sábado, 15 de setembro de 2012

Desabafo

Eu comecei a acompanhar a NHL no ano 2000.


Ouvia os jogos dos Red Wings em inglês, muitas vezes partidas que acabavam depois das 3h da manhã, numa época em que assistir aos jogos pela internet era inimaginável. Bastava ouvi-los, fosse em outubro ou maio. Não fazia distinção entre pré-temporada e playoffs, todo jogo era o jogo.

Acordei em incontáveis madrugadas para assistir às repetições dos jogos pela antiga ESPN. Gravei diversos jogos em fitas VHS, que ainda possuo. Tenho saudades do NHL Power Week, o programa mais bacana que a TV já produziu.

Montei planilhas que eu atualizava a cada jogo do Detroit, com todas as estatísticas imagináveis, informações que estavam disponíveis em dezenas de páginas gratuitamente, mas só as minhas planilhas permitiam acompanhar a evolução dos jogadores a cada número inserido.

Acessava diariamente os boxscores de todos os jogos, um por um, além da tabela de classificação e dos artilheiros. O papel de parede do meu computador era o calendário de jogos dos Red Wings no mês.

Participei de listas de discussão de brasileiros sobre a NHL e de americanos sobre os Red Wings. Fiz amizades, fiz inimizades e escrevi muito sobre a liga, seus times e jogadores.

Eu conhecia todos os jogadores. Nome e sobrenome. Time, país, número de camisa.

Troquei o computador para continuar jogando o NHL da EA Sports, que a cada ano exigia uma configuração melhor e minha velha máquina, em determinado momento, já não o suportava. Tudo pelo prazer de, ainda que virtualmente e através do teclado, jogar hóquei no gelo.

Escrevi semanalmente durante quase uma década para uma revista eletrônica em português sobre hóquei no gelo. Também editei e diagramei, trocando horas de lazer ou sono por um projeto que me encheu de orgulho.

Mantenho um blog em português sobre os Red Wings há mais de cinco anos. Ajudei a criá-lo e a atualizá-lo. Pelo blog passaram centenas de torcedores brasileiros e outros tantos estrangeiros, ajudando a fundar uma comunidade de fãs.

Assinei o NHL GameCenter na temporada 2011-12.

E no meio disso tudo houve um locaute, em 2005, que me roubou uma temporada inteira do esporte que amo.

Deixei de ouvir os jogos, dando valor apenas quando podia assisti-los. Passei a ignorar a pré-temporada e a menosprezar a temporada regular. Ainda que fossem playoffs, se o jogo era de madrugada, nem pensar, porque eu queria dormir.

Abandonei as planilhas, afinal de contas os números estão todos por aí. Parei de acessar os boxscores e não sabia mais quem era o artilheiro. Saí das listas de discussão. Aliás, todos saíram.

Não conheço mais os jogadores, seus nomes, de onde vieram, quais as suas camisas.

Já não jogo o NHL da EA Sports. A versão para PC foi descontinuada e a vontade de jogar nunca foi tão grande a ponto de justificar a aquisição de um videogame.

A revista eletrônica acabou, o blog sofre com períodos sem atualização e praticamente não converso com ninguém sobre os Red Wings. Falar o quê?

E cancelei o NHL GameCenter.

Ainda que a temporada perdida em 2005 não seja a responsável por todas essas mudanças, não ter hóquei certamente não ajuda a melhorar a situação.

Vamos para mais um locaute, apenas porque os jogadores e os donos dos times não podem sentar e negociar até chegarem a um acordo. Ficam nesse jogo de empurra-empurra, manipulando a imprensa e enganando os torcedores, enquanto o tempo passa, os treinos não começam, os jogos da pré-temporada são cancelados e o calendário deixa de ter 82 jogos. E tudo isso por causa de alguns milhões a mais para um ou para o outro, porque os lados não podem simplesmente concordar em dividir tudo ao meio.

São uns infelizes, uns idiotas, incapazes de perceber que a NHL (a liga, os times, os jogadores) perdem muito do que alguns milhões a cada dia em que o disco não encontra o gelo.

Que se fodam, todos eles.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Colaiacovo e Abdelkader assinados, os veremos em novembro

Depois de algumas notícias contraditórias, Detroit contratou oficialmente o defensor Carlo Colaiacovo, ex-St. Louis, por duas temporadas, a $2,5 milhões por ano.

O contrato de Justin Abdelkader também foi estendido, por mais quatro anos, a aproximadamente $1,75 milhões por temporada.

Hoje isso não tem importância nenhuma, porque Gary Bettman anunciou que, depois da última reunião com os proprietários de time, a NHL foi autorizada unanimemente a começar um locaute, se um acordo não for fechado até sábado à noite.

(sim, foi unânime. é meio decepcionante saber que, no fim das contas, Mike Ilitch é só mais um "deles")

Ontem, além da reunião dos proprietários, cerca de 300 jogadores também se reuniram nos escritórios do sindicato dos atletas (NHLPA) em Nova York. Os dois lados continuam dizendo que querem que a temporada comece logo, mas é estranho saber que as sedes da NHL e da NHLPA ficam a uma distância de dois quarteirões, mas as partes só conversam internamente.

O atual acordo coletivo (CBA) expira nesse sábado, enquanto os training camps iriam começar em 21 de setembro e a temporada prevista para 11 de outubro. Infelizmente, não há nenhuma razão para otimismo, ainda que as partes tenham alterado suas propostas quanto à porção da renda direcionada aos atletas (a NHLPA chegou a 52,7%; a NHL a 49%; eles são teimosos demais para concordar com 50,5% ou coisa parecida).

Jogadores já se preparam para jogar na AHL (aqueles que tem contratos com essa autorização, como Brendan Smith, Gustav Nyquist e Damien Brunner), ou para jogar na europa (Cory Emmerton, por exemplo, e Pavel Datsyuk se o locaute durar muito tempo), ou simplesmente treinar informalmente em rinques perto de casa em Detroit (Henrik Zetterberg, Ian White e Niklas Kronwall são alguns).

Um locaute já era um pouco previsível, pois no ano passado tanto a NFL quanto a NBA passaram por essa situação. O problema é que essas ligas não são estúpidas, e seus acordos coletivos terminavam meses antes da temporada. A NHL é estúpida, e seu acordo termina uma semana antes da pré-temporada. A NHL também se compara a NFL e NBA, no sentido que nenhuma dessas ligas destina mais de 50% de suas rendas ao jogadores*.

(*ainda que sejam coisas completamente diferentes - 50% da renda da NFL seria em torno de $4 bilhões, mais do que a NHL ganha no total, e; na NBA cada time tem 12 jogadores, metade de um elenco da NHL)

Se Bettman quiser copiar a NBA, e começar sua temporada apenas no "grande evento" da temporada regular, minha previsão é que o Clássico de Inverno seja o primeiro jogo do ano. Mas o Clássico e suas rendas não começam dia 1º de janeiro. A pressão começa bem antes, no fim de novembro, quando normalmente a HBO começa a gravar a série "24/7", que mostra os bastidores das equipes na preparação para o evento. É aí que os proprietários podem sentir o primeiro baque econômico*, e as conversas podem mudar.

(se você se perguntou "Ué, mas e o tal contrato bilionário com a NBC?", saiba que o pagamento de $200 milhões vai ser feito com ou sem temporada para ser transmitida. a diferença é que, para cada temporada perdida durante a vigência do contrato de 10 anos, a NBC ganha o direito de não pagar nada pelos direitos de transmissão por uma temporada ao fim do contrato. ou seja, a NHL recebe esse ano mesmo se não tivermos jogos, mas em 2022 a NBC transmite de graça. que beleza)

Ah, e já falamos que essa é a primeira vez que o logotipo oficial do Clássico de Inverno não traz o ano em que será jogado?

De qualquer forma, é triste, rídiculo e patético que tenhamos que chegar a esse ponto mais uma vez. Pior, saber que qualquer que seja o acordo negociado dessa vez, por sete ou oito anos, daqui a sete ou oito anos passaremos pela mesma coisa. E triste pensar naqueles que realmente vão perder com um locaute. Não nós, deixem de ser egoístas. Quem perde são aqueles que trabalham em arenas, em lojas oficiais e afins.

Aproveitem os próximos meses, divirtam-se com a família, leiam livros e vão viajar. Porque a NHL sabe que, com um estalo de dedos, estaremos de volta assim que eles quiserem.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

"Estamos pobres", diz o anão de $8 milhões de dólares

Meses antes das negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (CBA) de 2004, relatórios oficiais e não-oficiais apareciam por todos os lados, todos apontando para prejuízos e quase falências e a impossibilidade de continuar naquele sistema que iria destruir a Liga.

Meses antes das negociações do CBA de 2012, a NHL anunciou um novo contrato com a NBC que vai render $2 bilhões de dólares (!!!) na próxima década. Em abril, em comunicado oficial à imprensa, a Liga comemorava o sétimo ano consecutivo com renda recorde, os nove novos grandes patrocinadores, o aumento na audiência, as altas vendas de camisas e similares.

E hoje, onze dias antes do fim do CBA, alguém da NHL "vazou" a informação que, nos últimos dois anos, a Liga perdeu $240 milhões de dólares.

É para alguém acreditar nisso? Sério? Aliás, se o prejuízo foi de $120 milhões ao ano, os $200 milhões que a NBC vai pagar já não vão cobrir esses gastos? Será que o fato de a Liga ter comprado o Phoenix Coyotes, e se recusar a vender o time a qualquer um que queira tirar a franquia do meio do deserto, não tem nada a ver com isso?

(aliás, segundo a Forbes, os Coyotes perderam $24,4 milhões de dólares ano passado, o time que deu maior prejuízo na NHL. Bem atrás, com prejuízo de $13,7 milhões, estão os Blue Jackets. A lista completa está aqui, mostrando que só 12 das 30 franquias dão lucro. O balanço geral é um lucro de $126,5 milhões, com a maior parte vindo de Toronto, com lucro de $81,8 milhões)

Mas tudo bem, vamos nos fazer de tontos e fingir que acreditamos nesse prejuízo fantasma. A Liga então admite que está perdendo dinheiro, e é óbvio que são os Phoenixes e Columbuses e Tampas que estão sangrando fundos por todos os lados. O que os jogadores tem a ver com isso?

Pela proposta da NHL (mesmo a revisada, onde os jogadores teriam direito a 46% das receitas da Liga), entende-se que os times querem cobrir seus alegados prejuízos somente com o dinheiro do bolso dos atletas, como se fossem eles os culpados pelos gastos desenfreados.

Como já dissemos aqui milhares de vezes, esse argumento não tem o mínimo sentido, já que os salários dos atletas estão vinculados diretamente às receitas da Liga. Assim, o suposto prejuízo só pode ter surgido de outros gastos. Que gastos? Não sei, quem sabe a compra de uma franquia falida que não vai a lugar nenhum, ou o salário do comissário Gary Bettman, que mais do que dobrou desde o último locaute (Bettman recebia em torno de $3,5 milhões em 2005, e hoje seu salário está pouco acima dos $8 milhões).

Está mais do que claro, a NHL manipula números de acordo com seu interesse. Se está negociando contratos, a Liga está saudável e no melhor momento da história. Se está negociando com atletas, as franquias estão no vermelho e a situação é insustentável.

Pelo menos dessa vez a NHL não vem tendo sucesso em seus falhos argumentos, que são recebidos com risadas por jornalistas e torcedores. Além dessa farsa do prejuízo, outro tiro que saiu pela culatra foi a declaração de Bettman ao fim de uma das reuniões da semana passada, quando disse que "a NHL pode suportar paralisações, porque seus torcedores são os melhores do mundo".

Essa tentativa de puxar saco foi previsivelmente recebida com muitas críticas, afinal ficou claro que o comissário chamou a torcida de um bando de paspalhos.

Quem sabe o melhor a fazer seria ficar calado, apenas negociar e só voltar aos microfones com alguma boa notícia. Por ora, nenhum encontro entre NHL e dirigentes e atletas está marcado, ainda que as partes tenham dito que estão abertas a propostas.O único encontro oficial marcado é uma reunião entre NHL e proprietários de times, para o dia 13 de setembro, dois dias antes do fim do CBA. Falando em proprietários, interessante notar que apenas 4 dirigentes compareceram à alguma reunião, enquanto mais de 100 atletas estiveram do outro lado da mesa.

Como sempre, a NHL solta uma informação que traz mais dúvidas do que respostas. Mas a maior dúvida é: se a Liga conseguiu tudo o que queria em 2005, e vem tendo receitas recordes ano após ano, e ainda assim está perdendo dinheiro, como é que Bettman ainda tem um emprego??