sábado, e ainda falta muito tempo até lá, já estejam prontos para retornar.

Há quem garanta que o próximo Clássico de Inverno será disputado em Detroit. Seria sensacional.